O microfone sofreu, mas não esguichou sangue. Quentin Tarantino, o famoso realizador que não resiste assim tantas vezes a misturar humor com cenas sangrentas, já tem a sua estrela no Passeio da Fama de Hollywood. Vestido de ganga de cima a baixo, sorriu muito, agradeceu e até cantou os parabéns a Samuel L. Jackson, uma das estrelas do “Pulp Fiction”, um filme que teima em não sair da memória dos amantes do cinema.

Quentin Jerome Tarantino, com estrela ou sem ela, já havia ganho o estatuto de imortal em Hollywood, por filmes como “Reservoir Dogs” (1992), “Kill Bill” (em dose dupla: 2003, 2004), “Inglourious Bastards” (2009) e “Django Unchained” (2012). Este último e “Pulp Fiction” abriram-lhe a porta dos Óscares.

A mais recente obra de Tarantino, de 52 anos, é “The Hateful Eight”, naquele que é um regresso ao western. Tem 182 minutos e promete plasma, glóbulos branco e vermelhos por todo o lado. Perdão? Sangue, senhores, sangue. O mais recente trabalho de Tarantino conta com Samuel L. Jackson, Michael Madsen, Bruce Dern, Jennifer Jason Leigh, Tim Roth e Kurt Russell. O filme contará com duas versões: a mais longa com 3h02, enquanto a mais curta tem 2h56.

Quentin Tarantino nasceu a 27 de março de 1963, em Knoxville, Tennesse, nos Estados Unidos. O IMBD conta que é filho de Tony Tarantino, um ator e músico italo-americano de Nova Iorque, enquanto a mãe foi enfermeira. Aos quatro anos mudou-se com a mãe para Torrance, na Califórnia.

Alguns trailers que ajudam a contar a história de Quentin Tarantino

https://www.youtube.com/watch?v=gnRbXn4-Yis