PSD

Rui Rio e o interesse nacional

Autor
117

O eleitorado do PSD já percebeu, parece que ao contrário do líder do partido, que manter Costa à frente dos destinos do país não serve em nenhuma circunstância o interesse nacional. Bem pelo contrário

Os dedos das mãos já não chegam para contar as vezes em que Rui Rio fez questão de frisar que, no cenário pós-eleitoral, privilegiará o interesse nacional em detrimento do interesse partidário. Uma atitude que parece louvável. De facto, todos os interesses partidários só fazem sentido se decorrerem daquele que deverá ser o eixo da roda, ou seja, o interesse coletivo.

Porém, a circunstância em que Portugal vive aconselha a uma reflexão profunda sobre a forma de acautelar o interesse nacional. Na verdade, o país é governado, há quase quatro anos, por uma geringonça conduzida por António Costa. Uma maquineta empurrada pela troika da esquerda e que fez do co-piloto, Mário Centeno, a estrela da companhia.

O ministro de méritos reconhecidos lá fora. Alguém que, internamente, foi apresentado – e se apresentou – como o ministro da retoma e da prosperidade. Mesmo que não se perceba se Centeno é o ministro das Finanças ou apenas o ministro do Orçamento.

Oficialmente não convém chamar à colação o facto de Portugal caminhar para ser o quinto país mais pobre da União Europeia. Afinal, que culpa tem Mário Centeno de outros Estados-membros da comunidade, designadamente a Estónia, a Lituânia, a Eslováquia, a Eslovénia, a República Checa e Malta, terem resolvido crescer economicamente mais do que o previsto!

Voltando a Rui Rio, parece que ainda não percebeu que a disponibilidade manifestada em nome do interesse nacional está a contribuir para o fragilizar politicamente. Uma fragilização que resulta, desde logo, do desejo publicamente assumido por António Costa sobre o cenário pós-eleitoral. O atual Primeiro-ministro não tem dúvidas. Na ausência de maioria absoluta há que reeditar a geringonça. Mesmo que à custa de mais algumas concessões à CDU e ao Bloco que anda mortinho por se sentar nalgumas cadeiras ministeriais.

Assim sendo, Rui Rio está numa posição semelhante à condição de suplente. Algo que o eleitorado do PSD entende – não é por acaso que o futebol é líder de audiências – mas não aceita. Desde logo porque não concorda que o PSD só seja chamado a jogo se o PS não lograr maioria absoluta e os seus cérebros não tiverem engenho para colocar na estrada a geringonça numa versão revista ou revisitada.

Esse eleitorado, parece que ao contrário do líder do partido, já percebeu que manter António Costa à frente dos destinos do país não serve o interesse nacional. Bem pelo contrário. Um eleitorado que acompanha com estupefação a forma como o Governo socialista prometeu e não cumpriu a contagem integral do tempo dos professores. Ou a atitude, a roçar a arrogância, que tem relativamente aos enfermeiros. Partidos tão propensos a apoiar, ainda que por via sindical, as reivindicações dos trabalhadores não pareceram muito incomodados quando o Governo de António Costa cortou relações com a Ordem dos Enfermeiros e classificou a greve desses profissionais como selvagem. Não restam dúvidas de que o PS sabia o que estava a fazer quando se comprometeu com o PCP a reverter, tanto quanto possível, a TAP e a impedir a privatização dos transportes coletivos de Lisboa e Porto.

Face ao exposto, talvez seja altura de Rui Rio assumir que o interesse nacional só ficará salvaguardado se uma oposição credível mostrar aos portugueses a realidade sem filtros cor-de-rosa. Porém, essa condição necessária não será suficiente. Será preciso dizer claramente aos portugueses que com o PSD no Governo não voltarão a ser chamados a sacrifícios destinados a pagar a incompetência – chamemos-lhe assim – de gestores nomeados pelo Governo e que não se verão confrontados com acordos – como a pseudo regionalização – negociados às escondidas.

Essa sim, é a forma de Rui Rio defender o interesse nacional!

Professor de Ciência Política

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

Marcelo, banhos de multidão e história revisitada

José Pinto

Os banhos de multidão não traduzem por inteiro o estado das relações entre Portugal e Angola. O desanuviamento só é de saudar se for acompanhado por medidas concretas e não se limitar a frases feitas.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
173

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.230

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)