História

Seguir os Zhou

Autor

E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira?

“O Mestre disse: ‘Os Zhou observaram as duas dinastias precedentes. Quão esplêndida não foi a sua cultura? Sigo os Zhou!’” Analectos 3, 14

Esta curta declaração encerra um dos elementos mais fundamentais da cultura chinesa: o seu sentido histórico. Confúcio (孔子, 551—479 a.C.) atribui o bom governo — isto é a cultura esplêndida — da dinastia Zhou, à sua capacidade de adotar o que as duas dinastias precedentes, os Xia e os Shang, tiveram de bom, ao mesmo tempo que reflexão cuidadosa sobre os seus erros permitiu aos Zhou não os repetir.

A este sentido histórico, a esta capacidade de autorreflexão, que, não obstante alguns desvios, permeia a sociedade chinesa e que os governos pós o muito mau Mao fizeram seu, se pode atribuir uma caraterística da China contemporânea que deixa perplexos alguns observadores ocidentais: a sua perene chinesice. O sentido histórico que existe na China (e também no Japão) reforça a sua identidade nacional ao mesmo tempo que a impulsiona a adotar, discricionariamente, ideias e métodos de outras culturas.

Por isso, por muito que a China adote tecnologias modernas e modernize os seus modelos de gestão, permitindo-lhe gozar as vantagens que essa modernização lhe traz, será sempre uma China muito chinesa, muito consciente da sua identidade, e que manterá os elementos fundamentais da sua cultura, isto é, a sua maneira de ver o mundo e de ordenar as relações sociais. Ninguém espere para breve a equiparação legal ou social de uniões monosexuais com o casamento, ou a legalização da eutanásia na China. E ninguém se esqueça de como todos os governos chineses até aos Qing (1644—1911) viram os outros países: como estados tributários.

O que sugere uma questão para os locais: não será que há falta de reflexão histórica em Portugal, necessária para manter o país como uma entidade política autónoma e dinâmica? Não será que Costa faria bem em refletir sobre o que de bom houve em Passos Coelho e Sócrates, para os imitar, e de mau neles, para o evitar? E que tal a Terceira República fazer um exercício sério de reflexão, sem as mistificações e hagiografias do costume, sobre o que aconteceu na Segunda e Primeira? Será que em Portugal não devíamos “seguir os Zhou”?

Professor de Finanças, AESE Business School

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Insanidades

José Miguel Pinto dos Santos
696

Uma pessoa mudar de género é legal em Portugal. Mas continua a não ser aceitável mudar de idade, de altura, ou de impressões digitais. Mas porquê se também elas são definidoras da identidade pessoal? 

Empresas

Gerir sem KPIs—Part 2

José Miguel Pinto dos Santos
169

Na tradição o gestor que não visita frequente e irregularmente a fábrica, o fornecedor, a loja e o cliente, mas os “gere” através de relatórios, mails e KPIs, não é verdadeiro gestor, é um burocrata.

Empresas

Gerir sem KPIs

José Miguel Pinto dos Santos
186

O que faz um grande gestor? Não é, certamente, o controlo dos KPIs. Então qual a essência da boa gestão? Em vez de uma definição, fica aqui um exemplo retirado de uma antiga crónica japonesa.

Exército

Só pode ser mentira /premium

Helena Matos
1.246

A fazer fé no DN o general Rovisco Duarte puniu referências à memória de Vitor Ribeiro, um dos homens do 25 de Novembro e, não menos importante, do 26. O dia que podia ter sido trágico para as FA.

Polémica

Por um Museu dos Descobrimentos

Luís Filipe Thomaz
4.442

Os Descobrimentos portugueses não inauguraram o Paraíso na Terra, mas deram origem ao mundo moderno tal como o temos, com os defeitos e virtudes inerentes a toda a construção humana. 

Espanha

O regresso da História

Luís Ribeiro

O reaparecimento do nacionalismo centralista não aparenta limitar-se a querer manter as fronteiras atuais do estado espanhol, pretende também alcançar um objectivo secular: a unificação peninsular.

Crónica

Não chame uma mulher de meu anjo /premium

Ruth Manus

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebê-los.

Bloco de Esquerda

Os fascistas /premium

Alberto Gonçalves
313

Para o Bloco de Esquerda, que passa o tempo a sugerir proibições, tudo o que abomina é “fascista”: eu, você, dois terços do eleitorado, quatro quintos do Ocidente, nove décimos do mundo democrático...

Web Summit

A esquerda foi fascista com Le Pen /premium

Sebastião Bugalho

O Bloco tem muito mais a ver com Marine Le Pen do que aqueles a quem ela é indiferente. São ambos profundamente populistas e contra a visão aberta do mercado e da sociedade que a Web Summit promove.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)