Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os momentos de profunda crise económica, social e política, como aquele que se vive há quase dois anos devido à pandemia provocada pelo COVID-19, são momentos para se reflectir e descobrir vias, muitas vezes inovadores, para resolver os problemas e avançar em frente. Porém, alguns dirigentes políticos encontram a saída em soluções nacionalistas balofas e já ridicularizadas pela história.

No passado dia 2 de Julho, Vladimir Putin, Presidente da Rússia, assinou um decreto sobre o comércio de bebidas alcoólicas no país que, entre algumas medidas sensatas, determina que só é permitido chamar “champanhe” ao “champanhe russo”, obrigando os produtores e fornecedores franceses que exportam para a Rússia o vinho da província de Champagne a substituírem no rótulo essa palavra por “vinho gaseificado”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.