Rádio Observador

Cabo Verde

Visão estratégica ou acaso?

Autor
173

Se em 1975 tivesse adiado por um pouco a independência, possivelmente Cabo Verde tê-la-ia adiado até hoje. Provavelmente seria muito mais rico. Mas de certeza que seria menos autónomo e independente.

Quando a Espanha aderiu à Comunidade Económica Europeia (CEE) em 1986, as Canárias, um arquipélago ao largo da costa africana, era uma das regiões mais pobres da Europa. Desde então, beneficiando das ajudas europeias e do acesso ao mercado único, o crescimento do rendimento dos seus habitantes tem sido acelerado, o seu desenvolvimento económico tem sido rápido e o bem-estar das suas populações tem aumentado significativamente. É, no entanto, curioso que numa Espanha fracionada por ferozes faciosismos regionais, o movimento independentista nas Canárias não tenha chamado a atenção nem pela sua virulência, nem sequer pela sua loquacidade.

Um pouco antes, em 1975, Cabo Verde, um arquipélago ao largo da costa africana a sul das Canárias, tinha-se tornado independente, não só devido a vontade própria, mas também empurrado por vontade alheia. O desejo de ser independente, livre e autónomo é louvável, não só nos indivíduos, mas também nos povos, e por isso o fato de o povo de Cabo Verde ter agarrado a oportunidade quando ela lhe surgiu é meritório. Desde então, não obstante a pobreza dos seus recursos naturais e de vários entraves estruturais ao crescimento, Cabo Verde tem feito um notável percurso de desenvolvimento económico e humano, e também de melhoria na qualidade de vida dos seus habitantes, através da liberalização e abertura da sua economia. É verdade que o seu rendimento per capita é ainda uma fração do das Canárias, mas é um país democrático, livre e em paz, e já deixou de ser um dos países mais pobres do mundo, como o era há quarenta anos.

Imaginemos, no entanto, que por algum motivo Cabo Verde tinha decidido adiar a sua independência por uns anos. Que lhe teria acontecido? Certamente que em 1976 se teria tornado numa Região Autónoma tal como os Açores e a Madeira. Depois, quando Portugal iniciou o seu processo de ascensão à CEE em 1977, decerto que teria sido também incluído, juntamente com os Açores e Madeira, no dossier de adesão. À medida que as diversas ajudas comunitárias de apoio ao desenvolvimento regional e humano tivessem sido disponibilizadas, e com a consciencialização de que ainda mais viriam no futuro próximo, o desejo de adiar o início do processo de independência, pelo menos entre aqueles que as recebiam e administravam, ter-se-ia intensificado. Com a adesão à CEE em 1986 e o aumento dos apoios comunitários, a vontade de adiar o projeto de independência nacional ter-se-ia alargado a uma faixa populacional mais ampla. É razoável assumir que dentro da União Europeia (UE) o crescimento económico cabo-verdiano teria ainda sido mais espetacular do que foi, mesmo que não resultasse no nível de rendimento que as Canárias têm hoje. E depois viriam ainda o Euro e Schengen. E uma vez dentro do Euro e de Schengen quem seria o cabo-verdiano que quereria a independência, deixar a UE e aderir à OUA? É provável, no entanto, que Região Autónoma estivesse a lidar hoje com uma crise de refugiados e a sofrer das decorrentes tensões sociais e falta de segurança. Não há UE sem senão.

Se em 1975 tivesse adiado por um pouco a independência, possivelmente Cabo Verde tê-la-ia adiado até hoje. Provavelmente seria bastante mais rico. Mas de certeza que seria menos autónomo e independente. Mas, ter aproveitado a janela de oportunidade em 1975, terá sido visão estratégica ou acaso?

José Miguel Pinto dos Santos é Professor da AESE Business School e José Ramón Pin é Professor da IESE Business School

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)