Défice. Centeno critica discurso do "não pagamos"

Mário Centeno diz que défice não estaria nestes níveis se o país tivesse seguido o caminho das "experiências radicais" com austeridade ou se tivesse "embarcado na narrativa" do "não pagamos".

Por Edgar Caetano