Rádio Observador

Governo

Um propósito nacional /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

A distância do governo a qualquer reforma não parece afugentar votos; antes pelo contrário. Apesar de ter a maior das simpatias pela natural aversão do Homem à mudança, temo que isso seja um problema.

A questão mais urgente deste ciclo eleitoral prematuramente espoletado é esta: o que deixará o governo de António Costa feito em 2019? Não é uma pergunta fácil de responder. Se fossemos fazê-la para o meio da rua, o gaguejar seria certo. Mário Centeno apostaria na «eliminação do défice». Os comentadores de esquerda, que preferem a simplicidade dos simbolismos à realidade dos números, defenderiam «o nascimento da geringonça». Outros não hesitariam em escolher também a «devolução de rendimentos» – por mais que ela tenha sacrificado os serviços públicos que todos usam em detrimento dos funcionários públicos que nem todos são. A redução da dívida, no entanto, não foi descartada. Na Modernização Administrativa, investiu-se convictamente em módulos de democracia participativa – essencial para reforçar a confiança dos cidadãos –, mas isso tem mais a ver com o modo como o Estado é olhado do que com o modo como o Estado olha para si próprio. Nesse capítulo, a introspeção permanece indolente, indisposta e irresponsável. O atual governo não reformou. Respondendo à questão inicial, a verdade é que é um governo de legado curto.

Em que sentido?

Governaré a atividade de gerir mudanças– as auto-induzidas e as exteriormente verificadas; enquanto fazer política é a atividade de conquistar e manter poder. António Costa tem atributos óbvios na segunda atividade (fazer política), mas poucas virtudes na primeira atividade (governar) e é importante distingui-las. Significa isto que, chegado o ciclo eleitoral, esse diagnóstico ganhará relevância. A conquista e a manutenção do poder serão objetivos cumpridos pelo Partido Socialista, sem dúvida. Mas a preparação de mudanças – «reformar» – ficará por fazer. E a generalidade do eleitorado não parece incomodar-se grandemente com o facto, o que explica a inércia do PS em relação àquilo que impediu outrém de concretizar. O segundo governo de Passos, convém recordar, não era temido pelo que tiraria. Era temido pelo que iria mudar. Por outras palavras, um estadista é aquele que faz política para poder governar; não aquele que quer governar para continuar a fazer política. Para futuro, é essa a diferença que conta – ou que deveria contar.

Porém, para o eleitorado português, essa distinção não tem contado como ativo. A distância do atual governo a qualquer reforma não parece afugentar votos; antes pelo contrário. Eu, apesar de ter a maior das simpatias pela natural aversão do Homem à mudança, temo que isso seja um problema. Ou melhor, a consequência de um problema. Nas sociedades democráticas, em que o destino do povo está na sua livre-vontade, as transformações e retificações não se dão na arbitrariedade de um decreto. Há debate, há escrutínio, há responsabilização. Em Portugal, não é diferente. Mas se no fim desta legislatura ficará bem claro que a inércia tem sucesso como tática de governação, é necessário entender porquê. Porque se receia o reformismo e se premeia a imobilidade?

Também não é uma pergunta fácil de responder.

Talvez – e este texto pretende defendê-lo – falte um propósito nacional. Talvez as pessoas precisem de sentir que há a possibilidade de um país melhor do que este. Talvez o fisco deva começar por respeitar cada contribuinte antes de lhe exigir tamanhos sacrifícios. Talvez os nossos políticos devessem promover uma visão nobre e honrada do Estado, em vez de aproveitarem cada nesga da máquina para seu proveito pessoal. Talvez o primeiro-ministro se deva coibir de comparar a entrada de Portugal na 1ª Grande Guerra com a entrada de Portugal na CEE – para não parecer que nunca leu um livro de História. Talvez as instituições se devam dar ao respeito – não confundindo afecto com popularidade.  Talvez faça falta um orgulho por este pedaço de terra. Não um orgulho saudosista, mas um orgulho que faça a mudança valer a pena. Um orgulho que converta, finalmente, a nossa política em serviço público. E esse orgulho – esse propósito nacional – não consta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

Não subestimem Pedro Nuno Santos /premium

Sebastião Bugalho

A ideia de que o pedronunismo se resume a um fenómeno ativista é profundamente desinformada: eles andam aí, nas agências de publicidade, nos escritórios de advogados, nas vilas de Aveiro, nas redações

Política

A alegada universalização do passismo /premium

Sebastião Bugalho
417

O problema de admitir que a falta de dinheiro não mudou com a ideologia é que toda a porcaria que foi escrita contra Passos (o "ajoelhar" a Merkel...) era, no fim do dia, apenas lidar com a realidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)