Crónica

Tire o verbo odiar do seu vocabulário

Autor
1.693

As pessoas passaram a identificar-se mais pelos seus sentimentos negativos do que pelos positivos. É como se odiar ou não suportar coisas lhes desse mais credibilidade do que amar ou gostar de algo.

Outro dia assisti ao vídeo da palestra que um comediante americano proferiu na formatura de uma universidade. Num dado momento ele dizia que precisamos aprender a nos definir por aquilo que amamos, ao invés de nos orgulharmos de estar eternamente em oposição a alguma coisa.

Fiquei pensando no assunto e percebi que, de fato, é muito mais frequente ouvir pessoas se vangloriando do próprio ódio do que dividindo suas paixões. Odeio futebol. Odeio o Corinthians. Odeio o Sporting. Odeio coentro. Odeio dias chuvosos. Odeio gente que fala alto. Odeio música pop. Odeio os textos daquela brasileira que escreve no Observador. Odeio o Facebook. Odeio chocolate amargo.

É realmente curioso observar como as pessoas passaram a identificar-se mais pelos seus sentimentos negativos do que pelos positivos. É como se o fato de odiar, detestar ou não suportar coisas desse mais credibilidade para as pessoas do que o fato de amar, gostar ou adorar algo.

O grande problema é que esse astral vai se espalhando em diversas esferas da vida. Torna-se mais prazeroso falar mal do que falar bem, reclamar do que elogiar. Falar sobre coisas boas começa a soar como superficialidade, como se o fato de não colocar-se como o feroz opositor a alguma causa seja sinônimo de ausência de conteúdo.

Em inglês a palavra “hater” ganhou destaque na última década exatamente para designar as pessoas que utilizam as redes sociais como mera forma de canalizar o próprio ódio por tudo e por nada. Um hater nem é alguém com uma opinião divergente das demais, mas um simples odiador, com o perdão do neologismo.

É normal não gostar, mas odiar parece-me dispensável. E incluir esse verbo em dezenas de frases, como se isso fosse natural, me parece uma tendência um tanto quanto doentia, uma forma gratuita de espalhar negatividade.

Talvez seja uma boa meta para 2018: odiar menos. Ou, pelo menos, se orgulhar menos do próprio ódio. Treinar, dia após dia a capacidade de orgulhar-se das coisas que amamos e não das coisas que nos desagradam.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Chefe é mais importante que filho /premium

Ruth Manus
3.864

É assim quem se passam todas as nossas semanas. Reunião em vez de filho. Cliente em vez de casamento. Burocracia em vez de saúde. Investidores em vez de amigos. Amigos distantes em vez de amores.

Crónica

Não se esqueça que você é apenas a madrasta

Ruth Manus
1.185

Os pais têm aquela tal garantia eterna do amor incondicional. Mas à madrasta, resta-lhe entregar-se aos filhos da pessoa com quem vive, sem saber se um dia, lá na frente, esse afeto será reconhecido. 

Crónica

Os brasileiros que me envergonham

Ruth Manus
3.609

Existe uma leva de brasileiros que há 10 ou 15 anos se mudaria para Miami, mas que agora decidiu vir para Portugal para “se livrar do terceiro mundo”. Têm muito dinheiro, mas pouco na cabeça. 

Filosofia

Democracia e formas simbólicas /premium

Paulo Tunhas

O estudo da história do pensamento político recorda-nos o retorno maciço do pensamento mítico com o nazismo, alertando para o perigo de uma única forma simbólica se apoderar de todas as restantes.

Crónica

Chefe é mais importante que filho /premium

Ruth Manus
3.864

É assim quem se passam todas as nossas semanas. Reunião em vez de filho. Cliente em vez de casamento. Burocracia em vez de saúde. Investidores em vez de amigos. Amigos distantes em vez de amores.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)