Albânia

Jonida Maliqi

A cantora de 35 anos começou a carreira aos 13 no Festival da Canção da Albânia — que só desde 2003 é que apura um concorrente para a Eurovisão. Jonida Maliqi chegou mesmo a ser a apresentadora, em 2010. Antes de conquistar a vitória, na edição deste ano, Maliqi tinha obtido um 3º lugar, em 2004.

A par da participações no festival, Jonida Maliqi interpretou Julieta numa versão albanesa do musical “Romeu e Julieta”, tendo ainda sido jurada no “The Voice” da Albânia e apresentadora do Dança com as Estrelas.

Arménia

Srbuk

A cantora de 24 anos é tida como um dos talentos da nova geração do país. Deu-se a conhecer em vários concursos musicais, onde se destacou no X Factor local, com um 2.º lugar, e no “The Voice” da Ucrânia, onde obteve o 4.º posto.

A participação de Srbuk foi anunciada ainda sem se saber qual a canção que leva a concurso. As inscrições de temas fecharam no dia 10 de janeiro, será entretanto escolhido o tema que Srbuk vai interpretar.

Austrália

Kate Miller-Heidke

A representante da Austrália é um nome consagrado. Com 37 anos, Miller-Heidke vai participar com a música “Zero Gravity”. A cantora australiana tem fortes inspirações na música clássica que mistura com a música pop.

Nomeada e vencedora de vários prémios na Austrália, Kate Miller-Heidke lançou já quatro álbuns. Com dois deles, Curiouser e Vertigo, conseguiu atingir o top10 de vendas no seu país natal. Em 2017 lançou um álbum ao vivo com a Orquestra Sinfónica de Sidney.

Esta é a quinta participação da Austrália no Festival da Eurovisão.

Áustria

Paenda

Gabriela Horn é mais conhecida como Paenda e vai ser a representante da Áustria na Eurovisão, com a canção “Limits”. Com 31 anos, Paenda começou no coro da sua cidade natal, com seis anos. Mais tarde foi para Viena para estudar jazz e pop.

O ano passado lançou o primeiro álbum, “Evolution I”, escrito, composto e produzido integralmente por si, num estúdio caseiro que foi montando ao longo dos anos. Este ano foi escolhida pela televisão austríaca para representar o país na Eurovisão.

O tema com o qual vai participar ainda não foi apresentado.

Bélgica

Eliot

Eliot é um dos finalistas mais jovens deste ano. Com apenas 18 anos, ficou conhecido pela audição no “The Voice” da Bélgica. Despertou a atenção da televisão nacional belga, a RTBF, e a música com que vai participar, “Wake up”, foi composta por Pierre Dumoulin, autor de “City Lights”, que em 2017 atingiu o 4.º lugar na final da Eurovisão.

Croácia

Roko

Roko é um dos participantes mais jovens desta final. Com 18 anos, o cantor croata nasceu em Split, a segunda maior cidade da Croácia. Filho de pais cantores, Roko começou a carreira aos 12 anos, num grupo local.

É apelidado de Michael Bublé da Croácia e fez “escola” em concursos televisivos, tendo ganho um na RTV Pink e o Dora, o concurso que escolhe o representante da Croácia para a Eurovisão. O seu mentor é o cantor croata Jacques Houdek.

Chipre

Tamta

Nascida e criada na Geórgia, Tamta mudou-se para a Grécia aos 21 anos, tendo alcançado o 2.º lugar no Ídolos local. É uma das artistas mais conhecidas da Grécia e chegou à final do Festival da Canção grego em 2007.

Esteve já para participar pelo Chipre por duas vezes, mas só este ano conseguiu conciliar a agenda com a participação na Eurovisão, com a canção “Replay”.

Aos 38 anos, tem quatro álbuns de estúdio no currículo e os seus singles atingiram quase sempre o top das rádios gregas. Foi jurada do X Factor na Geórgia e na Grécia, entre 2014 e 2018.

República Checa

Lake Malawi

Lake Malawi pode ser o terceiro maior lago de África (abrangendo Moçambique e a Tanzânia) mas neste caso é uma banda de indie-pop que vai representar a República Checa na Eurovisão, com “Friend of a Friend”.

A banda, cujo nome se inspirou numa música de Bon Iver, formou-se em 2013 e é composta por Albert Cerny (voz e guitarra), Jeronum Subrt (baixo e teclas), Antonín Hrabal e Pavel Palát (percussão).

Os Lake Malawi já tocaram nos maiores festivais checos e também no Reino Unido, onde em 2014 apresentaram um single na BBC. Em Praga, tocaram já na primeira parte dos The Kooks, Mika e dos Thirty Seconds to Mars.

Dinamarca

Leonora

Leonora tem apenas 20 anos e destacou-se na… patinagem no gelo. Foi campeã de juniores na Dinamarca e participou nos campeonatos nórdicos e no Campeonato do Mundo de juniores. A patinagem ficou para segundo plano e a música parece estar a resultar.

