Rádio Observador

Política

The winter is coming

Autor
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Ao que parece, o Inverno vem aí. Não o meteorológico que esse, mais semana menos semana, chega sempre depois do Outono.

O Inverno que está para chegar é o da democracia, tal qual a conhecemos há quarenta e poucos anos. Pode parecer exagerado, mas esse é o problema: as pessoas não estão a perceber bem a armadilha em que caíram. É humano. As pessoas – normalmente – não acreditam no que vêem, mas vêem aquilo em que acreditam. É por isso que as vergonhas de Tancos, das golas, dos incêndios, do Siresp e dos familiares colocados em lugares governamentais, não afectam as sondagens.

Através de um aumento(zinho) dos rendimentos e de uma política – a prazo suicidária – de juros baixos por parte do BCE, permite-se, de novo, a inebriação de todo um povo, que voltou a gastar “à tripa forra”, batendo recordes de crédito ao consumo. De novo, e sem que alguém tenha a coragem de levantar a voz. É como convidar um alcoólico para uma festa onde só se servem bebidas com o dito teor elevado.

Com essa boda aos “pobres” e com o chamar para a cama dos alucinados do Bloco, dos pantomineiros do PAN e dos comunistas arteriosclerosados, o PS alcandorou-se ao poder e aí quer ficar.

E, porque tudo vale para se manter no poder e poder distribuir sinecuras, o PS convive bem com ideias estúpidas, de má fé, esotéricas, impraticáveis, sonsas, assim como outras que me abstenho de adjectivar. Exemplos:

  1. A orientação sexual é uma construção da sociedade
  2. Limitações ao uso da palavra, impondo regras – parvas – de comunicação
  3. Desrespeito pelas forças de segurança
  4. Achincalhamento das forças militares
  5. Elevar o animalismo a algo normal
  6. Travar a iniciativa privada
  7. Dar ao Estado o poder de educar e não só o de ensinar

A lista podia continuar e os leitores saberão identificar quem defende o quê.

Ao que parece pelas sondagens que têm vindo a sair, o estado a que chegámos, será o estado em que vamos continuar. Será um estado de inverno das forças democráticas que defendem as liberdades individuais e não gostam das polícias de costumes. Sim, porque esse é um paradoxo dos bloquistas e quejandos: quanto mais se alvitram como progressistas e defensores das liberdades individuais, mais precisam do Estado e dos seus meios de coerção para impor as suas regras. É o mal de quem se entende como superior e mais inteligente do que os outros. As pessoas não lhes seguem os passos livremente.

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que é a favor de um Estado ausente da economia, mas forte no controle da actividade.

Uma alma que tenha a coragem de dizer que temos deputados a mais, mas que – os que ficarem – têm que ser substancialmente melhor remunerados.

Um “desbocado” que proponha que quem for acusado de corrupção, perde o seu lugar político de imediato (recuperando-o se vier a ser inocentado).

Um bravo que sublinhe que a tradição judaico-cristã de uma Nação, de um Povo, não se revoga por decreto. Pelo contrário, luta-se pela sua manutenção nos livros de história, no ensino público.

Um afoito que defenda a não continuação de bolsas e bolsinhas de poder, com sobreposição de competências – nas áreas que o Estado deve monopolizar – como é a situação existente entre Polícia (pública, judiciária, marítima, municipal, etc), Protecção Civil, Forças Armadas (+ GNR), Bombeiros (voluntários e sapadores), Inem, Sef, Asae e outros. É que, caso ainda não tenham percebido, esta horizontalização leva à desresponsabilização e, igualmente, ao aumento não justificado de funcionários.

Um valente que defenda a capitalização dos descontos para as reformas, tratando as pessoas como adultas e deixando ao seu livre arbítrio o quanto descontar e a quem (mantendo uma quota mínima e obrigatória para o bem comum).

Um corajoso que diga que temos funcionários públicos a mais e que a medida de reversão para as 35 horas foi um crime, cujas consequências se sentem todos os dias nos serviços e que custa milhões atrás de milhões. Sim, eu sei que existem serviços com falta de gente. No entanto, termos 683.469 funcionários públicos num total de 4.866.700 trabalhadores, é um verdadeiro despautério (dados Pordata, relativos a 2018). E o nº aumenta todos os anos desde 2015. Por este andar, mais dois anos e estamos ao nível pré-crise. Aliás, é interessante – e assustador – ouvir o PS afirmar continuamente que quer colocar isto, ou aquilo, nos valores anteriores à crise. Até parece que antes da dita, estava tudo bem e caiu-nos um meteoro em cima. Não foi nada disso. Muitos dos números do anteriormente, foram exactamente os responsáveis para o que nos veio a calhar em sorte! E que esse corajoso, tenha a coragem extra de dizer: quanto mais difícil é de despedir, mais difícil é de contratar.

Um mártir, que não se importe de ser imolado, por dizer que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas – económicas, sociais – maior é o nível de corrupção. É outro paradoxo que comunistas, socialistas e demais membros da banda, ainda não perceberam. A presença forte do Estado na economia, potencia a corrupção, ao invés de a conter/erradicar. O que a esquerda está a potenciar é o crony-capitalism (que não é a mesma coisa que capitalismo). Os crony-capitalists (que é o que mais temos no burgo) vive do apoio do Estado através de leis à medida, de regras especiais, de benefícios fiscais e de códigos tão complicados, que só quem pode pagar a um batalhão de advogados pode compreender. Obviamente, os vencedores – e também os derrotados – dos favores do Estado, tendem a influenciar a acção do mesmo, melhor dizendo, a corrompê-lo, a fim de manter/conseguir os seus bons augúrios.

Alguém por favor que aguente a porta e não deixe entrar esse frio gélido que aí vem.

Conselheiro Nacional do CDS-PP

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Cinco passos para escapar a Dunquerque /premium

Pedro Barros Ferreira

O povo só se une num objectivo comum, quando acredita em alguém, e alguém com coragem de dizer as palavras certas, nos momentos certos. Que afirme sem medo o que defende. Que diga que nunca se renderá

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Maioria de Esquerda

A cor do cavalo branco de Napoleão

Pedro Barros Ferreira
112

A direita fica muito contente, quando as suas propostas são aprovadas por largas maiorias, ou mesmo por unanimidade. A esquerda não procura consensos. É, aliás, o lado para onde dorme melhor.

Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)