Portugal é um país de emigrantes.

Um relatório estatístico da ONU de 2017 diz haver 2 milhões 266 mil 735 portugueses espalhados pelo Mundo, a maior parte na Europa. Durante décadas emigrámos, primeiro os mais pobres de nós, trabalhadores indiferenciados, alguns refugiados políticos, depois os mais novos e qualificados, em busca das oportunidades profissionais que o país não lhes oferecia.

Fomos milhões, somos milhões. E o Mundo, da velha e generosa Europa ao Novo Continente, recebeu-nos. Com mais ou menos hospitalidade, os nossos compatriotas encontraram abrigo, refúgio, um caminho novo para trilhar. E com a gratidão que este povo sabe ter, contribuíram para o progresso, o bem-estar e o desenvolvimento dos países de acolhimento.

Como nós, muitos outros povos emigram e emigraram ao longo dos séculos, das décadas, dos anos. Os irlandeses emigraram, os polacos emigraram, os russos, os gregos, os italianos. Povos de todo o Mundo, em busca de novas oportunidades ou, simplesmente, para sobreviver.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.