Rádio Observador

Portugal 2020

Quando queremos, somos os melhores /premium

Autor

Sobre a proposição metafísica de Marcelo relativa à natureza dos portugueses: se, quando queremos, somos os melhores dos melhores, porque é que, tantas vezes, o queremos tão pouco?

Uma semana de férias numa conhecida vila termal do Norte de Portugal fez-me pensar repetidas vezes no muito publicitado pensamento de Marcelo Rebelo de Sousa segundo o qual os portugueses, quando querem, são os melhores dos melhores. Não que tenha de súbito descoberto um sentido testável para essa frase tantas vezes e tão longamente repetida, que obviamente não passa de um pedaço de retórica convenientemente imune a qualquer espécie de confirmação ou refutação empíricas, à disposição de quem quer que seja que se decida a utilizá-la com a intenção que bem lhe apetecer. Nada impede, por exemplo, o seu colega Mohamed Abdullahi Mohamed, presidente da República Federal da Somália, de a pronunciar relativamente aos somalianos com idêntica legitimidade e flagrante insusceptibilidade de se confrontar com um desmentido empírico. Mas, levando-a por razões puramente caritativas a sério, apetece perguntar em certos casos: porque é que o querem tão pouco?

Explico. Eu e a minha mulher, com pouco tempo para férias, decidimos prescindir, nessa breve fatia de tempo, de tudo o que implicasse trabalhos caseiros e recorrer sistematicamente aos serviços da restauração local, que se apresentava em grande quantidade. O artigo de hoje limita-se a descrever um conjunto de experiências na matéria. Restrinjo-me aos factos e omito por inteiro as nossas reacções aos ditos, que não acrescentariam nada de significativo ao assunto principal. E permito-me uma conclusão antecipada. Foi como ter passado uma semana nas lendárias Fawlty Towers, servidos alternadamente pelo extraordinário Basil e pelo não menos memorável Manuel (de Barcelona). Verdade seja dita que a semelhança com as situações narradas na série quase imediatamente transformou o contacto com a realidade numa experiência hilariante. Somando tudo, foi uma boa semana, e não escrevo este artigo de modo algum para me queixar, muito pelo contrário. A coincidência absoluta da realidade com o mito pode oferecer encantos insuspeitados.

Tudo começou com o pacato pedido de um hambúrguer no snack-bar de um hotel. Quando o dito hambúrguer chegou, pedi mostarda para o acompanhar. “Já meti tudo dentro”, foi a resposta imediata da jovem que servia, e “tudo” aqui significava, além da mostarda, ketchup e maionaise. Não discuto, é claro, a boa vontade, mas o sábio princípio da liberdade individual da escolha tinha sido posto em questão e, sobretudo, a imagem do “meter tudo dentro” ofende a delicadeza com que se olha até para um banal hambúrguer. Estava já tudo “metido” lá dentro, pronto a ser “metido” dentro de nós.

A experiência seguinte, num restaurante, foi mais consistentemente Basil Fawlty. Tinha chegado a altura da sobremesa e, na esplanada não muito ocupada de clientes, fizemos um sinal ao empregado. Com um olhar reprovador, pôs-nos devidamente no lugar: “Ainda há gente a comer!”. Dito por outras palavras: enquanto houvesse mais gente a comer, um facto certamente inédito num restaurante, a sobremesa tinha de esperar. Esta lei da restauração, a lei Basil, poder-se-ia chamar-lhe, que reclama uma teorização própria, deixou-nos perplexos. Mas, enfim, como imorredoiramente lembrou Ésquilo, aprende-se sofrendo, e lá integrámos o avanço sem dúvida significativo por ela representando.

