Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Qual é o resultado da mistura entre uma fotógrafa reconhecida mundialmente, uma câmara fotográfica vintage e algumas dezenas de estrelas de Hollywood? Uma série de retratos que colocam no século XIX os rostos de ídolos contemporâneos. A experiência foi apresentada durante o 2015 Sundance Film Festival, um evento que celebra trinta anos e que se mostra “contadores de histórias mais originais” em diversas áreas artísticas.

O trabalho de Victoria Will, reconhecida internacionalmente, é marcado pela união entre o sentido de humor e a qualidade técnica. As fotografias de Will são apreciadas por todo o mundo e publicadas em agências, jornais e revistas, como o New York Times, Vogue ou Associated Press. Pode consultar a carreira da artista no site ou no Instagram.

Para esta sessão fotográfica, Victoria Will decidiu adotar o método de ferrótipo. Usa-se uma câmara vintage, sem recurso aos negativos, utilizando depois uma placa de ferro envernizada para a emulsão fotográfica. Durante o processo que usa a prata coloidal, os sais de prata dispersam-se numa gelatina. Essa matéria é exposta à luz e os sais de prata transformam-se em prata metálica, que revela a imagem.

Trata-se de uma técnica que era bastante utilizada durante o século XIX, porque era rápida para a época (demorava menos de oito minutos) e mais barata. De modo a evitar que os artistas de Hollywood ficassem até quinze minutos parados para tirar a fotografia – como era obrigatório há dois séculos – Will viu-se obrigada a utilizar grandes quantidades de energia luminosa para acelerar o processo, que durou menos de um segundo.

Foram 175 fotografias de artistas conseguidas em parceria com a Penumbra Foundation, uma organização de fotografia artística não lucrativa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR