Catalunha

Se fosse um referendo, o separatismo teria perdido

Autor
526

Se a eleição de ontem tivesse sido um referendo, os separatistas teriam perdido (51,75% contra 48,26%). A maioria dos habitantes da Catalunha não deseja a independência.

Se a questão catalã tivesse apenas a ver com a hipótese de surgir um terceiro Estado na Península Ibérica, poderíamos talvez acompanhá-la de longe. Mas a Catalunha representa muito mais: diz respeito à possibilidade de a vaga de democratização das décadas de 70 e de 80, de que Portugal fez parte, poder ser revertida. Os regimes democráticos então criados no sul e no leste da Europa, e entretanto integrados na UE, estão hoje sob pressão dos nacionalismos a leste e dos radicalismos a sul. Na Catalunha, actuam as duas tenazes simultaneamente: a esquerda radical e a direita nacionalista, unidas numa sucessão de farsas eleitorais e parlamentares, como o referendo de 1 de Outubro e a proclamação da república. A Catalunha, neste momento, é o laboratório europeu dos “movimentos anti-sistema”.

É desse ponto de vista que devemos examinar as eleições autonómicas de ontem. Quem ganhou, quem perdeu? Os não-separatistas tiveram a maioria de votos, mas os separatistas, graças a um sistema eleitoral enviesado, conseguiram a maioria de lugares no parlamento. Um partido constitucionalista, o Ciudadanos, ficou à frente, mas os partidos separatistas podem formar governo. Tudo na mesma? Não.

Ao participar nas eleições, os separatistas renunciaram ao seu maior argumento: afinal, a Catalunha não geme sob uma ditadura, mas faz parte de um Estado livre e democrático. O processo de ruptura unilateral não era o modo de os separatistas compensarem o carácter autoritário do Estado espanhol, mas a falta de uma maioria e de um consenso na Catalunha a favor da separação. O que lhes correu mal? Duas coisas.

Em primeiro lugar, os líderes do PP e do PSOE mostraram, contra o golpismo separatista, a mesma firmeza que os seus antecessores à direita e à esquerda, nos primórdios da transição democrática, tinham mostrado em 1981 contra o golpismo franquista. Durante um ano, Pedro Sanchez, o líder do PSOE, foi atraído para uma ruptura com o regime da transição democrática. Era essa a verdadeira aposta do separatismo catalão, tal como do radicalismo espanhol: dividir o constitucionalismo, arrastando os socialistas para geringonças em Madrid e em Barcelona. Mas a esquerda democrática espanhola não pactuou com os inimigos da transição, e esteve com Mariano Rajoy no uso dos meios constitucionais para prevenir o golpismo na Catalunha.

Em segundo lugar, a resistência da direita e da esquerda constitucionalistas inspirou uma forte reacção popular, na rua e nas urnas. Durante anos, o partido da antiga CiU explorou a abstenção nas eleições autonómicas, que não interessavam a quem não era catalanista, para governar e “catalanizar” a Catalunha. Desta vez, tal como em 2015, não foi assim. Se a eleição de ontem tivesse sido um referendo, os separatistas teriam perdido (51,75% contra 48,26%). A maioria dos habitantes da Catalunha não deseja a independência.

Vai ser por isso difícil aos separatistas retomar o mesmo processo golpista que estavam a seguir para tomar o poder na Catalunha. Mesmo no parlamento, recuaram, com menos dois deputados. Está então tudo resolvido? Não. Os separatistas –PDeCAT, ERC, CUP — unir-se-ão talvez para governar ou para impedir que haja governo. Até quando conseguirá o regime em Espanha gerir uma instabilidade permanente na Catalunha? E acima de tudo: até quando vão PP e PSOE manter-se unidos contra o separatismo? É a questão fundamental. Os socialistas voltarão quase de certeza a ser tentados, em Madrid e em Barcelona, por um regresso ao poder facilitado pelos movimentos anti-sistema, em nome da oposição “progressista” ao PP. A democracia dependeu sempre, em todo o lado, de os partidos democráticos se não esquecerem de que, antes de serem de direita ou de esquerda, são partidos da democracia. Veremos o que acontece.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Porque é que Rui Rio ganhou e vai perder /premium

Rui Ramos
332

Porque é que Rui Rio vai perder? Por este pormenor: a manobra de António Costa resultou de uma bipolarização do debate político, notória desde a Guerra do Iraque (2003) e a Grande Recessão (2008).

Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Rui Ramos
263

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)