Rádio Observador

Política

Ser de Direita

Autor
134

A pergunta que se pode fazer é quem é que não tem lugar nesta direita. Quem não tem são os reaccionários que querem voltar atrás no tempo, por exemplo, que acham que o sexo só serve para reprodução.

Ultimamente tem-se assistido a uma discussão – boa – sobre o que deve ser a direita em Portugal.

A divisão que alguns propõem – particularmente Aguiar-Conraria no Observador — é que, na direita, deveria existir um género de cisma entre conservadores e liberais.

No entanto, parece-me cedo para esse cisma. Tal divisão, neste momento, tenderá a favorecer a esquerda que gosta e deseja, ver a direita fracturada. Para mais, a ideia subjacente neste conservadorismo que se propala, tem a haver com os costumes (vide textos de Morais Vaz e António P. Barreiro em o Observador). Ou seja, uma reacção – tardia – à agenda do Bloco.

É óbvio que existem grandes diferenças – no que aos costumes diz respeito – dentro do universo da direita. Mas também existem à esquerda. O PCP é naturalmente conservador e dentro do PS coexistem correntes conservadoras, liberais e mesmo ultraliberais.

Aliás, como é bom de ver, se quiséssemos forçar a uma clarificação dentro da Direita, poderíamos provocar as seguintes – no mínimo – consequências:

Neste momento da vida em Portugal, é mais necessário correr com comunistas, trotskistas e a camarilha que subsiste dos tempos de Sócrates, do que gastar energias em guerras intestinas.

Cabe à direita continuar a combater as ideias forjadas pela esquerda, sobre o que é ser de direita, aceitando no seu seio os liberais e os conservadores.

Mas, o que é ser de direita, costumes à parte? Ser de direita, implica ser a favor de um Estado pequeno, mas forte. Que deixe a iniciativa privada respirar e prosperar. Que seja particularmente duro no ataque à corrupção. Que não desculpe o criminoso, pelo seu percurso de vida. No fim, o responsável, é quem prime o gatilho e não o Pai, a Mãe, a escola, os transportes e mais não sei o quê.

Ser de direita é ser por um Estado que não infantilize os cidadãos, deixando-os saber como poupar para a sua reforma, como tratar da sua saúde. Que os deixe escolher a escola onde os seus filhos devem estudar.

É não esquecer a história do seu país e a tradição – judaico-cristã – do seu povo.

É não abdicar de ter umas Forças Armadas que defendam a soberania no seu território e os seus interesses, onde quer que existam.

É defender a nossa língua. É defender o património e não os caciques que fazem espectáculos que ninguém vê, filmes que não chegam aos cinemas e outras pérolas de um Estado que acha que deve fazer tudo, controlar tudo, mas que acaba por dar sempre aos mesmos. Aos amigos.

É ser a favor de uma justiça, que corra célere e não seja manietada por procedimentos criados à medida do faltoso – mas proclamada como defensora dos direitos individuais – permitindo que os casos morram de velhice.

É defender que os direitos de uma sociedade, não podem ser tomados de assalto pelos interesses de pequenas minorias.

É querer que o país não gaste mais do que aquilo que ganha

Ser de direita é não ser internacionalista, o que é muito diferente de ser nacionalista. É acreditar na globalização e no livre comércio, mas ser contra a abolição dos direitos dos estados. É ser Patriota.

Assim, não vejo como não aceitar na Direita, quem – defendendo o acima exposto – seja a favor, ou contra o casamento homossexual, a despenalização das drogas leves ou a eutanásia.

A pergunta que se pode fazer é quem é que não tem lugar nesta direita. Quem não deve entrar são os reaccionários que querem voltar atrás no tempo, que acham que o sexo só serve para reprodução, que entendem que a homossexualidade tem “cura” e que não entendem que o cristão prima pelo exemplo, por aquilo que é a sua vida política e não por impor aos outros a sua maneira de ser.

Sim, nesta direita, cabem Adolfo Mesquita Nunes, Francisco Rodrigues dos Santos, Assunção Cristas, Santana Lopes, Passos Coelho. Rui Rio ainda não sei.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Cinco passos para escapar a Dunquerque /premium

Pedro Barros Ferreira

O povo só se une num objectivo comum, quando acredita em alguém, e alguém com coragem de dizer as palavras certas, nos momentos certos. Que afirme sem medo o que defende. Que diga que nunca se renderá

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)