Rádio Observador

Terrorismo

Sitting ducks

Autor
835

É fantástico não ter medo de sheiks e de mullahs, allamahs e ayatollahs, nem dos seus rebentos, mas só se isso não impedir as acções adequadas para anular o seu potencial de destruição.

Uma das reações mais comuns aos últimos actos de selvajaria islâmica é apelar ao sangue frio das massas: não devemos ter medo! O melhor modo de fustigar o terrorismo maometano é, dizem-nos, continuar a fazer o que sempre fizemos como se nada tivesse acontecido ou pudesse voltar a ocorrer: é não deixar de ir a um concerto por temor, nem de viajar por receio.

Esta filosofia de vida merece respeito. Mais: causa admiração. É a do estóico que continua a ler Séneca imperturbado pela primeira ferroada de uma vespa, ou a do poeta que continua a declamar na cidade em chamas. Não é louvável a indiferença ao perigo face aos valores mais elevados do progresso, da filosofia e da arte? É também a da optimismo e coragem de um Neville Chamberlain (1869—1940), que não se amedronta com a histrionia de dois bufos, distantes e fracos, nem deixa que ela afecte as políticas estabelecidas do império nem a paz de espírito e estilo de vida dos seus súbditos. Não é admirável a equanimidade e tolerância face a insultos e ameaças vãs?

Este modo de estar na vida, embora estupendo, não deve ser imposto a ninguém. Como todas as moralidades elevadas, deve ser proposto, não imposto. Embora o possamos lamentar, temos de reconhecer aos outros o direito a ter medo e a agir em conformidade. O medo, tal como a fome, é uma reacção do organismo que, em geral, potencia a sua capacidade de sobrevivência. Mostrar fome ou medo é, de facto, rasca. Um samurai dos antigos nunca mostrava ter fome ou medo: palitava os dentes quando a primeira apertava, e não pestaneja quando emboscado, para assim mostrar o seu desprezo por estas duas fraquezas. No entanto, ter medo é uma reacção tão natural como a sua sede.

É natural ter medo durante um tremor de terra. No Japão todos têm medo de terramotos e sabem o que fazer para se proteger quando um acontece. No Irão ninguém tem medo de terramotos e ninguém sabe o que fazer quando um ocorre. Impressiona ver o que sucede durante um tremor de terra, dos fortes, no Japão. Também emociona observar o que acontece aquando um tremor de terra, dos fortes, no Irão. Mas por motivos diferentes.

Não mostrar medo é, de facto, heróico. Mas há ocasiões em que aconselhar a não ter medo pode ser insultuoso. Quem é o amigo que diz: “Olá Zé! Foste despedido? Não tenhas medo do futuro! Cumprimentos à Maria e xi-coração às crianças.” Ou que sindicalista o diria?

Para além de heróico, não ter medo é, algumas vezes, sinal de estupidez. Acontece não termos medo por ignorância, porque não percebemos o que está a acontecer. Um empresário que não se apercebe de uma inovação tecnológica ou organizacional que em breve tornará o seu produto obsoleto geralmente não tem medo de nada. Também podemos não ter medo porque não acreditamos no princípio de causalidade: há inúmeros gestores que põem em risco a viabilidade económica das suas organizações porque não acreditam na existência de uma relação causal entre deficits e dívida nem entre dívida e dificuldade de financiamento. Ambas as atitudes geram inflexibilidade porque sugerem que não há nada a mudar, e portanto podemos continuar a fazer o que sempre fizemos como sempre o fizemos.

E este é o maior perigo de não ter medo: impedir a adaptação requerida às mudanças do meio ambiente. É fazer-nos cegos e surdos ao perigo que nos ameaça, tornar-nos sitting ducks à mercê de qualquer predador. É não nos deixar pensar no que pode ser feito para contrariar a as ameaças que enfrentamos e depois actuar em consequência. Se o não ter medo embotar a capacidade de percepção da realidade ou dificultar a aptidão para reagir à mudança, então é saudável ter medo. É fantástico não ter medo de sheiks e de mullahs, allamahs e ayatollahs, nem dos seus rebentos, mas só se isso não impedir as acções adequadas para anular o seu potencial de destruição. Não são os mais fortes que sobrevivem: são os que melhor se adaptam.

É chique não ter medo do terrorismo islâmico. Não haverá grande crise nisso, desde que tal não nos torne parvos e impávidos à ameaça que nos é posta. Caso contrário, será slam dunk para os maometanos nos submeterem. Submissão é, aliás, o que Islão manda e significa.

Professor de Finanças, AESE Business School

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)