Crónica

Viagem ao nosso centro

Autor
  • David Palhares Lima
167

Escrevo contemplando um sol penetrante que se vai extinguindo por entre as árvores altas, preparando-se para se pôr. Está na altura de fechar o caderno, e de ir lá para fora. Mas não esqueço isto aqui

Confesso que pensei um pouco antes de escrever isto.

Sabem aquela tendência egoísta de guardar o melhor só para nós, muito presente em cada um de nós, mas mais visível nas crianças?

Pronto, foi isso que, inicialmente, me levara a não querer escrever isto. Custara-me encarar a minha natureza terrena, e partilhar com os demais coisas que tive a sorte de poder descobrir.

Mas cá estamos. Parece que neste caso outra parte de mim levara a melhor.

Aquela verdade que vos quero, agora, partilhar, é que o Parque da Cidade do Porto tem capacidades curativas.

Não, a sério, não dispersem, isto cura mesmo! Isto é tão medicinal como um brufen ou algum fármaco desses, se calhar até é mais.

Já algumas vezes vim aqui meio “ de rastos”, cansado da vida “lá fora”, e do frenesim dasociedade, e em todas essas vezes me foi possível encontrar alento para continuar, me foi possível eliminar o que estava a mais, e me recordar quem sou.

Se isto não é medicina, então não sei o que é.

Estamos a falar de um parque magnífico, com uma extensão enormíssima, são vários hectares de vivacidade, caracterizados por um tratamento especial, repleto de carinho, carinho esse que depois surte um grande efeito nas pessoas que cá vem. À parte isso, também se encontra praticamente virgem, não demonstrando grandes mazelas de uma sociedade caótica que sedesenrola “lá fora”. Sim, isto é uma espécie de cápsula espacial especial, que nos faz viajar atéao nosso centro, e depois até ao nosso passado, e a nele descobrimos quem eramos, como crescemos, e o que escolhemos esquecer, e, por fim, de volta ao futuro, que neste caso é presente, e que começara, agora, com um novo ânimo, a ser construído.

Nisto, questiono-me como é possível não existirem mais pérolas destas, e como é possível o mundo ser o caos que todos nós evidenciamos. Um desligamento total, um aprisionamento terrível.

Porque será que nestes ambientes, de natureza, de estabilidade, nos sentimos assim?Tão livres, tão nós, tão ligados…

Observemos a nossa natureza, e a natureza em si, que é como nós. Talvez esteja ai a chave para o fim do sofrimento que tanto ansiamos, e em que vivemos dia após dia.

Escrevo isto contemplando um sol penetrante que se vai extinguindo por entre as árvores altas, preparando-se para se pôr. Está na altura de fechar o caderno, e de ir lá para fora. Mas eu não me esqueço disto aqui.

Não te esqueças!

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Estes deputados andam a dormir! /premium

Tiago Dores

Da próxima vez, e se quer viajar na TAP, nada como José Eduardo dos Santos marcar consulta em Portugal: mais atrasadas que as chegadas dos voos da TAP só mesmo as consultas nos hospitais portugueses.

Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
231

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Crónica

Subsídio is coming /premium

José Diogo Quintela
392

Um gigante de olhos azuis montado num dragão zombie ainda tem laivos de verosimilhança. Agora o nível de pilhagem do erário público praticado por esta gente exige uma suspensão de descrença bem maior

Crónica

Quatro notícias obscuras /premium

Alberto Gonçalves
1.083

Aliás, podem fazer o que quiserem: esta não é apenas a geração mais informada de sempre, mas a mais ridícula. Se este é que é o tal “mundo melhor” das lengalengas, fiquem com ele.

Crónica

Agostinho da Silva /premium

André Abrantes Amaral

O homem não nasceu para trabalhar, mas para criar. Ou como um miúdo de 15 anos conversou com alguém com mais de 80 sobre temas como o não termos nascido para trabalhar ou que a vida devia ser gratuita

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)