Crónica

Viagem ao nosso centro

Autor
  • David Palhares Lima
167

Escrevo contemplando um sol penetrante que se vai extinguindo por entre as árvores altas, preparando-se para se pôr. Está na altura de fechar o caderno, e de ir lá para fora. Mas não esqueço isto aqui

Confesso que pensei um pouco antes de escrever isto.

Sabem aquela tendência egoísta de guardar o melhor só para nós, muito presente em cada um de nós, mas mais visível nas crianças?

Pronto, foi isso que, inicialmente, me levara a não querer escrever isto. Custara-me encarar a minha natureza terrena, e partilhar com os demais coisas que tive a sorte de poder descobrir.

Mas cá estamos. Parece que neste caso outra parte de mim levara a melhor.

Aquela verdade que vos quero, agora, partilhar, é que o Parque da Cidade do Porto tem capacidades curativas.

Não, a sério, não dispersem, isto cura mesmo! Isto é tão medicinal como um brufen ou algum fármaco desses, se calhar até é mais.

Já algumas vezes vim aqui meio “ de rastos”, cansado da vida “lá fora”, e do frenesim dasociedade, e em todas essas vezes me foi possível encontrar alento para continuar, me foi possível eliminar o que estava a mais, e me recordar quem sou.

Se isto não é medicina, então não sei o que é.

Estamos a falar de um parque magnífico, com uma extensão enormíssima, são vários hectares de vivacidade, caracterizados por um tratamento especial, repleto de carinho, carinho esse que depois surte um grande efeito nas pessoas que cá vem. À parte isso, também se encontra praticamente virgem, não demonstrando grandes mazelas de uma sociedade caótica que sedesenrola “lá fora”. Sim, isto é uma espécie de cápsula espacial especial, que nos faz viajar atéao nosso centro, e depois até ao nosso passado, e a nele descobrimos quem eramos, como crescemos, e o que escolhemos esquecer, e, por fim, de volta ao futuro, que neste caso é presente, e que começara, agora, com um novo ânimo, a ser construído.

Nisto, questiono-me como é possível não existirem mais pérolas destas, e como é possível o mundo ser o caos que todos nós evidenciamos. Um desligamento total, um aprisionamento terrível.

Porque será que nestes ambientes, de natureza, de estabilidade, nos sentimos assim?Tão livres, tão nós, tão ligados…

Observemos a nossa natureza, e a natureza em si, que é como nós. Talvez esteja ai a chave para o fim do sofrimento que tanto ansiamos, e em que vivemos dia após dia.

Escrevo isto contemplando um sol penetrante que se vai extinguindo por entre as árvores altas, preparando-se para se pôr. Está na altura de fechar o caderno, e de ir lá para fora. Mas eu não me esqueço disto aqui.

Não te esqueças!

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

As aventuras da coerência /premium

Paulo Tunhas

Até certa altura pensei que a chamada “esquerda” era depositária da tradição de liberdade e garantia da democracia. Mas uma observação das suas reacções políticas mostra algo diferente e inquietante.

História

As oito reflexões de Hideyoshi

José Miguel Pinto dos Santos
142

Não será que hoje se age, fala e se publicam tweets depressa demais? Se se toma uma decisão irrefletida e danosa, ao menos que haja coragem moral para se retificar o que houver a retificar. Ao menos.

Crónica

O verde dos Açores, neste Outono vivo /premium

Laurinda Alves
1.544

A Terceira é tudo isto e bem mais, uma de nove ilhas onde não há lixo no chão, onde todos os campos estão impecavelmente tratados e cada horta, pasto ou lameiro parece não ter uma planta fora do lugar

Crónica

Portugal: perdidos & achados /premium

Helena Matos
1.185

Portugal em anúncios classificados. Há stock de fascistas. Mestre espiritual para a Segurança Social. Alvíssaras e ilusionistas. Apelos pelo líder da oposição e pelo desaparecido Trib. Constitucional

Crónica

A propósito de ditaduras /premium

Alberto Gonçalves
2.292

Não há que enganar, embora o engano seja língua franca: fala-se na ditadura que aí vem para dissimular a ditadura que deveria vir. Agitar tiranos hipotéticos é estratégia típica de tiranos comprovados

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)