Rádio Observador

Redes Sociais

Você pode (e deve) não ter opinião formada sobre tudo /premium

Autor
2.370

Direito de falar você tem. Mas cabeças pensantes, antes, se perguntam se devem falar. E também é relevante lembrar que as pessoas são responsáveis por cada linha que escrevem e cada opinião que emitem

Como diria Raul Seixas “eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. Pois é. Quando vejo debates inflamados nas redes sociais e, nas raras ocasiões em que me aventuro por comentários em portais de informações, percebo, cada vez mais assombrada, que a imensa maioria das pessoas perdeu completamente a noção de que há assuntos nos quais não sabemos opinar e que há, acima de tudo, assuntos sobre os quais não temos condições opinar.

As pessoas passaram a ter voz através da internet e das redes sociais — o que é uma coisa boa. O que as pessoas deixaram de compreender é que a nossa voz deve passar, antes, pelo crivo do nosso cérebro. Cérebro este, que deve classificar os assuntos em dois tipos: aqueles que compreendo, sobre os quais, li, pesquisei e tenho condições de opinar com alguma propriedade e aqueles sobres os quais compreendo pouco, muito pouco ou quase nada e não tenho, evidentemente, a mínima condição de opinar.

É um raciocínio bem simples. Dou alguns exemplos. Astronomia: não tenho condições de opinar. Feminismo: tenho condições de opinar. Veterinária: não tenho condições de opinar. Economia da Inglaterra: não tenho condições de opinar. Direito do Trabalho: tenho condições de opinar. Produtos para cabelos loiros: tenho condições de opinar. Rúgbi: não tenho condições de opinar. Futebol brasileiro: tenho condições de opinar. Filosofia: não tenho condições de opinar. Meros exemplos, além de uma infinidade de outros temas que não domino, frente a uma gama bastante diminuta sobre os quais tenho alguma segurança.

O mero fato de ler um ou dois artigos sobre o tema não nos dá bagagem suficiente para construir uma opinião sólida. Ouvir a opinião de um único especialista no assunto na televisão, também não. Estamos vivendo uma era na qual o estudo — seja ele acadêmico ou não — passa a ser menosprezado por aqueles que se julgam donos de uma falsa verdade. Era na qual uma mera informação pontual é confundida com a noção de conhecimento, sobretudo na área das ciências humanas, nas quais há grandes especialistas e estudiosos que se veem confrontados por pessoas que não fazem a mais pálida ideia do que estão dizendo.

É humanamente impossível entender todos os assuntos com os quais nos deparamos. É impossível e desnecessário. Canalizemos nossas energias naquilo que realmente nos interessa. Pesquisar. Ler. Refletir. Perguntar. Admitamos nossa incapacidade de falar sobre tudo. Como diz minha avó “Deus nos deu dois ouvidos e somente uma boca para ouvirmos mais e falarmos menos”. Não é tão complicado assim.

Direito de falar você tem. Mas cabeças pensantes, antes, se perguntam se devem falar. E também é relevante lembrar que as pessoas são responsáveis por cada linha que escrevem, por cada opinião que emitem. São responsáveis não apenas moralmente, mas administrativamente e juridicamente. Na esfera civil e na esfera criminal. Vale a pena se perguntar se é o caso de falar ou de permanecer em silêncio. Não há problema nenhum em não ter opinião formada de vez em quando. Mas há um grande problema em sair por aí falando bobagem. Como se diz por aí “nem tudo o que se pensa deve ser dito, mas tudo que se diz deve ser pensado”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Salvar o ambiente, mas saber tratar a avó /premium

Ruth Manus
1.851

Teletransportados daquele “inútil” ambiente familiar para seus ricos núcleos (ou bolhas) de debates, terminam por ser um corpo presente na mesa e uma ausência gritante naquele raro momento de partilha

Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
4.286

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça
158

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Redes Sociais

Uma bandeira que vale mais do que a fama

P. José Maria Brito, SJ
149

O que terá o fundador da Companhia de Jesus a ver com o Team Strada? Poderá ele dizer-nos alguma coisa sobre a educação dos afetos? Leitura dum tema da atualidade partindo da espiritualidade inaciana

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)