Polémica Lula

“Quando um rico rouba, vira ministro”

Autor
1.111

Sem grande surpresa (e sem qualquer vergonha), a extrema-esquerda portuguesa solidariza-se com Lula, Dilma e o PT. Do Partido Comunista ao sociólogo Boaventura Sousa Santos.

Por altura da reeleição de Dilma Rousseff, tracei um prognóstico muito reservado para o seu segundo mandato e para o futuro a curto e médio prazo do Brasil. Desde então, infelizmente, Dilma e o PT não corrigiram o rumo e a situação política, económica e social – como seria de prever – continuou a deteriorar-se. Se a crise económica no Brasil assume uma dimensão preocupante, mais grave ainda é o estado de degradação ética a que chegou a política brasileira.

Em 1988, Luiz Inácio Lula da Silva afirmava: “No Brasil é assim: quando um pobre rouba, vai para a cadeia. Quando um rico rouba, vira ministro”.

Em 2016, o mesmo Luiz Inácio Lula da Silva, confrontado com o seu envolvimento na Operação Lava Jato é nomeado por Dilma Rousseff como novo ministro da Casa Civil, com o objectivo evidente de beneficiar do “foro privilegiado” associado ao cargo.

Ao nomear Lula, Dilma incorre em duas implicações políticas inescapáveis. A primeira é associar definitivamente o seu próprio futuro político ao de Lula. Se a ligação entre os dois já era forte, agora ela passou a ser indissociável. A segunda é deixar claro o ascendente do próprio Lula sobre si. Só assim é compreensível que a Presidente manche indelevelmente o seu mandato para satisfazer o seu antecessor.

Sem grande surpresa (e sem qualquer vergonha), a extrema-esquerda portuguesa solidariza-se com Lula, Dilma e o PT. Assim, o Partido Comunista Português condena uma suposta “intensa operação de desestabilização e de cariz golpista” e manifesta-se “solidário com as forças progressistas brasileiras”. Por sua vez, o sociólogo Boaventura Sousa Santos – um dos expoentes máximos da hegemonia da esquerda radical no sombrio panorama académico lusófono – classifica o movimento de contestação popular ao PT e de revolta contra a corrupção como “uma destabilização perigosa” que “configura um golpe parlamentar”, culpando (como não poderia deixar de ser) os EUA pelo que está a acontecer no Brasil.

É pertinente assinalar e registar para memória futura a incondicional militância petista da extrema-esquerda portuguesa, mas é mais importante ainda compreender que a situação actual é verdadeiramente de alto risco para o Brasil. Um dos maiores dramas da actual crise brasileira é, como bem aponta Manuel Villaverde Cabral, que não se perspectiva no sistema partidário do Brasil uma alternativa consolidada capaz de destronar o PT e recolocar o país numa trajectória de regular funcionamento das instituições e de desenvolvimento económico. Ainda assim, neste contexto, e perante os ataques contra a independência do poder judicial e o descambar da credibilidade das instituições políticas da principal potência da América do Sul, é difícil perspectivar uma solução que não passe pela saída de Dilma Rousseff da presidência. Resta esperar que essa saída se possa processar de forma pacífica e que possibilite salvaguardar o Estado de Direito no Brasil.

Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Brasil

Lula da Silva: Habeas Corpus ou Habemus Prisão?

José Pinto

Como é evidente, num país dividido em que uma parte insiste em ver Lula como herói e a outra lhe coloca o anátema de vilão, as manifestações contra a prisão não serão coisa de somenos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)