Rádio Observador

Civilização

As relações humanas

Autor

Uma alternativa a tratar toda a gente da mesma maneira é tratar as pessoas de maneiras diferentes; mas a alternativa decente a tratar toda a gente da mesma maneira é não tratar ninguém mal.

Algumas pessoas acham que não há limite para o número de relações humanas. De um certo modo isso é verdade. Seria estulto, por exemplo, dizer que não é possível gostar muito e para sempre de mais de trinta pessoas. No entanto, há uma forma de exagero própria daquela posição. O resultado mais frequente desse exagero é a ausência de distinção entre a nossa relação com pessoas que são muito importantes para nós e pessoas que não são muito importantes para nós.   Quando alguém tem muitos amigos, todos os seus amigos acabam por se parecer com pessoas pouco importantes. Uma lei, descoberta pelo psicólogo Lorenzo da Ponte em finais do sec XVIII, e corroborada involuntariamente pelo astuto filósofo Zuckerberg, determina que a probabilidade de alguém ser realmente importante para nós é inversamente proporcional ao número de pessoas que achamos que são importantes para nós.

Outras pessoas acham que não é prático que as relações de curta duração, precisamente porque são de curta duração, sejam decentes. São as pessoas que maltratam os cabeleireiros, os cães dos outros, e os polícias. Deploram em público a hipocrisia do criado de um restaurante que, sem nunca as ter visto antes, lhes perguntou se passavam bem. Preferem em todas as circunstâncias a sinceridade à hipocrisia, isto é, as suas opiniões às dos outros. Terão talvez reservadas as suas melhores inclinações para aqueles de quem gostam realmente. Porém, como todos os conhecimentos começam por ser de curta duração, e como na curta duração tratam mal toda a gente, ninguém gosta realmente deles. A lei que descreve este comportamento é conhecida nas escolas por Lei de Foucault-Waugh: eu maçado, os outros aterrorizados.

Estas atitudes parecem à primeira vista muito diferentes. As pessoas que a lei de da Ponte-Zuckerberg descreve são geralmente pessoas inofensivas, embora por vezes amistosas; pelo contrário, as que a lei de Foucault-Waugh caracteriza são pessoas que passam a vida a ofender os outros com determinação, e a lamentar que os outros sejam tão ignorantes acerca dos seus próprios defeitos. Há no entanto uma semelhança de fundo entre as duas atitudes. São ambas exemplo de uma confusão entre relações longas e relações curtas. A confusão consiste em tratar toda a gente da mesma maneira: no primeiro caso, tratar os seus semelhantes como amigos íntimos; no segundo, tratar toda a gente como seres odiosos.

Uma alternativa a tratar toda a gente da mesma maneira é tratar as pessoas de maneiras diferentes; mas a alternativa decente a tratar toda a gente da mesma maneira é não tratar ninguém mal. O único ideal sensato na esfera das relações humanas é: as longas devem ser poucas, e as curtas devem ser decentes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Civilização

Mal educados são os outros /premium

Eduardo Sá
524

A mim inquieta-me que se cultive, em “português suave”, a ideia de que a boa educação representará um tique “de direita”. Ou que é, manifestamente, uma coisa característica das pessoas da província.

Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
628

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
305

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)