Rádio Observador

História

Seguir os Zhou

Autor

E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira?

“O Mestre disse: ‘Os Zhou observaram as duas dinastias precedentes. Quão esplêndida não foi a sua cultura? Sigo os Zhou!’” Analectos 3, 14

Esta curta declaração encerra um dos elementos mais fundamentais da cultura chinesa: o seu sentido histórico. Confúcio (孔子, 551—479 a.C.) atribui o bom governo — isto é a cultura esplêndida — da dinastia Zhou, à sua capacidade de adotar o que as duas dinastias precedentes, os Xia e os Shang, tiveram de bom, ao mesmo tempo que reflexão cuidadosa sobre os seus erros permitiu aos Zhou não os repetir.

A este sentido histórico, a esta capacidade de autorreflexão, que, não obstante alguns desvios, permeia a sociedade chinesa e que os governos pós o muito mau Mao fizeram seu, se pode atribuir uma caraterística da China contemporânea que deixa perplexos alguns observadores ocidentais: a sua perene chinesice. O sentido histórico que existe na China (e também no Japão) reforça a sua identidade nacional ao mesmo tempo que a impulsiona a adotar, discricionariamente, ideias e métodos de outras culturas.

Por isso, por muito que a China adote tecnologias modernas e modernize os seus modelos de gestão, permitindo-lhe gozar as vantagens que essa modernização lhe traz, será sempre uma China muito chinesa, muito consciente da sua identidade, e que manterá os elementos fundamentais da sua cultura, isto é, a sua maneira de ver o mundo e de ordenar as relações sociais. Ninguém espere para breve a equiparação legal ou social de uniões monosexuais com o casamento, ou a legalização da eutanásia na China. E ninguém se esqueça de como todos os governos chineses até aos Qing (1644—1911) viram os outros países: como estados tributários.

O que sugere uma questão para os locais: não será que há falta de reflexão histórica em Portugal, necessária para manter o país como uma entidade política autónoma e dinâmica? Não será que Costa faria bem em refletir sobre o que de bom houve em Passos Coelho e Sócrates, para os imitar, e de mau neles, para o evitar? E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira? Será que em Portugal não devíamos “seguir os Zhou”?

Professor de Finanças, AESE Business School

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)