Crónica

Viagem ao nosso centro

Autor
  • David Palhares Lima
167

Escrevo contemplando um sol penetrante que se vai extinguindo por entre as árvores altas, preparando-se para se pôr. Está na altura de fechar o caderno, e de ir lá para fora. Mas não esqueço isto aqui

Confesso que pensei um pouco antes de escrever isto.

Sabem aquela tendência egoísta de guardar o melhor só para nós, muito presente em cada um de nós, mas mais visível nas crianças?

Pronto, foi isso que, inicialmente, me levara a não querer escrever isto. Custara-me encarar a minha natureza terrena, e partilhar com os demais coisas que tive a sorte de poder descobrir.

Mas cá estamos. Parece que neste caso outra parte de mim levara a melhor.

Aquela verdade que vos quero, agora, partilhar, é que o Parque da Cidade do Porto tem capacidades curativas.

Não, a sério, não dispersem, isto cura mesmo! Isto é tão medicinal como um brufen ou algum fármaco desses, se calhar até é mais.

Já algumas vezes vim aqui meio “ de rastos”, cansado da vida “lá fora”, e do frenesim dasociedade, e em todas essas vezes me foi possível encontrar alento para continuar, me foi possível eliminar o que estava a mais, e me recordar quem sou.

Se isto não é medicina, então não sei o que é.

Estamos a falar de um parque magnífico, com uma extensão enormíssima, são vários hectares de vivacidade, caracterizados por um tratamento especial, repleto de carinho, carinho esse que depois surte um grande efeito nas pessoas que cá vem. À parte isso, também se encontra praticamente virgem, não demonstrando grandes mazelas de uma sociedade caótica que sedesenrola “lá fora”. Sim, isto é uma espécie de cápsula espacial especial, que nos faz viajar atéao nosso centro, e depois até ao nosso passado, e a nele descobrimos quem eramos, como crescemos, e o que escolhemos esquecer, e, por fim, de volta ao futuro, que neste caso é presente, e que começara, agora, com um novo ânimo, a ser construído.

Nisto, questiono-me como é possível não existirem mais pérolas destas, e como é possível o mundo ser o caos que todos nós evidenciamos. Um desligamento total, um aprisionamento terrível.

Porque será que nestes ambientes, de natureza, de estabilidade, nos sentimos assim?Tão livres, tão nós, tão ligados…

Observemos a nossa natureza, e a natureza em si, que é como nós. Talvez esteja ai a chave para o fim do sofrimento que tanto ansiamos, e em que vivemos dia após dia.

Escrevo isto contemplando um sol penetrante que se vai extinguindo por entre as árvores altas, preparando-se para se pôr. Está na altura de fechar o caderno, e de ir lá para fora. Mas eu não me esqueço disto aqui.

Não te esqueças!

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Se eu pudesse ver a minha avó /premium

Ruth Manus
188

Atrás da tela do computador, os olhos avermelhados seguem clamando por uma trégua. O céu escureceu ainda mais. Hoje não vou vê-la. Mas fecharei os olhos por alguns minutos, sem contagem regressiva. 

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
2.011

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

Crónica

Os "influencers" ou o Portugal dos Pequeninos

António de Souza-Cardoso
414

Cristina Ferreira a Mulher mais influente do nação? Pedi, com incontida revolta, explicações. Que me foram dadas, julgo que com a paciente condescendência que se devota às pessoas achacadas pela idade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)