Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

Rebentou a Berarda! /premium

Autor
409

Mais do que a receber Comendas, Joe Berardo é fortíssimo a receber encomendas. Basta lembrar como o governo de José Sócrates lhe encomendou que votasse ao lado do Estado na OPA da Sonae à PT.

Na semana passada Joe Berardo prestou declarações no Parlamento e provocou uma verdadeira revolta popular. E com razão. A desfaçatez do Comendador foi realmente estupenda. Aliás, foi das maiores desfaçatezes de que há memória neste país. Pese embora ter sido imediatamente suplantada por outra desfaçatez ainda maior. Nomeadamente a desfaçatez com que vários responsáveis políticos assinalaram a desfaçatez de Joe Berardo depois de durante anos terem achado imensa graça que o Comendador, com o dinheiro emprestado pela CGD, andasse a fazer favores aos governos que eles próprios integraram. Digamos que a desfaçatez de Joe Berardo teve o mesmo azar que Luís Figo, um jogador incrível com condições para ser a referência do futebol português do século XXI durante décadas, só que depois apareceu logo o Cristiano Ronaldo.

Nesta comissão de inquérito foi também muito comentado o advogado de Joe Berardo, que passou o tempo a cutucar o seu cliente e a segredar-lhe as respostas a dar aos deputados. Confesso que não me espantou ver o causídico industriar o seu cliente de forma tão recorrente. Afinal os últimos anos mostram claramente que, mais do que a receber Comendas, Joe Berardo é fortíssimo a receber encomendas. Basta lembrar, por exemplo, como o governo de José Sócrates lhe encomendou que votasse ao lado do Estado na OPA da Sonae à PT, ou lhe encomendou que reforçasse a sua posição no BCP para ajudar os socialistas a tomarem conta do banco. No fundo, Joe Berardo é o moço de recados que tem as calças com os maiores bolsos do mundo. É do género “Ó Joe, toma lá mil milhões e vai votar para não nos sacarem a PT”. E “Ó Joe, leva lá mais mil milhões e vai pôr-te ao lado daqueles amiguinhos para entrarmos pelo BCP adentro. E guarda o troco. Compra qualquer coisa bonita para ti, homem.”

Mas atenção. Não nos precipitemos a julgar Joe Berardo no caso BCP. Sim porque hoje, olhando para trás, é fácil criticar, mas na altura até… Não, na altura também era bastante fácil criticar, na verdade. Ainda assim houve quem não vislumbrasse motivos para tal. Como Marcelo Rebelo de Sousa. Tanto é que o na altura comentador político televisivo elegeu Joe Berardo a figura do ano 2007 na economia portuguesa pelo papel decisivo que tinha tido na definição do futuro do BCP. E é aqui que se percebe que realmente Marcelo Rebelo de Sousa evoluiu muito como político. O que o homem tem trabalhado, selfie atrás de selfie, para melhorar as suas poses. Hoje em dia seria impensável Marcelo Rebelo de Sousa ficar tão mal na fotografia como ficou neste registo com mais de dez anos que foram agora desenterrar.

Enfim, para sermos justos é preciso reconhecer que nestas moscambilhas envolvendo Joe Berardo há profundo infortúnio. Ou melhor há, digamos, metálico infortúnio. Se não, atentem. Um homem que fez fortuna na África do Sul com minas de ouro; que é dos indivíduos que em Portugal tem uma testa com mais ferro; um investidor que, como referiu por estes dias Marques Mendes, teve na audição parlamentar uma “monumental lata”; este mesmo homem não conseguir devolver hoje à CGD, sequer, uns míseros cobres é uma imensa falta de sorte. Mas pronto, acho que a vida de um grande investidor é isto mesmo: umas vezes ganha-se muito dinheiro, outras vezes perde-se muito dinheiro. Que neste último caso, normalmente, é dos contribuintes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)