Rádio Observador

Manifestações

Um movimento cívico, uma decisão política – A caminhada pela vida

Autor
  • Isilda Pegado
326

Somos cidadãos, pagamos impostos, temos trabalho social feito, governamos as nossas vidas, produzimos para o País, geramos riqueza. Exigimos que haja quem nos represente nas instâncias da Política.

1 – As Democracias ocidentais vivem sérias provas de subsistência face ao desalento do Povo, à abstenção eleitoral e aos fenómenos de populismo.

Depois das evoluções da Democracia representativa (baseada no voto), a partir dos anos 70 do século XX, surgiram novas formas de democracia, a que chamamos participativa – O Poder para governar tem de atender aos movimentos cívicos, grupos de opinião, tradições, cultura, valores e tendências sectoriais, sob pena de não estar legitimado nas decisões concretas.

2 – Tais formas de sustentar as decisões políticas têm sido abandonadas em prol de programas partidários sem substância, muito equivalentes (senão iguais), em favor do “bem parecer à opinião publicada”. O que deixa o cidadão cada vez mais alheado/afastado da decisão política. As gerações que têm hoje menos de 35 anos ignoram a política. Embora haja sempre uma faixa de jovens que se empenham em causas públicas.

3 – Em Portugal existe um Movimento Cívico que tem crescido desde o final dos anos 90 do século XX (em especial desde o referendo ao aborto em 98) que implantou no País dezenas de Associações, IPSS, Fundações ou apenas grupos de reflexão sobre as questões antropológicas e da Bioética, mas também na área Social de apoio à maternidade e paternidade, às famílias carenciadas, no combate à pobreza e na defesa da Escola não ideológica e estatizada.

Porém, esta movimentação cívica tem sido em larga medida ignorada e até ostracizada pelo “pensamento politicamente correcto”.

4 – Este Movimento Cívico tem defendido que os Poderes Públicos e a Lei tenham uma postura que, – primeiro – apoie os casais no desejo de constituir família e não promova o aborto como solução para os problemas da vida; – segundo – continue a travar a batalha dos Direitos Humanos e não neguem aos mais vulneráveis Direitos Fundamentais, como seja o direito à Vida , o direito a ter pai e mãe identificados (identidade genética); – terceiro – que as vidas mais frágeis e carenciadas sejam acolhidas com políticas de saúde, de assistência e de sensibilização e, nunca, descartadas numa qualquer eutanásia; – quarto – que os pais possam ser os educadores dos filhos, e o Estado não imponha nas escolas uma ideologia contrária.

5 – Durante estes mais de 20 anos trabalhamos no País concreto e real, mas verificamos que “Golias – o Estado”, esmaga muito do nosso trabalho, mata muitos dos nossos filhos, ignora os nossos doentes e nas escolas tritura a inocência de crianças e a intimidade de adolescentes.

Está na hora de dizer, Basta!

Somos cidadãos, pagamos impostos, temos trabalho social feito, governamos as nossas vidas, produzimos para o País, geramos economia e riqueza. Exigimos que haja quem nos represente nas instâncias da Política.

Por isso, saímos à rua no próximo dia 27 de Outubro às 15 horas na Caminhada pela Vida desde o Chiado até São Bento em Lisboa e ainda nas cidades de Aveiro-Braga-Porto e Viseu.

6 – Avizinham-se dois actos eleitorais muito importantes. Vamos tomar posição pública nestas eleições. Vamos apelar ao País que quer progresso e não quer a cultura da morte, para que nestes actos eleitorais, não vote nos partidos que não tenham no seu programa, de forma clara, a defesa da Vida em todas as circunstâncias (contra o aborto, a eutanásia, a destruição de embriões, as barrigas de aluguer, etc.), a defesa da Família enquanto realidade sociológica que gera e promove a Vida.

7 – O silêncio dos partidos quanto a estas matérias será entendido como o pacto com a agenda fracturante que tem dominado a vida política, e destruído o País.

Anunciamos desde já (previamente à escolha de candidatos a eleições, e apresentação de programas eleitorais), esta nossa posição política, por lealdade a todos os que entregam as suas vidas às causas públicas. Por todo o País faremos esta campanha de responsabilidade política.

A Cidadania pró-Vida tem uma voz e um voto.

Presidente da Federação Portuguesa pela Vida

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)