476kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O "pai" de Star Wars não gosta do caminho que o "filho" escolheu

Este artigo tem mais de 5 anos

Vendeu as "crianças" que ajudou a criar a "traficantes de escravos brancos". Palavras duras de George Lucas, que critica o clima "retro" que deram ao novo filme de Star Wars.

Os novos donos de Star Wars escolheram o lado negro da força, diz George Lucas
i

Os novos donos de Star Wars escolheram o lado negro da força, diz George Lucas

Getty Images

Os novos donos de Star Wars escolheram o lado negro da força, diz George Lucas

Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

George Lucas, criador do universo Star Wars, vendeu os direitos da franquia à Disney, que logo tratou de dar um novo fôlego à saga. Quatro mil milhões de dólares depois, o valor do cheque passado em nome do cineasta norte-americano, o “pai” de Luke Skywalker e companhia está insatisfeito com o caminho escolhido. “Trabalhei muito duro em cada filme para os tornar diferentes. Planetas diferentes, naves espaciais diferentes, para transformá-los em novos. Quiseram fazer um filme retro. Não gosto disso”.

Não é primeira vez que esta crítica é apontada ao novo capítulo da saga Star Wars. Apesar de ter sido largamente aclamado pelos mais exigentes críticos cinematográficos, houve quem não deixasse de reparar que a nova aventura dirigida por J.J. Abrams trazia ecos de uma receita já tentada. Em entrevista ao jornalista Charlie Rose, é a vez de George Lucas tocar na ferida. “Eles [os novos donos da franquia] olharam para as histórias e disseram: ‘Queremos fazer algo para os fãs'”. E fizeram: o filme já encaixou 1.23 mil milhões de dólares em receitas de bilheteira.

Nessa mesma entrevista, George Lucas refere-se aos filmes que desenhou como “crianças” que “amou” e que ajudou a “criar”, para depois as vender a “traficantes de escravos brancos“. Palavras duras do norte-americano, que preferiu não continuar o raciocínio. Silêncio e, depois, uma gargalhada.

O realizador acabou por se afastar do projeto – um divórcio amigável, tanto quanto possível. “Se chegasse lá, iria causar apenas problemas, porque eles não iam fazer o que queria que fizessem. Então, resolvi: ‘OK, vou seguir o meu caminho, e deixar que os outros sigam o deles”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.