Jesus Cristo

Sem perdão?

Autor
2.069

Mesmo sem ter a noção disso, a minha vida espiritual adulta construiu-se a partir da imagem da mulher que os homens queriam delapidar. Não por ela ou por eles, mas pela entrada de Jesus no cenário.

Gosto muito, muitíssimo, do encontro de Jesus com a mulher adúltera, por tudo o que me diz quem está dentro e fora de cena. Não gostei sempre desta passagem e confesso que durante muitos anos a evitei por me chocar o apedrejamento eminente, o terrível suspense sobre o destino imediato daquela mulher e a sua fragilidade perante um musculado colectivo de juízes de bancada, prontos a atirarem as suas pedras. Horrorizava-me a atitude condenatória, e mesmo sabendo que Jesus estancou a ira dos mortais e travou aqueles homens, custava-me encarar um bando de acusadores que afinal nos representa a todos nós, sempre prontos a julgar e a condenar.

Comecei a conseguir ver melhor o filme dos acontecimentos quando aprendi a ler os Evangelhos fazendo uma composição do lugar. Olhando para a geografia, detendo-me em cada um dos personagens, vendo o espaço em que se movem, ouvindo o que dizem, vendo o que fazem, interpretando os silêncios e meditando as palavras de cada um. Ensinaram-me a rezar desta maneira muitos anos depois da minha catequese. Na infância, e ainda durante a adolescência, o inferno parecia ter mais peso e mais poder que o céu. Deus estava em toda a parte, mas era muito mais para me controlar e acusar, do que para me perdoar.

Lembro-me de ter conversas com os meus irmãos e um deles me dizer que tinha pesadelos com o inferno. Nunca tive, mas percebia que ele os tivesse e sofresse com isso. Afastou-se da Igreja, dessa igreja, quero dizer, por não conseguir suportar um olhar permanentemente delator. Tive a sorte de anos mais tarde encontrar outra Igreja e outros padres, muito mais capazes de revelar a bondade e a misericórdia de Deus. E foi então que, para mim, Ele passou de impiedoso a indulgente. De castigador a amnistiador.

Aos cinquenta e (quase) cinco anos dou-me conta de que, mesmo sem ter a noção disso, a minha vida espiritual adulta se construiu a partir da imagem da mulher que os homens queriam delapidar. Não por ela ou por eles, mas pela entrada de Jesus no cenário. Pela maneira como resolveu um drama aparentemente sem solução. Tranquilo, sem pressas e capaz de ajoelhar para ouvir, Jesus não desatou aos berros. Nem mandou parar tudo para ele próprio fazer justiça. Muito menos travou a violência com mais violência. Simplesmente fez-se presente e notado, para poder ser ouvido. Fez perguntas em vez de dar respostas. E não se deu ao trabalho de dar conselhos por saber que quase nunca são bem vindos.

Ao contrário dos moralistas e justiceiros, Jesus manteve o tom e permaneceu no registo habitual de quem acolhe sem julgar, de quem interroga sem moralizar. E no silêncio escreveu com o dedo na terra. E depois de ter escrito com o dedo na terra, convidou os homens sem pecado ali presentes a atirarem a primeira pedra. E nenhum deles foi capaz de lançar o que tinha na mão. Um por um, todos baixaram os braços e cair e saíram. Em silêncio.

Podemos e devemos perguntar-nos o que pode ter Jesus escrito na terra. Os exegetas estudaram e continuam a estudar este e outros instantes de contornos mais e menos definidos, mas gosto de pensar que a versão que ouvi numa homilia porventura mais iluminada, pode estar proxima da verdade. Fez-me sentido até para perceber como é que aqueles homens, naquela situação, foram ao fundo de si mesmos para encontrarem uma saída radicalmente diferente da que estava escrita na sua lei ou inscrita no coração punitivo de cada um.

Jesus pode ter escrito na terra coisas tão simples como um enunciado de atitudes que habitualmente não catalogamos como pecados. Coisas aparentemente tão insignificantes como a arrogância, a auto-suficiência, a presunção de superioridade, a inveja, a falta de liberdade, a pouca solidariedade, a meia-verdade e por aí adiante. Não terá certamente usado estas palavras, mas o sentido pode ter sido próximo deste. A sua lógica pode ter sido escrever no chão, de forma que todos pudessem ler, que há muito mais pecados que o adultério. Traímos e dividimos mesmo sem nos deitarmos com o homem ou a mulher do outro.

Nunca saberemos exactamente o que ficou escrito no chão, mas sabemos como acaba a narrativa. Saíram todos. E só depois Jesus falou com a mulher e fez mais uma pergunta. Só então disse o que lhe ia no coração. E é deste perdão incondicional que o Papa Francisco falou no encerramento do Ano Santo da Misericórdia. Não para contar uma parábola de há dois mil anos, mas para actualizar a história ao dia e para que cada um se possa continuar a perguntar hoje, amanhã e depois: “e eu, o que é que tenho a ver com isto?”

O Papa Francisco encerrou o Jubileu Extraordinário da Misericórdia com uma Carta Apostólica em que fala de misericórdia e paz, pedindo para continuarmos a viver a misericórdia nas nossas famílias, círculos e comunidades. A exigência do pedido é total, quase brutal, mas o amor sem exigência não é amor.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Religião

Saudade de Deus /premium

Laurinda Alves
531

Dizem que o impulso religioso é profundamente humano. Deve ser devido a este impulso ancestral que incontáveis autores em todo o mundo falam de Deus ou com Ele. Mesmo que seja para se queixarem.

Páscoa

O testamento de Jesus Cristo /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
670

Deixo à Igreja o meu coração (...) que é fonte inesgotável de perdão e graça para quantos, absolvidos dos seus pecados pelo sacramento da penitência, me recebem no santíssimo sacramento da Eucaristia.

Páscoa

Judas Iscariotes reabilitado /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
475

Apesar da traição, Judas Iscariotes provavelmente arrependeu-se e salvou-se: onde há contrição e esperança, a misericórdia não pode faltar!

Igreja Católica

O Papa, o bispo e o padre /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.278

«Isto é um escândalo! É melhor não ir à igreja: vive assim, como ateu. Mas, se vai à igreja, […] dê um verdadeiro testemunho, não um contratestemunho».

Cristianismo

A douta ignorância dos sábios /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.183

Abundam os improvisados comentários teológicos, cozinhados à pressão na Bimby da opinião pública. Já faltou mais para um Prós e Contras sobre a virgindade de Maria …

Jesus Cristo

Narrativas evangélicas do Natal

Anselmo Borges
159

A Igreja só se justifica enquanto vive, transporta e entrega a todos, por palavras e obras, o Evangelho de Jesus, a sua mensagem de dignificação de todos, mensagem que mudou a História.

Cristianismo

Sobre a Virgindade de Maria, espiritual e física

Álvaro Balsas, sj
958

A virgindade de Maria, espiritual e física, não se opõe à racionalidade humana. Mas sendo um “fenómeno” irrepetível, não entra no conjunto de fenómenos que podem ser estudados pelas ciências naturais.

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)