Não era o filme com mais nomeações, mas seguia logo atrás do grande favorito. “Três Cartazes à Beira da Estrada”, realizado por Martin McDonagh, arrecadou um total de cinco prémios em nove nomeações na gala da Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão, que aconteceu na noite de domingo no Royal Albert Hall, em Londres. Além de “Melhor Filme” e “Melhor Filme Britânico”, venceu ainda nas seguintes categorias: “Melhor Atriz” (Frances McDormand), “Melhor Ator Secundário” (Sam Rockwell) e “Melhor Guião Original”. 

Não foi por acaso que o primeiro BAFTA da noite (“Melhor Filme Britânico”), entregue pela atriz Jennifer Lawrence, foi atribuído a “Três Cartazes à Beira da Estrada”, numa noite dominada pela história protagonizada pela personagem de Mildred, uma mulher à antiga que aluga três cartazes na estrada para expressar desagrado face à ineficácia da polícia em encontrar o homem que violou, matou e incinerou a filha adolescente.

A gala que foi pela primeira vez apresentada pela atriz britânica Joanna Lumley foi também ela dominada pelo movimento “Time’s Up”, que viajou do negro da passadeira vermelha (à imagem e semelhança do que aconteceu nos Globos de Ouro) para as lapelas dos casacos masculinos de quem subiu ao palco. “Do que estou mais orgulhoso, sobretudo num ano de ‘Time’s Up’, é que este é um filme sobre uma mulher que se recusou a aturar mais merda”, disse Martin McDonagh quando recebeu o galardão. De referir que a premiada Frances McDormand compareceu na cerimónia num vestido marcado por cores berrantes, muito ao contrário do que o dress code da noite ditava.

Vestidos negros, transparências e ativistas no chão: houve de tudo na red carpet dos BAFTA

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na corrida da frente à 71º edição dos BAFTA estava “A Forma da Água”, nomeada em 12 categorias e que no final de janeiro ganhou o prémio de melhor filme dos produtores de Hollywood. O drama fantasioso valeu a Guillermo Del Toro o galardão de “Melhor Realizador”, mas ficou aquém do que as nomeações sugeriam: ao todo, a história que poderá ganhar um total de 13 Óscares, e à qual o crítico do Observador Eurico de Barros deu apenas uma estrela, levou para casa três galardões (“Melhor Música Banda Sonora Original” e “Melhor Direção Artística”).

https://www.youtube.com/watch?v=a4wqaUtg7VE

“A Hora Mais Negra”, também um dos favoritos da noite com nove nomeações no bolso, venceu na categoria de “Melhor Ator”, com Gary Oldman, que no filme interpreta Winston Churchill, a receber, sem surpresas, o muito cobiçado galardão. Em palco, Oldman, que nunca ganhara um BAFTA, ainda que nomeado em duas ocasiões anteriores, disse que esta era uma “tremenda honra”. Já Allison Janney sagrou-se vencedora na categoria de “Melhor Atriz Secundária”, dada a sua participação em “Eu, Tonya”.

Os filmes “Blade Runner 2049” e “Dunkirk”, que tinham oito nomeações cada, não foram esquecidos, mas quase. O primeiro conseguiu as estatuetas de “Melhor Fotografia” e “Melhores Efeitos Especiais”, enquanto o segundo venceu “Melhor Som”. “Chama-me pelo teu nome” ficou-se pela categoria de “Melhor Argumento adaptado”.

A lista completa de prémios pode ser consultada na fotogaleria acima.