Rádio Observador

Vladimir Putin

Rússia caminha a passos largos para uma ditadura

Autor
422

Putin tenta distrair a atenção dos cidadãos russos com intervenções militares no estrangeiro. Isto pode dar o efeito desejado, mas não por muito tempo. 2016 vai ser um ano muito difícil para a Rússia.

Quem não pensa como o senhor do Kremlin tem cada vez menos opções: ou sai da Rússia, ou cala-se, ou suicida-se. O clima de intolerância aumenta, pois o Presidente Putin tenta cortar pela raiz qualquer tipo de oposição política.

No dia 25 de Dezembro, enquanto festejávamos o Natal, um jovem russo de 18 anos suicidou-se devido às perseguições a que foi sujeito por não apoiar a invasão da Ucrânia pelas tropas russas.

Em Junho de 2015, Vlad, que vivia em Podolsk, cidade dos arredores de Moscovo, foi para as aulas vestindo uma t-shirt com as cores da Ucrânia e onde estava escrito “Devolvam a Crimeia!”. A partir daí, a vida do jovem foi transformada num inferno. Vlad foi expulso do instituto e os serviços secretos interessaram-se em saber onde é que ele tinha arranjado a t-shirt.

O jovem recusou-se a prestar serviço militar a pretexto de que não queria combater contra “os seus irmãos ucranianos” e, como forma de protesto, gravou o Hino da Ucrânia no seu telemóvel e pô-lo a tocar perante a comissão de recrutamento.

O avô, adepto de Putin, enviou-o para a casa dos pais, na região de Samara, no Sul da Rússia, mas Vlad não encontrou aí compreensão nem entre parentes, nem entre vizinhos. Era insultado, atiravam-lhe lama, mas não se podia queixar à polícia, porque os agentes tinham prometido “partir-lhe a cara por semelhantes posições”. Vlad não aguentou a pressão e tomou uma dose mortal de medicamentos.

No dia 22 de Dezembro, a Duma Estatal (Câmara Baixa do Parlamento Russo) aproveitou na generalidade e na especialidade, em apenas dez minutos, uma lei que aumenta os poderes dos serviços secretos russos. Os agentes poderão entrar em qualquer lugar e empregar armas de fogo em locais onde esteja concentrado um número significativo de pessoas a fim de impedir atentados terroristas e libertar reféns. Eles não são obrigados a prevenir que vão abrir fogo se isso criar uma “ameaça à vida e saúde” dos cidadãos”, bem como dos próprios agentes.

Além disso, os agentes do Serviço Federal de Segurança terão o direito de “empregar meios especiais para impedir desordens em massa”, prerrogativa que antes era apenas dada à polícia russa.

Não obstante todas as declarações de Putin e dos seus ministros sobre a estabilidade económica, a verdade é que o nível de vida dos russos se deteriora rapidamente, os salários descem, começam a não serem pagos atempadamente, os preços dos produtos mais indispensáveis sobem. A queda do preço do petróleo e do gás nos mercados internacionais revelou as fragilidades da economia russa e mostrou que pouco ou nada foi feito para libertar o país da dependência do preço do petróleo.

A oposição, através da Internet, denuncia a corrupção nas altas esferas do poder. Recentemente, Alexei Navalni publicou dados sobre as ligações entre os filhos de Iúri Chaika, Procurador-Geral da Rússia, e o mundo do crime, sobre a vida luxuosa dos filhos da elite russa. A resposta dos dirigentes russos é que tudo isso é falso e obra dos inimigos internos e externos do país e do Presidente.

Por isso, o Kremlin toma medidas preventivas para prevenir qualquer tipo de imprevisto. Além de medidas repressivas, Putin tenta distrair a atenção dos cidadãos russos com intervenções militares no estrangeiro. Isto pode dar o efeito desejado, mas não por muito tempo. O ano 2016 vai ser um ano muito difícil para a Rússia.

P.S. A imprensa russa informa que Gerard Depardieu decidiu vender as suas propriedades na Rússia e concentrar-se na Bélgica, onde reside. Por enquanto, o actor francês afirma não tencionar renunciar à cidadania russa, mas o facto é que o seu romance com o Kremlin parece estar a resfriar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Rússia

Chega de brincar à democracia! /premium

José Milhazes
360

A polícia e os tribunais russos viram o que ninguém viu e vários manifestantes e candidatos a deputados foram acusados e serão julgados por "organização de desordens em massa", podendo ficar presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)