Rádio Observador

Europa

Uma Europa sem Portugal

Autor
570

A Europa não vai mudar com Juncker: já mudou, e profundamente. Para os portugueses, a mensagem é clara: uma Europa sem Portugal é perfeitamente imaginável.

Certamente que o presidente da Comissão Europeia não queria excluir Portugal quando descreveu a União Europeia como indo da Espanha à Bulgária. Um lapso. Não nos devemos preocupar. Acontece com os países pequenos. Claro, mas então, porque é que Jean-Claude Juncker não se esqueceu da Bulgária?

Há lapsos reveladores. Juncker não se esqueceu da Bulgária, porque os antigos protectorados soviéticos da Europa central e oriental são a nova fronteira da União Europeia, o terreno em que Bruxelas define a sua relação de forças com a Rússia de Vladimir Putin. Portugal, neste momento, não faz parte de nenhum desses campos de tensão. Na década de 1980, Portugal, a Espanha e a Grécia foram a fronteira da Europa. A Europa era então a “Europa ocidental”. Nesses anos, nenhum presidente da Comissão Europeia se teria esquecido de Portugal. Mas desde o ano 2000, tudo mudou com o alargamento ao leste e com o peso crescente da Alemanha. Ao ponto de Juncker, em Setembro de 2017, ter feito a Europa começar em Vilar Formoso.

Não estávamos talvez habituados a esta displicência, depois de há quase trinta anos termos sido o aluno favorito de Jacques Delors. Portugal foi um dos fundadores do Euro, e como tal fez parte das dores de cabeça da Comissão Europeia, quando o Euro esteve em causa, entre a bancarrota da Grécia e a intervenção do BCE. A UE, através dos resgates e do banco central, investiu um mar de dinheiro para manter o sul no Euro. Voltá-lo-ia a fazer? É duvidoso.

No entanto, por vontade de Juncker, todos os países da UE serão um dia países da Zona Euro. Não seria essa uma garantia para Portugal? Não. Para um país endividado e pouco competitivo como Portugal, a moeda única tornar-se-ia ainda mais exigente. Primeiro, porque a disciplina financeira, se já era importante, ainda o seria mais numa Zona Euro alargada; segundo, porque o sul da Europa deixaria de representar os mais pobres na união monetária, perdendo esse recurso de chantagem moral; terceiro, porque numa grande Zona Euro, a partida de um país deixaria de ter o aspecto dramático que ainda tinha em 2010, quando uma eventual queda da Grécia foi diagnosticada como o fim do Euro. É preciso aliás não esquecer que depois do Brexit a integração europeia tem uma porta de saída.

Se um euro-céptico quisesse caricaturar o europeísmo, teria inventado Jean-Claude Juncker. O presidente da comissão pretende agora fazer do Brexit em 2019 o equivalente da unificação alemã em 1990: a ocasião para mais uma arrancada de integração, com todos os países a correrem a uma só velocidade. É um disparate. Juncker parece nada ter aprendido com a fuga para a frente dos anos 90. As suas propostas nem chegam a disfarçar que a saída do Reino Unido foi uma calamidade para a UE, ao acentuar a sua verdadeira natureza como um directório franco-alemão (mais alemão do que francês), rodeado de periferias mais ou menos dispensáveis (é verdade: foi sempre assim, mesmo com o Reino Unido; mas Londres, com a sua força financeira e o seu liberalismo, compensava, de certo modo, o eixo Berlim-Paris, como Varsóvia ou Roma nunca conseguirão, e muito menos Bruxelas).

A Europa não vai mudar com Juncker: já mudou, e profundamente. Para os portugueses, a mensagem é muito clara: uma Europa sem Portugal é perfeitamente imaginável. O que quer dizer que a integração europeia não pode continuar a ser, como tem sido desde a década de 1990, uma razão para adiar os esforços necessários para tornar o país financeiramente menos vulnerável e economicamente mais competitivo. Não convém continuar a confiar nas “transferências” do norte da Europa. Tudo vai passar a ser mais difícil. Seria bom estarmos preparados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)