“Love is Forever” é a canção com a qual ganhou um lugar na Eurovisão em representação da Dinamarca. É cantada em quatro línguas: inglês, dinamarquês, alemão e francês.

Estónia

Victor Crone

Victor Crone — ou Vic Heart — é um cantor sueco que vai representar a Estónia na Eurovisão. Aos 18 anos mudou-se para Los Angeles, nos Estados Unidos da América, para compor com nomes como Diane Warren (compositora nomeado este ano para os Óscares) e Desmond Child (produtor de músicas como “Living on a Prayer” e “Livin’la Vida Loca”).

Nos Estados Unidos lançou a música “Jimmy Dean” sob o nome de Vic Heart. Este ano, com 27 anos, venceu o Festival da Canção da Estónia, com a música “Storm”, assegurando a presença em Tel Aviv. A música com que vai participar entrou já para o top10 da tabela das mais ouvidas da Estónia.

Macedónia

Tamara Todevska

Há quem não acredite no destino, mas certas coisas parecem mesmo estar definidas à nascença. Tamara Todevska é filha de uma cantora da Ópera da Macedónia e de um professor da Academia de Música de Skopje e a sua irmã representou o país no festival da Eurovisão de 2014. Aos 33 anos, chegou a sua vez.

Tamara já representou a Macedónia na Eurovisão em três ocasiões: duas como back-vocal, outra integrada num trio. Mas este ano decidiu fazê-lo a solo e foi escolhida como a representante do seu país.

A par da carreira “eurovisiva”, Tama tem dois álbuns de estúdio em nome próprio. A canção “Proud”, que vai concorrer à Eurovisão, ainda não foi apresentada.

Finlândia

Darude

Ville Virtanen, conhecido no meio artístico por Darude, é um dos mais conhecidos artistas de música eletrónica da Finlândia. O seu single “Sandstorm”, lançado em 1999, tem mais de 143 milhões de visualizações no YouTube.

Darude, de 43 anos, atuou já nos maiores palcos de música eletrónica do mundo e tem quatro álbuns de estúdio. O DJ finlandês vai participar na Eurovisão com o cantor Sebastian Rejman, a música com a qual o país vai participar vai ser escolhida de um lote de três, num concurso transmitido pela televisão finlandesa.

França

Bilal Hassani

Bilal Hassani começou a mostrar os dotes musicais em vídeos que ia publicando no YouTube, até que em 2015 participou no “The Voice Kids”, com 15 anos.

Na “audição-cega” do programa interpretou a música de Conchita Wurst, “Rise Like a Phoenix”, que venceu a Eurovisão em 2014 e escolheu como mentor Patrick Fiori, quarto classificado na Eurovisão em 1993.

Hassani nasceu em Paris há 19 anos, mas é oriunda de uma família muçulmana e é também uma ativista das causas LGBT. Como membro do grupo “big-five” (França, Reino Unido, Alemanha, Espanha, Itália, países apurados diretamente, todos dos anos)  a canção de Hassani tem entrada automática na grande final.

Alemanha

S!sters

As S!sters são Carlotta Truman e Laurita Spinelli. Truman é uma multi-galardoada cantora alemã. Tem apenas 19 anos e foi finalista do “The Voice Kids” em 2014 e venceu em 2011 o prémio de Melhor Cantora da Alemanha, sendo a mais jovem de sempre a conquistar este galardão.

Já Laurita Spinelli, de 26 anos, integrou a banda do “The Voice” alemão, sendo back-vocal da cantora Lena. Com apenas 10 anos tinha vencido o Kiddy Contest da televisão alemã ZDF.

A Alemanha é também um membro dos “big-five”, pelo que a canção “Sister” tem entrada direta na grande final.

Grécia

Katerina Duska

A representante da Grécia nasceu em Montreal, no Canadá mas mudou-se para a capital grega, Atenas. Em 2016 lançou o primeiro álbum, Embodiment, e em 2018 viu uma música ser escolhida para um anúncio televisivo no Canadá.

Tem no currículo colaborações com artistas como Tom Baxter, Oddisee e Albin Lee Meldau, tendo atuado já em vários festivais do norte da Europa. Duska vai participar com a canção “Better Love”, que ainda não foi apresentada publicamente.

Hungria

Joci Pápai

Pápai já não é um estreante no mundo da Eurovisão. Em 2017 conquistou o Festival da Canção na Hungria e em Kiev, na Eurovisão, alcançou o 8º lugar na grande final. Este ano voltou a participar com um tema inspirado na sua relação com o pai.

Joci Pápai tem 37 anos e movimenta-se sobretudo no hip hop, na soul e no R&B. Já inscreveu vários singles nas listas de canções mais ouvidas da Hungria.

Islândia

Hatari

Os Hatari são uma banda de “BDSM” composta por três amigos de uma escola de artes: Klemens Hannigan, Matthías Tryggvi Haraldson e Einar Stefansson.

A banda é recente — nasceu em 2017 — e foram eleitos como a melhor banda a atuar ao vivo pelo Iceland Airwaves, um festival islandês.

