1 O desespero do Governo para aprovar o Orçamento de Estado (OE) para 2022, um ministro da Defesa vaiado pela tropa, um primeiro-ministro obrigado a pedir desculpa aos patrões, caos nos hospitais (que são recorrentes) e o anúncio em catadupa de greves da função pública, médicos, enfermeiros e professores em novembro (culminando tudo com uma manifestação nacional da CGTP a 20).

Eis a imagem perfeita de um Executivo sem rei nem roque que se arrisca a ir a eleições antecipadas numa má altura (seria péssima, e será?, no próximo ano) — uma má altura que muito se deve a um acumular de erros políticos do primeiro-ministro, dos quais se salienta a casmurrice de não fazer uma remodelação governamental no primeiro semestre deste ano.

É caso para dizer: afinal, António Costa não é assim tão habilidoso.

Chegados aqui, há uma pergunta-chave: se o OE for chumbado, alguém ganha alguma coisa com eleições antecipadas?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.