Serviço Nacional de Saúde

S. José ou a irresponsabilidade

Autor
  • Luis Teixeira
292

Se o hospital não dispunha de recursos, se o doente não podia ser deslocado, talvez a equipa de outro hospital pudesse deslocar-se. Podia nada disso resultar mas, pelo menos, tinha-se tentado.

Não sei mais sobre o caso das mortes em S. José do que aquilo que tem saído nos jornais. Mas, por incompleta que ainda seja a informação, há pontos que parecem já certos e que chegam para colocar algumas questões incómodas. Primo, esta terá sido a quinta morte nas mesmas circunstâncias desde 2014. Secundo, desde 2013 que o Ministério sabia o que se passava e, por maioria de razão, a ARS, o Conselho de Administração do centro hospitalar e, sobretudo, os directores dos serviços de Neurocirurgia e da Urgência.

Sobre a ARS e os administradores hospitalares que agora se demitiram não quero alongar-me. A sua demissão, agora que a situação caiu na praça pública e não quando verificaram ser incapazes de a resolver, é uma demissão sem honra e sem dignidade. A referência do presidente demissionário da ARS aos “cortes orçamentais” é uma desculpa miserável. Se os cortes foram decisivos, e parece que sim, é pelo menos legítimo questionar se um pedido de demissão atempado não teria contribuído para resolver a situação mais cedo. Outros responsáveis fizeram-no. Com resultados. Quanto ao ministro Paulo Macedo, também não fica bem no retrato. Mas seria interessante saber que informações lhe foram dadas, e por quem, para que, na sequência de interpelações parlamentares em 2013 e 2015, os serviços do ministério tenham respondido que “não havia queixas”.

Mas o que eu gostaria verdadeiramente de saber é com que fundamentos é que os directores de Neurocirurgia e da Urgência do centro hospitalar se mantiveram nos seus cargos, sabendo que os seus serviços eram incapazes de responder a situações destas. Porque não posso e não quero acreditar que não soubessem. E quem diz os directores dos serviços diz as chefias das equipas de urgência. É um ponto que não tenho visto tratado nas notícias e opiniões publicadas nos últimos dias.

Se o hospital não dispunha de recursos devia ter tentado mobilizá-los. Se o doente não podia ser deslocado, talvez a equipa de prevenção a outro hospital, público ou privado, o pudesse fazer, fosse ela de Lisboa ou do Porto: é para isso que existem helicópteros (do INEM, da Força Aérea). Se isso não fosse possível, havia que tentar contactar colegas. Quem trabalha nos hospitais sabe como isso se faz e sabe que funciona. Eu mesmo guardo a história de uma cirurgia assim que só foi feita porque quem a podia fazer foi contactado, in extremis, no aeroporto de Lisboa quando se preparava para embarcar. E desistiu do voo e voltou ao hospital para operar. Sim, podia acontecer que nada disto resultasse. Mas era legítimo esperar que tivesse sido, pelo menos, tentado. Em vez disso, esperou-se por segunda-feira.

O ministro, o presidente da ARS e as administrações hospitalares não podem furtar-se a responsabilidades. Mas acho estranho que os responsáveis pelos serviços e pelas equipas presentes naquele fim de semana se mantenham agora calados e invisíveis. Claro que haverá inquérito, apuramento de factos e contraditório. Todos terão argumentos e justificações. E é assim que deve ser. Mas é difícil fugir a uma ideia essencial: quem se refugia atrás de “ordens superiores” em casos como este não merece ocupar o lugar que ocupa.

Médico patologista

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Serviço Nacional de Saúde

António Costa enganou-se

Bruno Bobone
364

Em nome de preconceitos ideológicos está a pôr-se em causa a qualidade e sustentabilidade do SNS, pois todos os hospitais PPP oferecem um serviço de qualidade, conforme comprovou o próprio Ministério.

Ensino Superior

Bolonha, 20 anos depois

José Ferreira Gomes

Temos um falso sistema de dois ciclos de licenciatura e mestrado porque se está a generalizar a prática de admitir a mestrado estudantes que não concluíram a licenciatura. Estranho? Não em Portugal!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)