Enfermeiros

Uma greve grave com groove /premium

Autor
266

Com as cirurgias a ser canceladas a este ritmo lá para o Verão já não há ninguém vivo para ser operado. Pumba! Acabam-se as listas de espera e temos um SNS na perfeição para Costa exibir nas eleições.

Refiro-me à greve dos enfermeiros, está bom de ver. É grave porque já levou ao cancelamento de milhares de cirurgias. Tem groove porque recorre a uma forma de financiamento em estrangeiro, o crowdfunding. Forma de financiamento, aliás, que levou o PCP a insinuar que seriam grupos privados de saúde a pagar a greve para beneficiarem da transferência de cirurgias. A ser verdade o PCP devia adorar este modelo de greve. Exactamente. Adorar. Porque, comparada com as clássicas paralisações promovidas pelo PCP, esta também beneficia os privados, mas tem a vantagem de os obrigar a abrir os cordões à bolsa: sempre é um tipo de greve que dá um pouco menos de lucro aos capitalistas selvagens.

Para António Costa estas paralisações dos enfermeiros são, elas sim, “selvagens”. Agora, desconfio que o primeiro-ministro se referiu a “selvagens” no sentido que a palavra tem na frase: “São selvagens, estas greves, mas depois de devidamente adestradas isto é montada para eu cavalgar a toda a sela”. E Costa tem naturalmente razão, porque se as cirurgias continuam a ser canceladas a este ritmo durante mais uns meses, lá para o Verão já não há ninguém vivo para ser operado. Pumba! Acabam-se as listas de espera e temos um SNS a funcionar na perfeição para o líder do PS exibir na campanha para as legislativas de Outubro.

Por falar nas eleições de Outubro, Rui Rio colocou uns cartazes novos nas ruas com um número de telefone para as pessoas ligarem a dar ideias. Assim que colocou o primeiro cartaz recebeu logo uma chamada. Era da Polícia Judiciária. Queriam saber do paradeiro do líder da oposição, porque há imensos militantes do PSD em pânico à procura dele vai para mais de um ano. E imediatamente a seguir recebeu outro telefonema. Desta vez era o Presidente Marcelo. Enganou-se no número. Queria telefonar para o novo programa da manhã do João Baião.

A verdade é que estes novos cartazes do PSD são uma imitação escandalosa. A Brisa já tinha inventado algo mesmo muito semelhante: aqueles postes SOS nas auto- estradas. Tal como o novo cartaz do PSD, os postes SOS também são cor-de-laranja e brancos. E exactamente como acontece com o outdoor social-democrata, os postes de socorro também têm um número para as pessoas ligarem. A única diferença é que enquanto no caso dos postes SOS quem precisa de socorro é quem liga, no caso dos cartazes do PSD quem precisa desesperadamente de auxílio é quem atende a chamada.

Aliás, esta semana política ficou marcada pelo plágio. No congresso do Aliança, Santana Lopes anunciou que uma das suas vice-presidentes é a advogada da Madonna. O que não veio a público é que esta nomeação foi a condição que a artista colocou para não processar o líder do Aliança. A Madonna preparava-se para levar o político a tribunal sob a acusação de que vários movimentos de cintura e contorções de espinha que celebrizaram Santana Lopes na política portuguesa são uma cópia da coreografia do seu teledisco Material Girl. O que é obviamente absurdo. Basta acompanhar um pouco da política portuguesa para saber que são uma cópia do Like a Virgin.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Humor

Eu canto, tu cantas, ele canta mal mas mal /premium

Tiago Dores
2.475

Foi uma lição de política, pois ao levar para o Programa da Cristina a mulher, os dois filhos e a nora, António Costa exemplificou na perfeição como funciona o Conselho de Ministros no governo do PS.

Enfermeiros

Abriu a época de caça ao enfermeiro

João Paulo Carvalho
4.493

As redes sociais vieram exponenciar o modus operandi, na era em que todos têm direito a ter opinião, exércitos de perfis falsos destilam veneno a soldo. Importa que se saiba que o ardil é inteligente 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)