Política

Um novo partido: para quê?

Autor
  • Diogo Prates
221

Os portugueses para mudarem o seu sentido de voto ou para trocarem a abstenção pelo voto num partido praticamente desconhecido precisam que esse partido diga algo diferente do que os outros propõem.

A Iniciativa Liberal apresentou recentemente o seu programa político, o qual aconselho a leitura. É um documento simples sem ser simplista, de fácil leitura que apresenta uma alternativa sem ser radical, que tem propostas para aquilo que realmente interessa à maioria das pessoas e ao nosso futuro colectivo: segurança social, justiça, educação, saúde, reforma do sistema político. Independentemente da orientação política de cada um, é indiscutivelmente um documento corajoso e não um conjunto de generalizações onde se defende por exemplo a diminuição do número de funcionários públicos quando o governo prevê exactamente o contrário.

Numa altura em que o parlamento se tem visto a braços com um conjunto de escândalos acerca dos subsídios de deslocação de deputados de diferentes bancadas, revelando um verdadeiro desrespeito pelos sacrifícios impostos aos portugueses nos últimos anos, a IL propõe: “Alteração do sistema eleitoral obsoleto. Facilitando candidaturas independentes, o voto deslocalizado ou eletrónico, introduzindo círculos uninominais e um círculo nacional, com maior representatividade das comunidades portuguesas.” São sem dúvida propostas interessantes, mas talvez se pudesse ir mais longe, com uma redução do número de deputados, aumento de salários e uma imposição de exclusividade que evitasse que certas leis se façam em escritórios de advogados. Isso daria um sinal à sociedade que este novo partido, apesar de ser objectivamente prejudicado por essa redução, dificultando a sua entrada no parlamento, punha os interesses do país acima dos seus.

Os portugueses para mudarem o seu sentido de voto ou para trocarem a abstenção pelo voto num partido praticamente desconhecido precisam que esse partido diga algo diferente, alguma coisa que para eles faça sentido e que não seja defendido por nenhum outro partido, sobretudo os que hoje já têm representação parlamentar,

António Costa disse que os ministros até à mesa do café se têm que lembrar que são ministros, mas eu diria antes que qualquer político devia ouvir o que se diz nas mesas dos cafés,. É, por exemplo, incompreensível para qualquer português que os senhores deputados recebam devoluções de viagens que não realizaram, é um insulto que recebam subsídios de deslocação quando vivem em Lisboa há vários anos. É por isso que os portugueses percecionam o parlamento mais como um clube de amigos que de vez em quando se zangam e trocam insultos quando as câmaras estão ligadas e há pessoas nas galerias, mas que partilham dos mesmos expedientes quando se trata de aumentar uns euros ao salário.

A IL tem aqui a sua hipótese de demonstrar ao que vem, sobretudo se quiser mostrar que não é mais um partido que pretende apenas ascender ao poder e beneficiar das suas benesses, antes quer mesmo mudar o panorama político português, bem deprimente diga-se de passagem.

Churchill disse um dia que a responsabilidade é, mesmo em doses homeopáticas, uma bebida excitante. Um partido novo tem a responsabilidade de trazer alguma coisa de novo, alguma coisa que faça a diferença e que se possa confiar. Com o PS às voltas com Sócrates e PSD às voltas consigo próprio, talvez sobre espaço para alguma alternativa responsável.

Médico

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Gerir em saúde

Diogo Prates
135

As novas gerações, não nos perdoarão se não lhes disponibilizarmos as mesmas vantagens que o Serviço Nacional de Saúde, apesar de todas as suas limitações, nos trouxe a nós.

Serviço Nacional de Saúde

Quem trata de nós?

Diogo Prates
151

Porque é que uma consulta de especialidade chega a demorar anos em certos hospitais? Se é por falta de médicos especialistas porque não abrem então mais vagas de internato?

Política

Saber perder

Diogo Prates

Ao longo do tempo foram muitas as figuras que, apesar de terem perdido eleições, tiveram o seu nome inscrito na História, e talvez o maior exemplo disso seja Winston Churchill.

Estado da Nação

Uma decisão para os outros /premium

Rui Ramos

A lição política que todos tiraram do ajustamento de 2011-2014 foi esta: quem afrontar os interesses instalados, estará apenas a dar aos seus rivais a possibilidade de representar esses interesses.

Governo

O reino da impunidade /premium

Alexandre Homem Cristo
424

Os portugueses são os campeões da indignação contra os seus políticos, mas são também os principais culpados pelos políticos que têm: votam neles, porque deles aceitam tudo e já não esperam nada.

Televisão

Enciclopédia (pequena) do comentador /premium

Pedro Barros Ferreira

Há expressões que são repetidas ad nauseam pelos chamados comentadores e, de igual forma, pelo povo. Pretende-se, com esta Enciclopédia, ajudar a que as pessoas possam tirar – se possível – conclusões

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)