Governo

Utopias e irrealismos de António Costa /premium

Autor
  • Luís Rosa
452

Independentemente das equações eleitorais, o período de governação de António Costa arrisca-se a ficar para a história como uma oportunidade perdida -- como foram os Governos Guterres.

1. Ouvir António Costa a falar sobre o presente e o futuro de Portugal faz lembrar aquelas candidatas a Miss Universo que acreditam que é possível acabar com a guerra e a fome no Mundo. Costa não vai tão longe mas, na prática, acaba por cair no mesmo tipo de utopias.

A primeira dessas utopias é aquela que tem sido apontada desde o início: formar uma maioria parlamentar com forças partidárias retrógradas que são um obstáculo a qualquer tentativa de implementação de uma política reformista e, ao mesmo tempo, querer convergir economicamente com a União Europeia.

É verdade que em 2017 conseguimos crescer (2,7% do PIB) acima da média da Zona Euro (2,5% do PIB) mas tal aconteceu num contexto de grande crescimento económico europeu, sendo que a taxa de crescimento do PIB português corresponde apenas ao 20.º lugar do ranking europeu.

A segunda utopia passa pela ideia de que foram as políticas de reversão e de devolução de rendimentos que alimentaram este resultado de 2017. Nada mais errado quando já foi amplamente noticiado que as receitas do turismo, por um lado, e os fundos recebidos pelas empresas exportadoras, por outro lado, foram os grandes responsáveis pelo crescimento nacional.

O irrealismo, por outro lado, também tem marcado este Governo de António Costa. Para continuar a crescer acima da média europeia é preciso um projeto reformista na Educação, na Saúde, na Segurança Social, etc. — e não fazer única e exclusivamente uma navegação à vista de pura conservação de poder político ou uma política orçamental assente em cativações que tem asfixiado os diferentes serviços públicos naquelas áreas.

Veja-se, por exemplo, a atual peça de teatro que a Geringonça tem em cena sobre o Orçamento de Estado para 2019. O que reivindicam o PCP e o BE? Mais investimento na saúde, transportes, educação e no território. E no que assenta tal investimento? Essencialmente, e realização de obra e mais contratação de recursos humanos, nomeadamente na Saúde e Educação.

Na prática, o PCP e o BE querem, como sempre, mais e mais investimento público sem grandes preocupações como tal investimento será financiado — e com que custo em termos de metas como o défice orçamental e a dívida pública.

Basta só atentar ao caso das 35 horas da Função Pública — que foram implementadas pelo Governo sob pressão do PCP e do BE — e os maus resultados que tal medida tem dado com o encerramento de diversos serviços públicos no interior do país.

2. Contudo, verificou-se um pequeno progresso: António Costa reconheceu recentemente (sem o assumir diretamente, claro) que, afinal, a austeridade não desapareceu. Ou seja, que o Governo não tem dinheiro para tudo.

Começou com o braço-de-ferro com os professores e o tempo de contagem nas carreiras e prolongou-se para as obras públicas. “Quando estamos a decidir fazer esta obra, estamos a decidir não fazer evoluções nas carreiras ou vencimentos” — é uma frase de Costa na apresentação de uma obra de renovação do IP 3 em troços entre Coimbra e Viseu que acaba por ser o reconhecimento oficial de que a austeridade financeira existe.

E continuou no debate do Estado da Nação onde o primeiro-ministro, em diálogos com Catarina Martins (BE), Jerónimo de Sousa (PCP) ou Heloísa Apolónia (Os Verdes), avisou que os socialistas não são “santos milagreiros” e que “temos de moderar a velocidade” dos gastos públicos.

Esta mudança de posicionamento e de discurso é simples de explicar:

  • Vem aí um abrandamento económico na economia da Zona Euro que se vai fazer reflectir em Portugal. As previsões para 2018, apontam para um crescimento de 2,5% em Portugal (2,7% em 2017), enquanto que na Zona Euro o crescimento não deve ir além dos 2,1% do PIB . Em 2019 e em 2020, este valor vai ficar abaixo dos 2% e situar-se-á, respetivamente, nos 1,9% e nos 1,7%.

Significa isto que António Costa, caso ganhe as eleições de 2019, terá menos dinheiro à sua disposição para responder às reivindicações do PCP e do BE. O que poderá ser uma grande dificuldade para um novo acordo com os gulosos aliados da Geringonça — insaciáveis a pedir mais recursos financeiros para as suas clientelas partidárias.

Daí a necessidade que António Costa sente numa aproximação a Rui Rio — e que foi evidenciada indiretamente na entrevista concedida pelo ministro Augusto Santos Silva ao Público e à Rádio Renascença.

Contudo, e independentemente das equações eleitorais ou dos acordos parlamentares que venham a ser feitos, o período de governação de António Costa arrisca-se a ficar para a história como uma oportunidade perdida — como foram os Governos Guterres, reconhecidos apenas pela introdução do pré-escolar em seis anos de governação em tempos de ‘vacas gordas’.

Regra geral, os habilidosos como Costa não se transformam em políticos reformistas. Nem ficam para a história.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt
Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
597

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

PSD

Deixem Rui Rio trabalhar! /premium

Luís Rosa
473

O país agradece que Rui Rio chegue às legislativas para se juntar a Santana e a Ferreira Leite como os grandes promotores das maiorias do PS. O futuro do centro direita depende disso.

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)