História

Seguir os Zhou

Autor

E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira?

“O Mestre disse: ‘Os Zhou observaram as duas dinastias precedentes. Quão esplêndida não foi a sua cultura? Sigo os Zhou!’” Analectos 3, 14

Esta curta declaração encerra um dos elementos mais fundamentais da cultura chinesa: o seu sentido histórico. Confúcio (孔子, 551—479 a.C.) atribui o bom governo — isto é a cultura esplêndida — da dinastia Zhou, à sua capacidade de adotar o que as duas dinastias precedentes, os Xia e os Shang, tiveram de bom, ao mesmo tempo que reflexão cuidadosa sobre os seus erros permitiu aos Zhou não os repetir.

A este sentido histórico, a esta capacidade de autorreflexão, que, não obstante alguns desvios, permeia a sociedade chinesa e que os governos pós o muito mau Mao fizeram seu, se pode atribuir uma caraterística da China contemporânea que deixa perplexos alguns observadores ocidentais: a sua perene chinesice. O sentido histórico que existe na China (e também no Japão) reforça a sua identidade nacional ao mesmo tempo que a impulsiona a adotar, discricionariamente, ideias e métodos de outras culturas.

Por isso, por muito que a China adote tecnologias modernas e modernize os seus modelos de gestão, permitindo-lhe gozar as vantagens que essa modernização lhe traz, será sempre uma China muito chinesa, muito consciente da sua identidade, e que manterá os elementos fundamentais da sua cultura, isto é, a sua maneira de ver o mundo e de ordenar as relações sociais. Ninguém espere para breve a equiparação legal ou social de uniões monosexuais com o casamento, ou a legalização da eutanásia na China. E ninguém se esqueça de como todos os governos chineses até aos Qing (1644—1911) viram os outros países: como estados tributários.

O que sugere uma questão para os locais: não será que há falta de reflexão histórica em Portugal, necessária para manter o país como uma entidade política autónoma e dinâmica? Não será que Costa faria bem em refletir sobre o que de bom houve em Passos Coelho e Sócrates, para os imitar, e de mau neles, para o evitar? E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira? Será que em Portugal não devíamos “seguir os Zhou”?

Professor de Finanças, AESE Business School

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos

José Miguel Pinto dos Santos
344

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

O Patrono do Governo

José Miguel Pinto dos Santos
392

E quem são os santos inocentes do nosso dia? As crianças em gestação, desmembradas por profissionais do SNS, ou as vítimas de Pedrogão Grande queimadas na incompetência governamental?

Empresas

A síndroma de Wang Lun

José Miguel Pinto dos Santos
473

A relutância em admitir colaboradores que tragam competências essenciais para a competitividade da organização com receio que ponham em causa a liderança é um problema que ainda afeta muitas empresas.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)