Rádio Observador

Maçonaria

Um católico pode ser maçon?

Autor
1.936

Um ex-grão-mestre do Grande Oriente Lusitano disse que “se um católico for maçon será, certamente, melhor católico. E se for um bom católico virá a ser, seguramente, um maçon exemplar”. Será assim?

Um católico pode pertencer à maçonaria? A Igreja e o Grande Oriente Lusitano (GOL) têm respostas diametralmente opostas a esta questão. Com efeito, segundo a Igreja, nenhum católico pode ser da maçonaria e por isso, se o for, fica impossibilitado da vida sacramental. Para a maçonaria, pelo contrário, não só não existe nenhuma oposição como até há uma alegada convergência e afinidade entre ambas instituições. António Arnaut, ex-grão-mestre do GOL, chegou a escrever que, “se um católico for maçon será, certamente, melhor católico. E se for um bom católico virá a ser, seguramente, um maçon exemplar” (Introdução à Maçonaria, pág. 60). Mas um cristão também pode afirmar o contrário, ou seja, que um mau maçon talvez possa ser um sofrível católico, mas um excelente maçon só poderá ser um péssimo católico. Afinal, quem tem razão?!

Para um católico a questão não é problemática, porque todos os fiéis sabem que, em matérias de fé e de moral, estão obrigados a seguir, por elementar coerência, as prescrições da autoridade eclesial. Ora sobre este particular, o magistério da Igreja não só não foi omisso como declarou, mais de quinhentas vezes, que a nenhum fiel é lícito pertencer à maçonaria e que, se o fizer consciente e voluntariamente, comete um pecado grave, que o impede de receber a comunhão. Assim o recordou o cardeal D. José Policarpo, patriarca de Lisboa: “Um católico, consciente da sua fé e que celebra a Eucaristia não pode ser maçon. E se o for convictamente, não pode celebrar a Eucaristia” (Nota pastoral A Páscoa da Eucaristia, Janeiro de 2005).

É certo que a maçonaria tentou relativizar estas condenações, considerando-as desactualizadas. Segundo Arnaut, “actualmente a Igreja, sobretudo após João XXIII e o Concílio Vaticano II, encara com outros olhos o fenómeno maçónico”. Mas, ao contrário do que faz crer, nem esse papa, nem o Concílio Vaticano II alteraram em nada a posição da Igreja em relação a esta questão. Aliás, deve ser por este motivo que não cita nenhum documento de S. João XXIII, ou do referido concílio, que corrobore essa falsa suposição.

É também o mesmo ex-grão-mestre do GOL quem afirma que “à intolerância sucedeu a compreensão e uma certa simpatia”, até porque “há espaços comuns de preocupação e de identidade de propósitos entre a maçonaria e a Igreja progressista”, porque “a maçonaria não é concorrente e, muito menos, inimiga da Igreja católica”. Com certeza que pode haver, por via de excepção, alguma convergência entre as duas instituições em relação a alguma causa humanitária, como a erradicação da miséria ou a promoção da justiça social, mas a verdade é que tal coincidência pontual não contradiz a radical oposição entre ambas entidades. Também republicanos e monárquicos podem convergir em relação a um propósito patriótico – como, por exemplo, a defesa nacional em caso de guerra – mas nunca um monárquico poderá ser republicano, nem vice-versa.

Por outro lado, a referência à “Igreja progressista” subentende a existência de uma outra Igreja, supostamente conservadora, que seria a responsável pelas reiteradas e nunca desmentidas condenações da maçonaria. Condenações essas que seriam aliás menosprezáveis, na medida em que os ‘bons’ católicos, isto é os progressistas, teriam apreço pela maçonaria… Mas, ao contrário do que se faz supor, não há duas Igrejas, mas uma só Igreja católica, que não é progressista nem conservadora, mas “una, santa, católica e apostólica”. E, por sinal, unânime na condenação da maçonaria. A insidiosa e maniqueísta suposição de que existem duas igrejas católicas – uma boa, que seria a progressista e pró-maçónica; e outra má, que seria a conservadora e antimaçónica – serve uma causa diabólica (‘diabo’ significa, etimologicamente, aquele que divide): a divisão entre ‘católicos’ pró-maçonaria, releve-se a contradição, e católicos antimaçónicos.

António Arnaut também invoca, como prova da suposta compatibilidade entre a fé cristã e a ideologia maçónica, “a circunstância de muitos católicos e altos dignitários da Igreja serem maçons”. Mas esta afirmação, ao não ser corroborada por nenhuma prova, é totalmente gratuita. De facto, não se sabe de nenhum alto dignitário da Igreja portuguesa que seja maçon. Se, em tempos idos, alguns eclesiásticos aderiram à maçonaria, foi porque apostataram a fé, violaram gravemente os votos a que se tinham comprometido, desobedeceram aos seus legítimos superiores e escandalizaram os fiéis.

Nem todos os católicos foram sempre coerentes com a fé da Igreja. Infelizmente, por exemplo, já houve clérigos comunistas, mas nunca a Igreja aceitou essa ideologia que, como ainda hoje se comprova na China, na Coreia do Norte, e em Cuba, é totalitária, materialista, anticristã e contrária à liberdade religiosa e aos direitos humanos. Um católico maçon é como um cristão comunista: uma contradição e um escândalo!

Talvez alguém pudesse objectar que a contradição existente entre as duas entidades é acidental e superável no futuro. Ora a maçonaria é, segundo a abalizada opinião do ex-grão-mestre do GOL, “uma ordem (…) baseada no livre-pensamento”, ou seja relativista, pois “não aceita dogmas”. Portanto, quando afirma que “admite todas as crenças”, deve-se entender com essa ressalva, pois quem acredita em dogmas não pode pertencer a uma entidade que “não aceita dogmas”, a não ser que seja um ignorante, ou um hipócrita, como é óbvio. Acontece que a religião católica é essencialmente dogmática: um fiel que negue, consciente e voluntariamente, um só dos seus dogmas, não só é formalmente herege como incorre automaticamente na pena de excomunhão, ou seja, autoexclui-se da Igreja. Não se trata, portanto, de uma incompatibilidade secundária ou momentânea, mas essencial e definitiva: só seria superada se a maçonaria deixasse de ser livre-pensadora, ou a Igreja deixasse de ter dogmas; isto é, se a maçonaria deixasse de ser maçonaria e a Igreja católica deixasse de ser Igreja católica!

Portanto, não só em função do que a Igreja católica afirma, mas também pelo que decorre, com necessidade, dos princípios da própria maçonaria, “se um católico for maçon”, já não é católico. E, pelo contrário, se um maçon se fizer católico, é necessariamente porque já não é maçon.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
277

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Vaticano

Portugal já ganhou o penta! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
149

Daí a necessidade e urgência de escutar as sábias palavras do Cardeal D. José Tolentino: “O que o Senhor repete é: ‘Lembra-te do perdão!’ É como perdoados e perdoadores que somos chamados a viver”.

Livros

‘As gémeas marotas’ /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
590

Só uma mente depravada, senão mesmo criminosa, se empenha em perverter as crianças, através de uma aparentemente inocente história infantil.

Serviço Nacional de Saúde

A Saúde e a Constituição

António Alvim

Agora, na altura em que se comemoram os 40 anos do SNS, importa desmitificar outra ideia feita pela esquerda. Que o atual Modelo Público de SNS resulta da Constituição e é imposto por esta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)