Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há uma pequena farmácia exemplar no coração das Avenidas Novas. Abriu nos anos sessenta, não foi remodelada, mantém os belos armários de origem e o néon ao fundo – desligado. E desde há dois anos tem uma nova proprietária e farmacêutica que, tal como a sua predecessora, presta um serviço, ou mais justamente, um cuidado de proximidade aos residentes, a quem trabalha no centro e por lá passe, e a quem não busque numa farmácia cosmética de ponta ou Birkenstock. Bastam duas ou três visitas para que saiba o nosso nome. Sem familiaridades. Com reserva. O que não existe no momento, chega no dia seguinte ou pouco depois. Atrás do balcão, adaptou-se à máscara e às luvas descartáveis, ao acrílico, ao desinfectante com pedal, à venda de máscaras cirúrgicas e comunitárias e às perguntas sobre grupos de risco, contaminação, transmissão, medidas protectoras e ao quando chegam as vacinas da gripe. E mais tarde ao já chegaram as vacinas da gripe?

Em 2019, nesta pequena farmácia, foram vacinadas mais de duzentas pessoas. Este ano, pouco mais de vinte, o mesmo número de vacinas recebidas — a primeira tranche recebida chegou um mês depois do previsto e foi de cinco vacinas, a segunda viria quinze dias depois. O “vacine-se por si, vacine-se por todos” não chegou a mais de trinta.

Há nas Avenidas Novas uma população envelhecida em prédios ainda populares a salvo, pelo menos por mais uns meses, da gentrificação. E entre estes também há gente nova e de meia idade, doentes crónicos, de risco flutuante, para quem não houve vacina nos Centros de Saúde nem nesta farmácia onde, muitas vezes a expensas próprias, a farmacêutica faculta medicamentos urgentes a quem já não os pode pagar.

Em Portugal há cerca de três mil farmácias, postos de maior ou menor proximidade, onde são conhecidas as necessidades de cada população: quem não pode ficar sem o anti-hipertensor, quem não está inscrito no Centro de Saúde, quem faz insulina, quem recebe a medicação entregue pela farmácia hospitalar, circuito desenvolvido pós-Covid pela necessidade de manter os utentes salvaguardados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O plano de vacinação contra a Covid 19 tem como objectivo vacinar 50 mil pessoas por dia nos Centros de Saúde, portanto, 300 mil por semana e sem prejuízo do funcionamento destes. No entanto, 6,6 milhões de consultas de cuidados primários, nos Centros de Saúde, ficaram por fazer desde o início da pandemia. Só de cuidados primários. Em simultâneo, são dispensados do circuito de vacinação cerca de cinco mil farmacêuticos habilitados a vacinar, e as farmácias que tenham condições de armazenamento e administração da vacina. Ao contrário do que está previsto acontecer no Reino Unido, por exemplo.

Mas diante da já prevista escassez de vacinas, que importância tem o desperdício de recursos?