Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1. Nas eleições internas do PSD, contra Santana Lopes, Rui Rio passou a campanha a dizer que o PSD não era um partido de direita, mas sim do centro, e a distanciar-se da liderança e do governo de Passos Coelho, considerando que havia estado demasiado à direita. Mais, garantiu aos militantes do PSD que seria o melhor candidato para ganhar as eleições contra António Costa e que sabia como ganhá-las ao centro. No Congresso que o consagrou como líder do PSD, no discurso de encerramento, Rio afirmou de novo que o PSD era um partido social democrata, no sentido europeu, e declarou-se como um discípulo intelectual e ideológico de Helmut Schmidt, um líder histórico do centro esquerda alemão.

No ano e meio que se seguiu, nunca defendeu o legado do governo de Passos Coelho. Pelo contrário, com uma cumplicidade silenciosa, deixou as esquerdas atribuírem a esse governo todos os problemas do país. Continuou, juntamente com os seus apoiantes mais próximos, a atacar as ideias liberais e conservadoras, considerando que não tinham lugar no seu PSD. Muito do eleitorado de direita, que se considera naturalmente liberal e conservador (ou simplesmente de direita), sentiu-se hostilizado e mesmo mal-tratado. Durante ano e meio, Rio nada fez para conquistar esse eleitorado, o qual, obviamente, não se sente representado pela liderança do PSD.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.