Governo

Um propósito nacional /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

A distância do governo a qualquer reforma não parece afugentar votos; antes pelo contrário. Apesar de ter a maior das simpatias pela natural aversão do Homem à mudança, temo que isso seja um problema.

A questão mais urgente deste ciclo eleitoral prematuramente espoletado é esta: o que deixará o governo de António Costa feito em 2019? Não é uma pergunta fácil de responder. Se fossemos fazê-la para o meio da rua, o gaguejar seria certo. Mário Centeno apostaria na «eliminação do défice». Os comentadores de esquerda, que preferem a simplicidade dos simbolismos à realidade dos números, defenderiam «o nascimento da geringonça». Outros não hesitariam em escolher também a «devolução de rendimentos» – por mais que ela tenha sacrificado os serviços públicos que todos usam em detrimento dos funcionários públicos que nem todos são. A redução da dívida, no entanto, não foi descartada. Na Modernização Administrativa, investiu-se convictamente em módulos de democracia participativa – essencial para reforçar a confiança dos cidadãos –, mas isso tem mais a ver com o modo como o Estado é olhado do que com o modo como o Estado olha para si próprio. Nesse capítulo, a introspeção permanece indolente, indisposta e irresponsável. O atual governo não reformou. Respondendo à questão inicial, a verdade é que é um governo de legado curto.

Em que sentido?

Governaré a atividade de gerir mudanças– as auto-induzidas e as exteriormente verificadas; enquanto fazer política é a atividade de conquistar e manter poder. António Costa tem atributos óbvios na segunda atividade (fazer política), mas poucas virtudes na primeira atividade (governar) e é importante distingui-las. Significa isto que, chegado o ciclo eleitoral, esse diagnóstico ganhará relevância. A conquista e a manutenção do poder serão objetivos cumpridos pelo Partido Socialista, sem dúvida. Mas a preparação de mudanças – «reformar» – ficará por fazer. E a generalidade do eleitorado não parece incomodar-se grandemente com o facto, o que explica a inércia do PS em relação àquilo que impediu outrém de concretizar. O segundo governo de Passos, convém recordar, não era temido pelo que tiraria. Era temido pelo que iria mudar. Por outras palavras, um estadista é aquele que faz política para poder governar; não aquele que quer governar para continuar a fazer política. Para futuro, é essa a diferença que conta – ou que deveria contar.

Porém, para o eleitorado português, essa distinção não tem contado como ativo. A distância do atual governo a qualquer reforma não parece afugentar votos; antes pelo contrário. Eu, apesar de ter a maior das simpatias pela natural aversão do Homem à mudança, temo que isso seja um problema. Ou melhor, a consequência de um problema. Nas sociedades democráticas, em que o destino do povo está na sua livre-vontade, as transformações e retificações não se dão na arbitrariedade de um decreto. Há debate, há escrutínio, há responsabilização. Em Portugal, não é diferente. Mas se no fim desta legislatura ficará bem claro que a inércia tem sucesso como tática de governação, é necessário entender porquê. Porque se receia o reformismo e se premeia a imobilidade?

Também não é uma pergunta fácil de responder.

Talvez – e este texto pretende defendê-lo – falte um propósito nacional. Talvez as pessoas precisem de sentir que há a possibilidade de um país melhor do que este. Talvez o fisco deva começar por respeitar cada contribuinte antes de lhe exigir tamanhos sacrifícios. Talvez os nossos políticos devessem promover uma visão nobre e honrada do Estado, em vez de aproveitarem cada nesga da máquina para seu proveito pessoal. Talvez o primeiro-ministro se deva coibir de comparar a entrada de Portugal na 1ª Grande Guerra com a entrada de Portugal na CEE – para não parecer que nunca leu um livro de História. Talvez as instituições se devam dar ao respeito – não confundindo afecto com popularidade.  Talvez faça falta um orgulho por este pedaço de terra. Não um orgulho saudosista, mas um orgulho que faça a mudança valer a pena. Um orgulho que converta, finalmente, a nossa política em serviço público. E esse orgulho – esse propósito nacional – não consta.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
293

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.230

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Governo

10 medidas de reforma do recrutamento governativo

Fernando Teigão dos Santos

Modernizar o funcionamento governativo passa por reduzir a tamanho dos gabinetes, reformar as suas funções, ter menos parentes, mais quadros competentes e fechar as “portas giratórias” dos ministérios

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
173

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada
183

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)