Rádio Observador

Manifestações

Violência policial: um novo negócio público?

Autor
404

Fica aqui a sugestão para a PSP: que tal começar a oferecer, aquando das manifestações sindicais, estudantis, professorais e outras, o serviço de prisões simbólicas, como faz a polícia de Berkeley?

A cidade de Berkeley, na Califórnia, é regularmente notícia. Por investimentos empresariais que diminuem a taxa de desemprego? Raramente. Devido a descobertas cientificas que melhoram as condições de vida da humanidade? De quando em quando. Por ocasião de protestos estudantis que degeneram em violência? Frequentemente.

Porque será que numa cidade universitária, dedicada à cultura, à arte e à ciência há tanta violência? Devido a uma grande concentração de jovens que começam a explorar o mundo sem controlo parental? Oxford, em Inglaterra, também o é, mas raramente é notícia devido a protestos ou a violência estudantil. Porque será então?

Um artigo recente do WSJ dá uma pista. Quando um grupo quer organizar uma manifestação em Berkeley deve-o comunicar à polícia. “Para facilitar a expressão pacífica de discurso protegido constitucionalmente”, o departamento da polícia de Berkeley, no seu site na net, pede aos organizadores que façam o download de um conjunto de formulários, os preencham e os entreguem do Departamento Recreativo (e o que são manifestações senão uma forma de recreação pública?). De entre a informação pedida inclui-se o seguinte:

· Objetivo do protesto
· Data e hora do protesto
· Percurso pretendido
· Estimativa do número de participantes
· Nome dos organizadores
· …
· Pretendem-se prisões simbólicas?
· Em caso positivo, as prisões simbólicas devem ser onde e quando?

Fica aqui a sugestão para a PSP: que tal começar a oferecer, aquando das manifestações sindicais, estudantis, professorais e outras, o serviço de prisões simbólicas? A polícia de Berkeley não cobra nada por estas prisões. No entanto, em Portugal, atendendo não só à situação difícil das finanças públicas (um deficitzinho de 2% do PIB por ano ainda é muito dinheiro, que acresce à dívida pública), mas também devido à tendência nacional “para aproveitar” tudo o que é de graça, seria recomendável que este serviço cobrasse taxas moderadoras do tipo:

· Prisão à frente de fotografo: €100
· Prisão à frente de camaras televisivas: €200
· Bastonada à frente de camaras televisivas: €400
· Ataque com cão polícia à frente de fotografo: €800
· etc

Repare-se que o conceito não tem de se aplicar apenas à polícia. Faculdades de Humanidades poderiam passar a cobrar a intelectuais para organizarem boicotes simbólicos às suas conferências. Assim ficam todos a ganhar: as faculdades aumentam as suas receitas e os intelectuais ganham fama de perseguidos. As forças armadas poderiam cobrar a países estrangeiros por invasões simbólicas. Se o cliente fosse a Espanha, por exemplo, podia usar a invasão como justificação para proibir referendos na Catalunha. Se fosse a Venezuela podia culpar a falta de produtos básicos ao imperialismo português. (nota: à Venezuela conviria cobrar o serviço à cabeça).

Outras possibilidades de negócio não faltarão ao Estado. Basta um pouco de imaginação e a constituição de um grupo de trabalho no Ministério da Finanças dedicado ao assunto.

Professor de Finanças, AESE Business School

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)