Rádio Observador

Conflito na Síria

Reviravolta da política externa russa na Síria?

Autor

O anúncio da retirada parcial das tropas russas da Síria não passa de mais uma operação de propaganda do Kremlin sem grandes resultados reais no terreno.

Ao anunciar, com pompa e circunstância esta “iniciativa de paz”, o Presidente russo Vladimir Putin justificou-a: “o trabalho efectivo das nossas tropas criou as condições para o início do processo de paz… Acredito que a tarefa pedida ao ministro da Defesa e às Forças Armadas russas foi, no geral, cumprida. Com a participação do Exército russo, as forças armadas sírias e as forças patrióticas sírias conseguiram progressos irreversíveis na guerra contra o terrorismo internacional, tendo-lhes cabido quase sempre a iniciativa”.

Porém, se nos lembrarmos de declarações anteriores de dirigentes russos, vemos que não eram esses os objectivos proclamados. Em Fevereiro deste ano, Serguei Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, declarou: “Os ataques aéreos russos não terminarão até que vençamos realmente as organizações terroristas: DAESH, Jebhat-na-Nursu” e outras semelhantes. Não vejo fundamentos para suspender esses ataques”. Ao que se sabe, esses grupos terroristas continuam a controlar grande parte do território sírio.

O facto de o anúncio ter sido feito na véspera do início das conversações entre a oposição moderada síria e a ONU em Genebra pode parecer uma forma do Kremlin ir ao encontro de uma das principais reivindicações dos opositores de Bashar Assad, que exigia o fim dos bombardeamentos russos e a retirada dos militares da Síria.

Porém, é de sublinhar que a retirada das tropas russas é parcial, continuando Moscovo a controlar a base aérea de Hemeimiem, na província costeira síria de Latakia, e as instalações russas no porto de Tartus.

Por isso, a qualquer momento, as tropas russas podem regressar. “Ficará um contingente necessário para manter as bases militares na Síria. É preciso prever todas as possibilidades caso precisemos de voltar à Síria”, comentou Victor Ozerov, Presidente do Comité do Conselho da Federação (Câmara Alta do Parlamento Russo) para a Defesa e a Segurança.

Isto põe em causa as declarações de Putin de que “as tropas sírias e forças patrióticas na Síria conseguiram de forma radical mudar a situação na luta contra o terrorismo internacional e chamar a si a iniciativa em todas as direcções”.

Pelos vistos, Vladimir Putin considerou ter conseguido o objectivo de manter a influência russa na Síria ao controlar parte da costa marítima do país. Na semana passada, Moscovo recusava terminante a ideia de federalização da Síria, mas, na segunda-feira, Serguei Lavrov declarou que a Rússia aceita esse cenário se “essa for a vontade do povo sírio”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Rússia

Chega de brincar à democracia! /premium

José Milhazes
360

A polícia e os tribunais russos viram o que ninguém viu e vários manifestantes e candidatos a deputados foram acusados e serão julgados por "organização de desordens em massa", podendo ficar presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)