Não fica bem aproveitar a ingenuidade ou a ignorância dos outros para nos impingir um monumento vergonhoso de Iúri Gagarin como o que foi inaugurado recentemente no Tagus Park de Oeiras.

Não, o problema não está em Gagarin, herói da humanidade pois foi o primeiro ser humano a viajar no Espaço, cuja façanha só pode ser contestada por pessoas ignorantes ou mal-intencionadas. Não, o problema também não está no facto de o cosmonauta (designação que os russos utilizam para se diferenciarem do astronauta norte-americano) ter sido cidadão soviético e membro do Partido Comunista da União Soviética. Na URSS, os heróis não podiam escapar a esta última “honra”.

O problema reside na base em que o busto de Gagarin se apoia: um enorme paralelepípedo vermelho com a simbologia comunista no centro, bem como nas justificações que são dadas para a “queda desse meteorito” em Oeiras, cuja câmara é dirigida por Isaltino Morais, político que não recebe o meu voto, mas o seu trabalho tem a minha consideração.

dr

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.