Passei segunda-feira de tarde em frente à televisão, ligada, um pouco por acaso, à SIC Notícias. Bom, seria mais correcto dizer “de lado para a televisão”, porque estava deitado no sofá a ler um livro, com o som muito baixinho, quase imperceptível. Como o livro era interessante, o sempre temível apelo das imagens a mexerem-se não funcionava ameaçadoramente. Só por um acto de vontade podia interromper a leitura.

Por alguma razão (uma tarde em que o meu espírito estava particularmente ágil, provavelmente) não creio ter perdido nenhuma sequência relevante do fluxo televisivo. Começou, como seria de esperar, pelo Sporting, essa recente jóia da coroa do comentário desportivo. O que se passou então neste milésimo episódio da apaixonante novela? Bom, parece que o indómito Bruno foi proibido de entrar nas instalações do Sporting, depois de ele próprio aparentemente ter aí proibido a entrada de Sousa Cintra. Note-se que Bruno atravessava, pelo menos desde há uma hora ou coisa assim, um invulgarmente extenso período de amor pela paz. Nomeadamente, tinha reescrito um postno Facebook, onde, entre outras coisas, deixara de chamar “homem do tremoço” a Sousa Cintra e mandara o seu porta-voz declarar que se encontrava muito civilizadamente disponível para “trocar impressões e cumprir os formalismos necessários” que a situação exigia. Ao mínimo sinal de amor, zás!, recebeu uma bofetada na cara. Não se faz! O assunto foi esmiuçadamente discutido com uma seriedade irrepreensível por comentadores profissionais e amadores. Levar a sério esta loucura toda parece indicar que algo não vai bem na cabeça, mas enfim… Já dura há meses e não há que ficar surpreendido.

Depois de muito, muito, tempo com isto, passou-se ao Benfica e à operação policial “Mala Ciao” (nome lindo). Buscas tinham sido feitas na Luz. Desta vez não por causa das supostas “toupeiras” no sistema judicial, mas por causa de uns empréstimos de jogadores a outros clubes que, em troca, prestariam no campeonato um favor ou outro. Além disso, haveria uns prémios pecuniários, parece que agora ilegais, concedidos pelo Benfica a jogadores emprestados a outros clubes para que eles dessem tudo por tudo para ganharem ao Porto. Luís Filipe Vieira, muito grave, deu uma conferência de imprensa em que negou tudo e indicou a origem destas aleivosias, apontando genericamente ao “Norte” e a um indivíduo não denominado que os especialistas identificaram imediatamente como sendo o reponsável pela comunicação do Futebol Clube do Porto.

A gravidade de Vieira encontrou eco na gravidade dos comentadores, que, muito sérios, lamentaram a raridade das explicações do presidente do Benfica nestes casos e iniciaram, com grande frescura e disponibilidade, uma maratona de reflexões que parecia, como de costume, poder prolongar-se indefinidamente. O que teria acontecido, sem dúvida, não fosse urgente voltar ao Sporting, para repetir, com pequenas variações, o que antes havia sido dito. Tanta gravidade cansa, meu Deus, e, no seu excesso, aproxima-se de uma forma de loucura mansa socialmente permitida.

Quase sem se reparar, e sem nunca se ter saído do futebol, chegou-se à hora do Portugal-Irão. Já me tinha esquecido da existência das temíveis “vuvuzelas” com que os sinistros adeptos iranianos, comandados pelo renegado Queiroz, procuraram perturbar o subtil perfil do jogo dos nossos valentes heróis. A infâmia iraniana manifestou-se ao longo de todo o jogo, seja através da pérfida defesa de uma grande penalidade marcada por Aquele que todos sabem quem é, seja através de protestos que obrigaram o árbitro a passar metade do jogo a correr para um ecrã televisivo, como se não tivesse mais nada que fazer. O renegado Queiroz esteve ao nível dos seus comandados, acumulando provocações sobre provocações ao grande espírito nacional, superiormente personificado por Fernando Santos. Quis até que Aquele cujo nome por todos é conhecido fosse castigado com um cartão vermelho. Há limites para tudo!

O jogo lá acabou, como se sabe, com um empate. Sem nada a ver com  aquilo que se passou no relvado, eu e a minha mulher, no fim, começámos a sentir-nos ligeiramente envergonhados. Não teríamos levado aquilo excessivamente a sério? Estaríamos a ser tomados por uma perturbação estimulada pelo ambiente televisivo? Felizmente, os comentários a seguir, sobre o jogo e sobre o próximo Portugal-Uruguai, atenuaram o legítimo medo. Comparado com a gravidade dos comentadores, o nosso excesso de empenho no jogo tinha sido uma brincadeira de meninos de coro. Apesar de tudo, a loucura – e, particularmente, a loucura de levar as coisas mais a sério do que a sua natureza própria tendencialmente permite – é uma questão de grau e o excesso alheio conforta.

A jornada televisiva acabou, como tinha de ser, com Marcelo. Mal o árbitro apitou para acabar o jogo, ei-lo nos jardins de Belém a discorrer sobre as várias vertentes do recente espectáculo televisivo, e com uma gravidade que nele é raro observar. Confessou o seu sofrimento perante a incerteza do resultado, mas, como disse, “um Presidente da República é eleito para sofrer”. O sofrimento não lhe roubou, diga-se de passagem, as suas virtudes analíticas. A análise dos méritos respectivos de alguns jogadores foi austera, evitando o precipício de entusiasmos indevidos, o mesmo podendo ser dito das suas considerações sobre a vantagem de termos agora pela frente o Uruguai em vez da Rússia. Mostrou-se pelo menos tão capaz no exercício como qualquer comentador profissional dos debates futebolísticos televisivos. Confesso que vê-lo assim, mal o jogo acabou, a elaborar em linguagem praticamente técnica sobre esta última aventura da nossa selecção ameaçou trazer-me de novo ao espírito um pensamento que ao longo da tarde me tinha visitado repetidamente. Mas, vá lá Deus saber como e porquê, consegui abafar a nefanda reflexão. Não foi o meu momento menos patriótico do dia.