PSD

The incredible shrinking party

Autor
448

O PSD ameaça deixar de concorrer com o PS, para passar a ser um rival do PCP e do BE, como um pequeno lóbi parlamentar da governação socialista. Mas a vida não será mais fácil entre os pequeninos.

13 de Janeiro pode ficar na história partidária: o dia em que o PSD deixou de competir com o PS e passou a concorrer com o PCP e o BE, como mais um pequeno lóbi da governação socialista. A confirmar-se essa opção, a alternância de orientações governativas em Portugal dependerá a partir de agora, não da rotação de partidos no governo, mas da capacidade de pressão e de persuasão dos vários grupos parlamentares junto dos ministros do PS. Pensem, por exemplo, na educação. Até ao fim de semana passado, para mudar a política de educação, o PSD lutava para substituir o governo de António Costa; a partir de sábado, lutará apenas para que António Costa substitua o ministro. Um tempo novo, sem dúvida.

Devo, porém, admitir que Rui Rio possa ter razão. Nos últimos vinte e três anos, desde 1995, o PSD esteve na oposição durante quinze anos, e só governou quando não havia dinheiro. Nunca, por isso, teve meios para competir com o PS na distribuição dos favores do Estado. Perdeu câmaras municipais, perdeu militância — só 25 mil militantes tinham as quotas em dia o ano passado, e mesmo depois dos pagamentos em massa de última hora, não votaram mais do que 41 mil, apesar do esforço heroico das carrinhas da cacicagem. No fim dos anos 70, o PSD de Sá Carneiro encabeçou um movimento reformista da sociedade civil. Hoje, a sociedade portuguesa está envelhecida e endividada. Talvez Rio esteja portanto certo, e seja tempo de o PSD desistir, terminar a sua carreira na primeira liga, e ingressar na segunda divisão. Os caciques das carrinhas pensam como ele. Mas será a vida mais fácil entre os pequeninos?

A primeira questão diz respeito à marca PSD. Para ser aceite como comensal pelos socialistas, importa ao PSD fazer-se passar por alguém da mesma família: um partido de “centro-esquerda”, “social democrata”. Nesse sentido, aliás, não irá combater a “frente de esquerda”, mas apenas discutir a configuração da “frente de esquerda”. Por outro lado, no entanto, o PSD precisará de uma “bandeira” própria, como todos os grupos de lóbi, para se justificar e diferenciar. A sua especialidade será provavelmente, à falta de melhor, o “défice zero”. Teremos portanto um PSD de “esquerda”, mas que de facto funcionará, dentro do regime socialista, como o lóbi da “austeridade”. Que sucesso eleitoral esperar para uma marca com horizontes tão cinzentos?

A segunda questão é esta: qual a previsível capacidade desse lóbi parlamentar para influenciar o PS? O PS é hoje duas coisas: por um lado, o clã das famílias e dos amigos que rodearam José Sócrates em 2005-2011; por outro lado, o “Partido-Estado” do regime, uma espécie de Frelimo ou de MPLA à portuguesa. Ou seja, nunca o PS foi tão pequeno na sua composição social e ideológica, e nunca o PS foi tão grande no seu poder e influência. Por isso, por mais que Francisco Assis estrebuche, é duvidoso que o clã socrático aceite um “Bloco Central” ou que dê sequer um qualquer tratamento preferencial ao pequeno lóbi de Rui Rio — mesmo que em 2019 um Rio desesperado lhes explique que, para sobreviver, precisa de ir para o governo, como Costa em 2015. Para quê dividir ministérios e direcções gerais, se for possível guardar tudo com o amparo parlamentar do PCP e do BE, os quais, com a concorrência do PSD, talvez ainda se portem melhor?

Em suma, dificilmente esta última manobra de caciques do PSD para se pendurarem no Estado socialista será um sucesso. O mais provável é que acabem apenas por privar o regime de uma força partidária capaz de protagonizar uma alternativa. Veremos se Rio tem razão e a sociedade portuguesa se conforma com esse vazio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Identidade de Género

A lógica das causas fracturantes

Rui Ramos
328

A legislação sobre a identidade de género deixa-nos com uma questão: tal como acontece com a religião, não seria melhor o Estado deixar pura e simplesmente de registar o sexo dos cidadãos? 

Ministério da Cultura

Uma proposta radical para a cultura

Rui Ramos
112

Porque não responsabilizar pessoalmente o presidente da república ou o primeiro-ministro, enquanto mecenas por conta do Estado, pela despesa pública no subsídio às artes? Tudo seria mais transparente.

Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site