Uma tarde, depois de umas braçadas na piscina, apeteceu-nos uma bebida. O bar de um outro hotel tinha uma varanda simpática, em cima do edifício das águas termais. Decidimo-nos por dois exotismos caracterizados: uma vodka tónica e um sumo de laranja. Problema com o sumo: alguém tinha pedido um ao almoço e já não havia uma só laranja disponível. Podia ser um Compal de pêssego? A minha mulher lá aceitou a solução inevitável – e eu, podia ser uma vodka qualquer? A ideia de “uma vodka qualquer”, vá lá Deus saber porquê, inquietou-me, e perguntei quais tinha. A menina desceu ao andar de baixo, e voltou, passado algum tempo, com a lista das bebidas e uma boa notícia: ainda havia um par de laranjas. O problema é que a lista das bebidas não mencionava nenhuma vodka, o que originou nova descida ao andar de baixo. Regresso da menina acompanhada de um jovem (“He manager”, podia ter dito a menina-Manuel) que me perguntou o que é que eu, o “cavalheiro”, queria. “Ah, uma vodka tónica!”, e desceu contente. A menina lá trouxe depois o sumo de laranja, rodeado de pacotinhos de açúcar, e a vodka – “uma vodka qualquer”, mas seria estúpido fazer-me esquisito.

Foi na noite seguinte que Basil Fawlty voltou em força. A esplanada do restaurante estava cheia, pelas nove e trinta. Sentámo-nos numas cadeirinhas para esperar. Um senhor muito sério avisou-nos cominatoriamente que a cozinha fechava às dez e que era um risco. Respondi que arriscávamos, até porque toda a gente parecia ter chegado ao fim do jantar. Instantes a seguir, uma extensa mesa de vários convivas ficou liberta. Depois de alguma hesitação, lá nos encaminhámos para uma das extremidades da mesa de oito lugares. Na outra extremidade, dois franceses esperavam pela conta enquanto se lamentavam pelo mau serviço. Depois de resolvida a conta dos outros, a encarnação lusitana de Basil Fawlty dirigiu-se a nós, ralhando à criançada: “Não sabem, mas neste restaurante os clientes têm que esperar que libertemos a mesa e só depois se sentam”.

E há a magnífica história do risotto. Restaurante de um outro hotel. Um magnífico dia de calor e céu azul. Pedimos um rosé muito fresquinho. A empregada confessou que o rosé não estava fresco, mas que se voltássemos ao jantar já estaria. Foi triste prescindir da generosa sugestão, mas precindimos e pedimos dois risottos de cogumelos que a lista anunciava e que já tínhamos lá comido antes. Passado algum tempo, chegaram dois risottos – de legumes. Fiz notar que o risotto que tínhamos pedido era de cogumelos. A menina confessou a sua surpresa: desconhecia a existência do risotto de cogumelos. Lá partiu com os nossos pratos, para voltar pouco tempo depois com os mesmos risottos de legumes com uns pobres poucos cogumelos enfiados lá dentro.

Haveria ainda outras histórias a contar, como a da “casa de petiscos” em que a empregada-Manuel, depois de lhe termos feito notar que, já com a comida na mesa, faltavam os talheres, passou quinze minutos, entre idas e vindas às mesas, a lembrar-nos que não se tinha esquecido dos talheres em questão, esperando sem dúvida assim fortificar a nossa crença na capacidade da espécie humana para progredir em direcção ao melhor.

Permito-me repetir que, depois das primeiras perplexidades, estas experiências foram vividas com real hilariedade. Tal é a natureza da espécie humana que uma pessoa é capaz de pagar só para ver as suas expectativas sem excepção confirmadas, residindo a única dúvida, neste caso, em saber se o encontro gastronómico se daria com as versões lusitanas de Basil ou de Manuel. Além de tudo, tudo isto levanta a questão que mencionei no início sobre a proposição metafísica de Marcelo relativa à natureza dos portugueses: se, quando queremos, somos os melhores dos melhores, porque é que, tantas vezes, o queremos tão pouco? É um tema que deixo à reflexão do nosso filosófico presidente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comportamento

As sensibilidades demonstrativas /premium

Paulo Tunhas

Um político pode fazer a ponte entre as profundidades expressivas do seu Eu, colocadas no centro de tudo, e o seu discurso sobre a sociedade. Bastará sublinhar a radicalidade emocional deste último.

Sustentabilidade

O Manifesto da 2ª Ruralidade

António Covas

Como venho a defender, sem uma boa “curadoria territorial” as medidas do programa de valorização do interior revelarão, muito provavelmente, a breve trecho, o seu lado inorgânico e difuso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)