Economia

Um guia (pouco) optimista para 2019 /premium

Autor
135

Aquilo que já nos mostra a saída de 2018 dificulta bastante um exercício de previsões optimistas para 2019. Mas aqui está ele. Com o optimismo possível.

É um ano em que Portugal estará em campanha eleitoral até Outubro. O ano em que o euro cumpre duas décadas. Em que a União Europeia ficará com menos um Estado-membro pela primeira vez na sua história. E o ano em que vamos perceber se as tendências nacionalistas e populistas são conjunturais ou vieram para ficar. Tal como ficaremos a saber se a economia está a entrar numa nova fase de crise ou estes últimos meses foram apenas alarmes falsos. Eis o guia (pouco) optimista para 2019.

A primeira perspectiva optimista é a economia europeia começar a recuperar da queda que está a registar o seu crescimento e a norte-americana manter o seu já longo ciclo de crescimento. A probabilidade de isto acontecer é baixa, especialmente no que à Zona Euro diz respeito. Há dois “epicentros sísmicos” que vêm de trás e que tornam mais provável uma continuação da queda do crescimento.

Um dos epicentros está situado no Reino Unido e chama-se Brexit, votado pelos ingleses em Junho de 2016. Agendado para 29 de Março de 2019, quase três anos depois do voto, neste momento, verdadeiramente, ninguém sabe o que ainda pode acontecer, já que o acordo só será votado em Janeiro. O pior dos cenários é a saída desordenada, o melhor, do ponto de vista puramente económico, seria a realização de outro referendo que desse obviamente como resultado a manutenção do Reino Unido na União Europeia. O que dificilmente acontecerá, o novo referendo, se levarmos em conta os riscos que tem para a credibilidade da democracia.

A saída do Reino Unido da UE é, assim, o cenário mais provável. E o Brexit terá como consequência perdas mais significativas do que a guerra comercial por via da imposição de tarifas como se pode perceber neste artigo de Paul Krugman. (Repare-se que se está a medir apenas o impacto económico e não o político, designadamente a falta que o Reino Unido, com o seu pragmatismo, vai fazer à União Europeia).

O segundo epicentro, dos abalos que estão a afectar as economias, está obviamente nos Estados Unidos. A guerra comercial, empreendida por Donald Trump, é um dos problemas, não apenas pelos efeitos de redução do bem estar global, mas também pela incerteza constante que coloca no horizonte das empresas e pela ameaça sistemática aos equilíbrios entre os EUA, a Europa, a Rússia e a China.

Como se isso não bastasse, o presidente dos Estados Unidos adicionou, neste final de ano de 2018, mais factores de instabilidade, com os mercados bolsistas norte-americanos a viverem dois dias de montanha russa, primeiro indo ao fundo para depois recuperarem acentuadamente. A instabilidade começou Domingo, quando o secretário do Tesouro norte-americano resolveu revelar que tinha tido uma reunião com os líderes dos grandes bancos, que lhe asseguraram não terem problemas de liquidez. A seguir Donald Trump manifesta confiança no seu secretário de Estado e desconfiança no presidente da Reserva Federal, considerando que está a subir demasiado depressa as taxas de juro. Os mercados foram ao fundo para recuperarem acentuadamente na quarta-feira, depois de terem sido revelados indicadores de vendas recorde nesta época do Natal e após movimentos de compra de fundos de pensões como se pode ler aqui ou aqui.  Estes últimos dias são bastante reveladores da fragilidade dos mercados financeiros norte-americanos, com uma valorização muito apoiada em taxas de juro baixas.

A economia portuguesa consegue ficar imune a estes abalos? Um guia optimista irracional diria que sim. Mas é muitíssimo baixa a probabilidade de Portugal evitar um mergulho da economia quando todos à sua volta se estão a afundar.  “Eu não me iludo e não nos podemos iludir com os números”. A frase do primeiro-ministro António Costa na sua mensagem de Natal deste ano pode ser apenas política pura – para moderar as reivindicações que vêm fundamentalmente dos partidos que apoiam o seu Governo –, mas pode igualmente ser entendida como uma forma de pilotar as expectativas, neste caso no sentido de moderar optimismos.

O abrandamento da actividade económica em Portugal vai expor de forma ainda mais dramática o estado de austeridade em que vive o Estado. O problema das finanças públicas não foi estruturalmente resolvido, não se fez absolutamente nada nestes já mais de três anos para reestruturar o Estado. Recuperou-se a dinâmica anterior da despesa com pessoal e de pensões, alterou-se a distribuição da carga fiscal – aumentado o peso dos impostos indirectos, que sobrecarregam os rendimentos mais baixos, e reduzindo os directos – e apertou-se nas despesas de funcionamento e de investimento. Obviamente que este caminho vai dar a um beco sem outra saída que não seja a austeridade explícita, assim que a economia começar a abrandar. O primeiro-ministro e o ministro das Finanças têm de saber isso e só podem estar preocupados, especialmente se o abrandamento da economia for visível antes das eleições.

O longo período de campanha eleitoral que vamos viver em 2019 é favorável a políticas económicas necessárias, mas impopulares? Claro que não, todos o sabemos. Mas a realidade pode obrigar o Governo a ser menos generoso do que gostaria, em pleno ano de eleições em que o PS tenta atingir a maioria absoluta. A guerra com os professores é um exemplo. Mas se a economia começar a abrandar significativamente, o primeiro-ministro poderá dizer que bem nos avisou para não nos iludirmos com os números.

A mochila que já carregamos para 2019 torna bastante difícil a construção de um guia optimista que não pareça irracional. A história recente mostrou-nos, contudo, que mesmo um evento de baixa probabilidade – um cisne negro – pode acontecer. Afinal foi isso que, pela negativa, aconteceu entre 2007 e 2008 gerando a Grande Recessão.

Um cisne negro pela positiva também pode acontecer. A crer nas previsões da numerologia e na astrologia chinesa, o ano de 2019 pode ser bastante melhor do que aquilo que nos mostra a saída de 2018. Dia 5 de Fevereiro de 2019 entraremos no ano chinês do Porco com energia de Terra, o último dos 12 signos chineses. E na numerologia estamos no ano 3. As previsões? São em regra positivas.

Numa era de elevada instabilidade e imprevisibilidade, quem sabe se o que parece impossível não é apenas uma perspectiva de baixa probabilidade que afinal acontece. E as economias reanimam, o Brexit transforma-se em Brenter, Donald Trump abandona a sua política de guerra comercial e os populismos e nacionalismos regridem.

No fim do ano veremos, se 2019 será um cisne negro pela positiva. O guia optimista que aqui se construiu há um ano apenas se aproximou do que realmente aconteceu na manutenção do turismo e no domínio das taxas de juro. Neste momento não é fácil ser optimista.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)