Rádio Observador

Pais e Filhos

Querido pai /premium

Autor
172

O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família

“O meu filho, conheço-o eu!” é quase um “slogan de mãe”. Tem qualquer coisa de “please, do not disturb” que não é simpático para o pai. Mas, estranhamente, parece ser daquelas expressões que, apesar do seu quê de sexista, acaba por ser aceite pelo pai e pela mãe. Porquê?…

Ao longo de toda a minha vida, já deparei com muitas mães que conheciam mal os seus filhos. E nem mesmo essas deixavam de reclamar, em várias ocasiões, o protagonismo com que o amor de mãe se traduz no “grito”: “O meu filho, conheço-o eu!”. Mas nunca vi um único homem tomar a ousadia de se “chegar à frente” e, mesmo na ausência da mãe, reclamar, com a mesma assertividade, nada de idêntico. Não é que eles não se achem capazes disso. Mas a capacidade de um homem se aventurar para “fora de pé” e tomar a dianteira – reclamando conhecer um filho melhor que a mãe – é, praticamente, zero. E isso é engraçado. Sendo tantos homens tão “guerreiros”, tão intuitivos e tão sensatos, o que é que os leva a “encolherem-se” e, diante de uma afirmação (como essa) de poder duma mãe, nem sequer se arriscarem com um simples: “também eu”? E tudo isto levou-me a perguntar o que está a acontecer ao papel do pai. O que leva o pai a nem sequer reclamar, diante deste “chega para lá”? Porque, é verdade, há muitas mães que conhecem os seus filhos melhor do que mais ninguém. Mas fazer disto uma “regra” só nos pode levar a presumir que: ou é mesmo assim que acontece com todas as mães, e não se discute; ou o pai, mesmo magoado com uma afirmação tão cheia de arestas como essa, entende que contraditar a mãe será “comprar uma guerra” e, para não acabar num “cabo de trabalhos”, cala-se. Será que o pai, como se repete, deixou de “mandar” e que, em função dessa aparente transformação da “Lei do pai”, as crianças crescem, hoje, muito mais sem “Lei”?

É verdade que o mundo sempre foi machista e matriarcal. E que, agora, finalmente, começa a ser menos sexista. É verdade que o pai vai, hoje, mais vezes ao pediatra, tira mais licenças parentais e está mais presente e é mais participativo nos cuidados e na educação dum filho. Mas será que o papel do pai se tornou muito diferente daquilo que era? É verdade que o pai ausente ou o pai autoritário, de há cinquenta anos, tem vivido tantas transformações que o pai que reclama os mesmo direitos em relação à guarda e às responsabilidades parentais é, de facto, muito distinto. Mas será o pai de hoje tão, “estruturalmente”, diferente?

A função da mãe em relação a um filho – tirando a forma como ter um trabalho e uma carreira a obrigaram a ser mais “multi-funções” – parece não se ter alterado tão profundamente, ao longo dos séculos. Mas o pai matizou de muitos “gestos maternais” a sua “função paterna”. E, mesmo quando a mãe, à beira dum ataque de nervos, “esquece” a afirmação “O meu filho, conheço-o eu!” e, mal uma criança se porta mal, é persuasiva quando afirma: “Agora, vê lá se te zangas com o teu filho!” -, o papel do pai não fica muito nítido. Ele zanga-se, claro. E, depois: deve ser ele, simbolicamente, o rosto da autoridade como as crianças (e a mãe, nessas alturas) o parecem ver? Ou espera a mãe e espera ele que seja muito mais?

A atitude autoritária do pai de antigamente escondia um desconhecimento muito grande do pai em relação aos filhos e iludia um sentimento recíproco de desamparo que ambos sentiam. Veja-se, por exemplo, a forma como “esse pai”, distante e autoritário, dava, tantas vezes, lugar a um avô bondoso, “meloso” e participativo na vida dos netos. Mas, ao mesmo tempo, a forma como a mãe é, de facto, a protagonista nós primeiros anos da vida de um filho, tira ao pai o conhecimento intuitivo acerca dele, a que as mães chamam “sexto sentido”. E dá à mãe a convicção inabalável de conhecer um seu filho como mais ninguém. E, já agora, parece empurrar o pai para um segundo plano que, em muitas circunstâncias, se pode tornar perigosamente cómodo para ele. Ou não é verdade, por exemplo, que é a mãe quem se levanta muito mais vezes, de noite, quando um filho chora?… Porque é que uma criança, quando  se aflige, chama pela mãe? Porque reconhece que o pai não lhe dá essa sensação de ser “Deus na Terra” que a mãe lhe sugere.

Voltemos à questão inicial: afirma-se, repetidamente, que as crianças estão como estão, em relação às regras e à boa educação, porque o papel do pai, na família, se tem “apagado”. Será assim? Eu acho que não! A forma como a mãe e o pai parecem encolher-se demasiado – quando se trata de definirem regras e exercerem a sua autoridade em relação a um filho – não tem, de facto, a ver com o apagamento do papel do pai. Nem as regras se respeitam com a ajuda do medo do pai, nem a principal função do pai é zangar-se com ‘o seu’ filho (como a mãe reclama em alturas de maior tensão). A função do pai está a mudar; é verdade. Mas a da mãe, também! Talvez o pai ainda não tenha encontrado o seu lugar em todos os momentos da vida dos filhos, a ponto de deixar de se encolher e passar a reivindicar o seu “sexto sentido” para afirmar que conhece um filho como só a mãe o conhece; e a mãe (apesar daquilo que um bebé lhe dá e lhe exige) talvez também precise de separar a amamentação de todos os outros cuidados que um pai pode e deve ter. Estaremos mais perto que nunca duma verdadeira “democracia parental”, como a Humanidade talvez nunca tenha conhecido de forma tão aberta e tão generalizada. É claro que há sempre quem se assuste com as mudanças. Um pai mais atento e mais interventivo conhecerá melhor o seu filho e será “mais pai”. Mas mais e melhor pai exige mais e melhor mãe. Muito depressa, portanto, havemos de chegar a um patamar do género: “O nosso filho, conhece-mo-lo nós!”. O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família que, à conta dos pais estarem com dificuldades em acertar num novo formato de autoridade, faça com que as crianças mandem, muitas vezes, nos pais. Muito mais do que deviam! E que se ache que é porque o pai “desconhece” os filhos e por ele não saber qual é o seu papel na família que faltam regras e educação a muitas crianças.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Pais e Filhos

Vamos lá falar do pai /premium

Eduardo Sá
102

Se a mãe passasse algumas vezes pela forma como nós, pais, somos colocados no “nosso lugar” não sei se ela iria, por muito mais tempo, conseguir ser pai. Eu acho que não. Mas é só uma ideia...

Pais e Filhos

Vamos lá falar do pai /premium

Eduardo Sá
102

Se a mãe passasse algumas vezes pela forma como nós, pais, somos colocados no “nosso lugar” não sei se ela iria, por muito mais tempo, conseguir ser pai. Eu acho que não. Mas é só uma ideia...

Pais e Filhos

Maternidades muito modernas /premium

Eduardo Sá
665

É verdade que a maternidade nem sempre é um céu. Mas para certas pessoas muito “modernas”, é difícil aceitar a maternidade como aquilo que nos liga a tudo o que há de mais animal e mais humano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)