História

Seguir os Zhou

Autor

E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira?

“O Mestre disse: ‘Os Zhou observaram as duas dinastias precedentes. Quão esplêndida não foi a sua cultura? Sigo os Zhou!’” Analectos 3, 14

Esta curta declaração encerra um dos elementos mais fundamentais da cultura chinesa: o seu sentido histórico. Confúcio (孔子, 551—479 a.C.) atribui o bom governo — isto é a cultura esplêndida — da dinastia Zhou, à sua capacidade de adotar o que as duas dinastias precedentes, os Xia e os Shang, tiveram de bom, ao mesmo tempo que reflexão cuidadosa sobre os seus erros permitiu aos Zhou não os repetir.

A este sentido histórico, a esta capacidade de autorreflexão, que, não obstante alguns desvios, permeia a sociedade chinesa e que os governos pós o muito mau Mao fizeram seu, se pode atribuir uma caraterística da China contemporânea que deixa perplexos alguns observadores ocidentais: a sua perene chinesice. O sentido histórico que existe na China (e também no Japão) reforça a sua identidade nacional ao mesmo tempo que a impulsiona a adotar, discricionariamente, ideias e métodos de outras culturas.

Por isso, por muito que a China adote tecnologias modernas e modernize os seus modelos de gestão, permitindo-lhe gozar as vantagens que essa modernização lhe traz, será sempre uma China muito chinesa, muito consciente da sua identidade, e que manterá os elementos fundamentais da sua cultura, isto é, a sua maneira de ver o mundo e de ordenar as relações sociais. Ninguém espere para breve a equiparação legal ou social de uniões monosexuais com o casamento, ou a legalização da eutanásia na China. E ninguém se esqueça de como todos os governos chineses até aos Qing (1644—1911) viram os outros países: como estados tributários.

O que sugere uma questão para os locais: não será que há falta de reflexão histórica em Portugal, necessária para manter o país como uma entidade política autónoma e dinâmica? Não será que Costa faria bem em refletir sobre o que de bom houve em Passos Coelho e Sócrates, para os imitar, e de mau neles, para o evitar? E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira? Será que em Portugal não devíamos “seguir os Zhou”?

Professor de Finanças, AESE Business School

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Perspetiva económica

José Miguel Pinto dos Santos
210

Kōan (para leitura meditada, com a coluna bem direita, preferencialmente com uma inspiração e expiração profunda entre cada frase, acompanhada de visualização pausada de cada episódio)

Estado

Perspetiva sínica sobre incidente alfandegário

José Miguel Pinto dos Santos
178

Para um legalista, um cidadão que passa pela alfândega não é uma pessoa, é um ser que existe em função do Estado e está ontologicamente obrigado a tratar todos os seus símbolos como a um deus único.

Justiça

Como se deve escolher um Procurador Geral?

José Miguel Pinto dos Santos
259

Se Yoshimune fosse hoje Xogum em Portugal, que pessoa escolheria para PGR? Certamente alguém com respeito pela lei e justiça, e sem respeito pelo dinheiro e poder. E que fosse capaz de o por na ordem.

História

O Cardeal Cerejeira e o nazismo /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
378

Faça-se a justiça de dizer a verdade: a Igreja Católica sempre declarou a absoluta incompatibilidade entre a fé cristã e a ideologia nacional-socialista.

Governo

Porque não houve remodelação na educação?

José Ferreira Gomes

Em 2017 acabaram o secundário 75 615 alunos de uma coorte de perto de 120 000! É um escândalo que devia ter toda a atenção do ministério e levar à demissão de um ministro que nem reconhece o problema.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)