Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Greta Thunberg, a jovem sueca que tomou a atenção do mundo na sua cruzada pelo clima, está prestes a terminar a sua travessia do Atlântico. Fê-lo no Malizia II, um iate de Pierre Casiraghi, o neto do Príncipe Rainier do Mónaco. O objectivo foi chegar à cimeira do clima da ONU, que tem lugar em Nova Iorque, sem poluir o ambiente. Greta Thunberg pretendeu mostrar que andar de avião é um dos muitos hábitos que devemos perder para salvarmos a vida na Terra.

Não vou entrar na questão das alterações climáticas, assunto para o qual não tenho nem conhecimentos nem qualificações. Não me cabe negar o que não tenho meios para negar. O que pretendo é chamar atenção para o que a mensagem de Greta Thunberg (e de outros ambientalistas) comporta na vida da grande maioria das pessoas. Greta Thunberg não quer (verbo que utiliza vezes sem conta nos seus discursos) que andemos de avião. Presumo que queira que também não utilizemos o automóvel e outros instrumentos de trabalho. E também que não comamos carne. Chegou mesmo a convencer os pais que passaram a sentir culpa porque ao comerem carne estariam a roubar-lhe o futuro.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.