Política

Saber perder

Autor
  • Diogo Prates

Ao longo do tempo foram muitas as figuras que, apesar de terem perdido eleições, tiveram o seu nome inscrito na História, e talvez o maior exemplo disso seja Winston Churchill.

Vivemos no tempo da glorificação da vitória e do vencedor, o nosso feed do Facebook é constantemente inundado pelos “10 hábitos que tornaram X o melhor CEO do mundo”, os escaparates das livrarias estão repletos de livros que nos tentam ensinar a sermos os melhores, a viver a nossa vida de forma espectacular e ganhar imenso dinheiro, nas redes sociais acompanhamos as celebridades e desejamos ser como elas, ter o que elas têm e levar a vida que levam. O perdedor é o fraco, incompetente, enfim o derrotado. Na sociedade moderna a tolerância ao erro é cada vez menor, cada vez menos sabemos lidar com a frustração da derrota e no entanto ela está presente em muitas situações da nossa vida.

Existem muitos livros que nos tentam ensinar a ganhar mas muito poucos que nos ensinem a perder e a lidar com a frustração que isso acarreta e suspeito que perdemos mais vezes ao longo da vida do que aquelas que ganhamos. Um médico perde muitas vezes, tanto no serviço de urgência quando apesar de todos os esforços o doente não sobrevive como no consultório quando, por mais que aconselhe o paciente a mudar determinado estilo de vida. o doente não acata. Perder faz parte do jogo e deveria ser tão valorizado como ganhar, perder é tão digno como ganhar.

É por isso que sempre me causou estranheza esta valorização da “habilidade política” de António Costa que soube transformar a derrota em vitória e governar com o apoio de partidos que sempre criticou. António Costa perdeu as eleições, isto é factual e não muda apesar de hoje ser primeiro-ministro, por mais expedientes que se tentem encontrar. A sua pretensa “habilidade politica” mais não é do que perguntar ao BE e PCP o que precisam para aprovarem os orçamentos de Estado de forma a se manter como PM.

Aparentemente Costa tem em Pedro Sánchez um discípulo desta forma de fazer politica: também ele que não ganhou eleições mas pode apresentar uma moção de censura ao governo de Mariano Rajoy que só foi aprovada porque tanto os independentistas como o Podemos votaram a favor, fazendo assim de Sánchez Presidente do governo espanhol. Naturalmente Sánchez está agora nas mãos destes partidos, tornou-se Presidente sim mas a que custo?

Não seria tão digno sair depois de perder ou esperar por eleições para ganhar? Deixar o povo votar e escolher traz sempre incerteza mas é um conceito básico de democracia, ao passo que esta nova escola de ganhar a qualquer custo suspeito que não trará bons resultados.

Também no desporto esta intolerância para com a derrota é bem patente pois são poucos os treinadores dos três grandes que aguentam o lugar quando o seu clube não é campeão. Preferimos os resultados a curto prazo a uma visão a longo prazo. A actual “novela” de Bruno de Carvalho é outro triste exemplo de alguém com dificuldade nítida em assumir que perdeu.

Ao longo do tempo foram muitas as figuras que, apesar de terem perdido eleições, tiveram o seu nome inscrito na História, e talvez o maior exemplo disso seja Winston Churchill que, depois de ganhar a guerra, perdeu as eleições para Clement Attlee para mais tarde voltar a ganhá-las.

É natural que qualquer político, e sobretudo aqueles que são líderes dos maiores partidos, ambicionem chegar ao cargo de PM. O que já não é tão compreensível é que todo o seu projecto de vida gire em torno desta possibilidade.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Transportes Públicos

A sul algo de novo

Diogo Prates
495

Um povo que em nada beneficia com as constantes greves dos serviços públicos de transportes começa a perceber o logro do discurso do PCP. É o povo que também sabe comparar a Transtejo com a Fertagus.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)