Sporting

Terrorismo mata futebol? E turismo também? /premium

Autor
188

Se querem matar a “galinha de ovos de ouro” que é o turismo continuem as conversas e debates acalorados e não tomem medidas para travar a violência! no futebol Os resultados serão visíveis em breve.

Se uma pessoa ou um grupo de pessoas com nomes e apelidos árabes ou muçulmanos atacam alguém à facada numa cidade europeia, ninguém duvida que se trata de um acto terrorista. Sendo assim, então como classificar o que aconteceu em Alcochete?

Claro que estamos perante a mesma coisa. Posso ser acusado de exagero, mas volto a insistir: estamos perante um ataque terrorista incentivado, consciente ou inconscientemente, por dirigentes desportivos, e não venham agora com justificações aberrantes e irresponsáveis do tipo “o crime faz parte do dia a dia”. Por esta lógica não precisamos de importar pregadores extremistas, já os temos cá que cheguem.

Agora resta esperar para ver o que de mais grave ainda tem de acontecer para que as autoridades tomem medidas para travar a violência e o terrorismo no futebol. Na Etiópia um árbitro é agredido no campo e a federação de futebol local suspende o campeonato, mas num país europeu como Portugal receio que as agressões em Alcochete se percam no meio de longos e enfadonhos discursos de comentadores desportivos ou de bancada. Afinal amanhã haverá outros escândalos, dentro e fora do desporto, para continuar as conversas e discussões.

Se, entretanto, não forem tomadas medidas reais e eficazes para travar a violência, para não deixar impunes os seus autores, arriscamo-nos a ser vistos como um país onde as pessoas não se podem sentir seguras, porque um qualquer grupo de arruaceiros pode actuar sem temer represálias.

Todos nós sabemos o quão importante é para a nossa economia o turismo, e não é segredo para ninguém que Portugal é hoje muito procurado porque os estrangeiros esperam encontrar aqui a segurança que deixou de existir na Tunísia, no Egipto, na Turquia, etc. E também não querem correr os riscos a que podem estar sujeitos noutras grandes metrópoles europeias.

Até a este bárbaro ataque em Alcochete podíamos pensar assim, mas o ataque terrorista aconteceu e o mais grave é que ele não veio de extremistas islâmicos ou outros, mas de dentro do país e de um meio previsível. A situação no Sporting indicava que o desfecho só poderia ser a violência, pois ela estava a ser incentivada ao mais alto nível desportivo e só não ouviu e viu quem andava muito distraído.

Repito: poderão acusar-me de exagero, mas isso não passará de mais uma forma de fugir à solução do problema. Vivemos num mundo em que as notícias chegam de um extremo ao outro do globo em segundos ou minutos. Por isso, o ataque cobarde aos jogadores e técnicos teve enorme repercussão internacional. Leiam a imprensa de outros países e digam-me: será que depois de incidentes como este poderemos esperar a organização de grandes eventos futebolísticos no nosso país? Vão por exemplo perguntar aos holandeses que nos visitam se vão querer assistir a jogos com claques de vândalos nas bancadas. Espero que não seja necessário explicar porque é que falo de holandeses.

Se querem matar a “galinha de ovos de ouro” que é o turismo para a nossa economia, continuem as conversas e debates acalorados e não tomem medidas para travar a violência! Os resultados serão visíveis em breve.

Caros apoiantes da seleção portuguesa que vão à Rússia para assistir ao Campeonato do Mundo não fiquem surpreendidos se a polícia russa dispensar particular atenção aos portugueses. Os organizadores do evento leem também jornais e veem televisão, particularmente no que respeita à segurança. E farão muito bem se não acreditarem na fábula do “povo de brandos costumes”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)