Rádio Observador

Censura

Rússia: A História e falta de humor negro

Autor
110

A autocracia russa tem sérias razões para proibir o filme “A Morte de Estaline” pois vê-se retratada nas personagens do filme. Bem diz o ditado russo: “Não acuses o retrato se tens a cara torta”.

Os regimes autoritários, à medida que se vão estendendo no tempo, tendem a senilizar-se, tomando decisões grotescas que repetem absurdos do passado e revelando um medo terrível de fantasmas.

A proibição de qualquer filme, ou obra de arte em geral, apenas desperta maior curiosidade e procura, mas o Kremlin volta a repetir um erro tão velho como o mundo. O exemplo mais flagrante é a recente proibição na Rússia da exibição de “A Morte de Estaline”, filme do realizador inglês Armando Iannucci.

Não vou revelar o conteúdo do filme, mas trata-se de um trabalho que procura chamar a atenção, através do humor negro, para a sede de poder, para aquilo que são capazes de fazer os homens que querem ocupar o primeiro lugar sem olhar aos meios. Cronologicamente a fita abrange um curto espaço de tempo: decorre em Março de 1953, quando Estaline morre e Nikita Khruschov toma o poder depois de liquidar Lavrenti Beria, o omnipotente carrasco do ditador.

As explicações para o adiamento da estreia e, depois, da exibição, são as mais variadas. Vladimir Medinsky, ministro da Cultura da Rússia que já foi várias vezes acusado de ter plagiado a tese de doutoramento, considera que “o filme ridiculariza a história do nosso país e denigre a memória dos nossos cidadãos que conquistaram o fascismo”.

Trata-se de uma acusação completamente delirante se tivermos em conta que não estamos perante uma fita com pretensões históricas, mas uma comédia de humor negro à velha maneira britânica. Essa afirmação só pode ser feita por um historiador (e Medinsky di-lo ser) que, educado nos princípios e na época do “realismo socialista”, não consegue compreender que a morte do ditador Estaline e muitos dos factos que a rodearam podem ser caricaturados, sem que percam os seus aspectos cruéis e desumanos.

É verdade que determinados episódios do filme têm por base factos reais, mas apenas para serem transformados em cenas surrealistas e mostrar a monstruosidade do regime criado por Estaline. Beria, Khruschov, Malenkov e outros camaradas do ditador são figuras históricas reais mas, num filme deste tipo, são trabalhadas de forma a transmitir a luta pelo poder num registo de humor negro.

A diretora da Sociedade Histórica e Militar Russa declarou que “A Morte de Estaline” é “desprezível”, acrescentando que “é um mau filme, é um filme aborrecido e é vil, repugnante e nojento”.

Volto a repetir: para aqueles que não saíram do “realismo socialista” e do “heroísmo comunista”, da propaganda de regimes totalitários como a União Soviética comunista e a Alemanha nazi, o filme é realmente repugnante e nojento. Por exemplo, quem deu autorização ao realizador, ainda por cima estrangeiro, inglês, de pôr na boca de membros da direcção do Partido Comunista Soviético frases tão “insultuosas” quando descobrem o ditador Estaline prostrado no chão, referindo-se ao odor exalado pelo corpo? Realmente é uma coisa mesmo “repugnante”, porque os ditadores não morrem como os comuns dos mortais, devem partir deste mundo de forma muito especial.

O Partido Comunista Russo, o segundo partido com mais assentos no parlamento russo e um dos mais obedientes servos do Kremlin, acusou o filme de ser “uma forma de pressão psicológica contra o país”.

Na realidade, há uma ou outra personagem que não coincide com o imaginário comunista. Por exemplo, Gueorgui Jukov, marechal que comandou as tropas soviéticas na Segunda Guerra Mundial, não se assemelha a um ícone, tendo traços de fanfarronice caricata. Mas eu vi o filme e, se realmente os russos são assim tão fracos psicologicamente como dizem os comunistas, é porque algo está muito mal no reino de Vladimir Putin.

Aqui é de salientar que os comunistas, e não me refiro apenas aos russos, têm uma ideia muito má das massas, do povo, infantilizando-o até ao ponto de lhe passar uma certidão de incapacidade total de pensar.

Como uma das salas de cinema de Moscovo decidiu avançar para a exibição do filme, alegando que a ordem do Ministério da Cultura não tinha sido dada por escrito, os bilhetes esgotaram-se rapidamente não só para a estreia, mas para os dias de Fevereiro em que a fita poderia ser exibida. Disse poderia, porque forças policiais entraram no edifício e fizeram “reinar a lei”.

Proibido nos cinemas, já pode ser visto em numerosas cópias piratas de má qualidade na Internet, mas isso não trava os curiosos e o regime autoritário volta a fazer figura de ridículo.

A autocracia russa tem sérias razões para proibir o filme se se considerar que está perante um espelho, o que parece estar a acontecer. Os actuais dirigentes vêem-se retratados de forma precisa nas personagens do filme. Bem diz o ditado russo: “Não acuses o retrato se tens a cara torta”.

Penso que o filme não é de tão grande qualidade e tão perigoso para ser proibido, mas o melhor é vê-lo quando começar a ser exibido em Portugal.

PS. Muita atenção à lista de oligarcas e políticos russos que poderão ser alvo de sanções por parte dos Estados Unidos. São mais de 200, entre os quais o primeiro-ministro Dmitri Medvedev e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov. Putin comentou que “os cães ladram e a caravana passa”, mas as coisas não poderão ser assim tão simples se oligarcas e políticos russos virem as suas contas congeladas e não puderem gozar das suas fortunas no Ocidente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)