Arquitetura

Carrilho da Graça vence prémio italiano de arquitetura Leon Battista Alberti

1.969

O arquiteto português João Luís Carrilho da Graça é o vencedor da primeira edição do prémio italiano de arquitetura Leon Battista Alberti, numa escolha feita por unanimidade, anunciou a organização.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O arquiteto português João Luís Carrilho da Graça é o vencedor da primeira edição do prémio italiano de arquitetura Leon Battista Alberti, numa escolha feita por unanimidade, anunciou este sábado a organização.

Instituído pela Fundação Leon — Centro de Estudos Battista Alberti e pelo Município de Mântua, em colaboração com o Polo de Mântua da Faculdade de Arquitetura, Urbanismo, Engenharia e Construção do Politécnico de Milão, o prémio, com o nome do arquiteto humanista italiano do século XV, destina-se a distinguir, todos os anos, “um arquiteto de renome internacional, cujo trabalho testemunhe o papel da arquitetura contemporânea na promoção do património histórico”, lê-se na página do prémio na Internet.

“Na primeira edição do prémio, o júri, composto por representantes da Escola de Arquitetura do Politécnico de Milão, da Fundação Alberti e da cidade de Mântua, indicou por unanimidade, como vencedor, o mestre português João Luís Carrilho da Graça, pelo mérito de estabelecer um diálogo de alto valor entre o antigo e o novo”, na arquitetura.

A Fundação Leon destaca o facto de Carrilho da Graça ter dado aulas, no âmbito do programa da Cátedra UNESCO, lançado em 2011, no ‘campus’ de Mântua do Politécnico de Milão.

Nascido em Portalegre há 65 anos, Carrilho da Graça, Prémio Pessoa em 2008, é autor, entre outros projetos, do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, do Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva, da Escola Superior de Comunicação Social, do Museu do Oriente, da musealização arqueológica da Praça Nova do Castelo de São Jorge e da Escola de Música da Escola Politécnica, na capital portuguesa.

Licenciado na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, em 1977, ano em que iniciou a atividade profissional, Carrilho da Graça foi professor da Faculdade de Arquitetura da então Universidade Técnica de Lisboa, de 1977 a 1992, catedrático da Universidade Autónoma, de 2001 a 2010, e da Universidade de Évora, desde 2005, onde dirigiu o Departamento de Arquitetura.

Foi por várias vezes nomeado para o prémio europeu de arquitetura Mies van der Rohe (1990, 1992, 1994, 1996, 2009, 2011, 2013), distinguido com o Prémio Valmor pelo Pavilhão do Conhecimento dos Mares (1998) e pela Escola Superior de Música de Lisboa (2008).

Ao conjunto da sua obra foram atribuídos os prémios como o da Associação Internacional dos Críticos de Arte (AICA), em 1992, a Ordem de Mérito da República Portuguesa (1999), o título de Cavaleiro das Artes e das Letras da República Francesa (2010) e a Medalha da Academia de Arquitetura de França (2012).

Carrilho da Graça será homenageado no encontro de arquitetura, paralelo à Feira do Livro de Guadalajara, no México, que se realiza de 24 de novembro a 02 de dezembro, com Portugal como país convidado.

Está também entre os candidatos à nomeação para o prémio europeu Mies van der Rohe 2019, pelo Terminal de Cruzeiros de Lisboa.

O Prémio Leon Battista Alberti será entregue a Carrilho da Graça na próxima quarta-feira, 14 de novembro, no Teatro Bibiena de Mântua, onde o arquiteto português irá proferir uma “aula magistral” (‘lectio magistralis’), apresentada pela reitora da Escola de Arquitetura do Politécnico de Milão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro
445

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)