Israel

Kobi Marimi

Marimi tem 27 anos e conquistou o Rising Star israelita e com isso um lugar enquanto representante do país na Eurovisão. Estudou representação e participou já em várias séries e musicais, tendo ganho em 2017 o prémio de ator mais promissor de musicais do país.

Kobi Marimi vai “jogar em casa”, tendo em conta que este ano a Eurovisão decorre em Tel Aviv, tendo assim a árdua tarefa de suceder a Netta Barzilai. Por decorrer em Israel, a música “Home” tem acesso direto à final. A canção não é ainda conhecida publicamente.

Itália

Mahmood

Alessandro Mahmood é conhecido no meio artístico apenas como Mahmood. Filho de pai egípcio e de mãe italiana, Mahmood escreveu já músicas para Marco Mengoni, que representou Itália na Eurovisão em 2013.

Depois de ter participado no X Factor com 26 anos, venceu o Sanremo Music Festival, que lhe deu o bilhete de ida para Tel Aviv onde vai representar Itália na Eurovisão. A Itália tem também acesso direto à final.

Letónia

Carousel

Sabine Zuga e Maris Vasilievsky constituem a banda de indie-pop Carousel, que vai representar a Letónia na Eurovisão com a música “That Night”.

Os Carousel tocavam versões de outras bandas e estão agora a começar a criar os primeiros originais e a gravar o primeiro álbum. A estreia não podia ser melhor, ao garantirem a presença no festival da Eurovisão.

Lituânia

Jurijus

Jurijus Veklenko, 29 anos, é um habituée na Eurovisão. Em 2013 foi back-vocal do representante da Lituânia e em 2015 juntou-se a Vaidu Baumila e Monika Linkyte no palco para participar novamente.

Este ano, a solo, Jurijus vai par a terceira participação, com a música “Run With The Lions”, que fala sobre o sentimento de liberdade. Jurijus tem, a par da carreira musical, várias participações em programas de televisão lituanos.

Malta

Michela Pace

Apenas com 17 anos, Michela Pace vai ser a representante de Malta na Eurovisão. Estudante num colégio ligado à igreja católica, Michela participou no X Factor de Malta, que venceu.

Como prémio pela vitória, vai representar o país na Eurovisão e teve ainda direito a assinar um contrato com a Sony Music de Itália.

Moldávia

Anna Odobescu

A representante da Moldávia nasceu na cidade de Dubasari e estudou na Academia de Música, Teatro e Artes Cénicas em Chisinau, a capital da Moldávia.

Odobescu diz que é na música que encontra “paz e silêncio interior”.

Montenegro

D-Moll

O D-Moll são um grupo montenegrino constituído por seis elementos: Tamara Vujačić, Mirela Ljumić, Željko Vukčević, Ivana Obradović, Emel Franca e Rizo Feratovic.

O grupo é bastante recente e esta vai ser a primeira grande aparição pública dos D-Moll, com a canção “Heaven”.

Noruega

KEiiNO

Os KEEiNO são um grupo norueguês composto por Fred Buljo, Alexandra Rotan e Tom Hugo, que foi criado no final de 2018 para participar no Melodi Grand Prix, o concurso que escolhe o representante da Noruega no festival da Eurovisão.

O grupo participou com a canção “Spirit in the Sky”, uma música sobre os problemas históricos relacionados com a igualdade sexual. A vitória no concurso nacional deu-lhes o bilhete de ida para Tel Aviv.

Polónia

Tulia

As Tulia são uma banda folk com quatro mulheres: Joanna Sinkiewicz, Dominika Siepka, Patrycja Nowicka, Tulia Biczak. Conhecidos pela forma como misturam a música tradicional com uma produção contemporânea, as Tulia são os representantes da Polónia na Eurovisão.

O nome da banda foi inspirado no nome de uma das cantoras, Tulia Biczak. A banda deu-se a conhecer com uma cover da música “Enjoy the Silence” dos Depeche Mode, em 2017. Em 2018 lançaram o primeiro álbum, com originais e versões. O disco atingiu a platina, ao vender mais de 30 mil cópias.

Roménia

Ester Peony

Ester Peony mostrou-se ao mundo através de vídeos que publicava a cantar covers, o que a levou a assinar contrato com uma editora romena, em 2014. Em 2015 lançou o primeiro single original, que esteve no top das playlists das rádios da Roménia.

Peony nasceu na Roménia, e tem atualmente 25 anos, mas cresceu no Canadá, regressando mais tarde ao país natal. Depois de lançar o primeiro single, esteve em digressão com Anastasia e está a preparar o lançamento do primeiro álbum que deverá sair ainda durante o ano de 2019.

“On a Sunday” é a música com a qual vai representar a Roménia no festival da Eurovisão.

Rússia

Sergey Lazarev

Sergey Lazarev, de 35 anos, já conquistou um lugar no pódio da Eurovisão em 2016, em Estocolmo. Este ano regressa para tentar a vitória. Com 35 anos, Lazarev é também dançarino e ator, embora seja na música que dá os passos mais firmes.

Com o amigo Vlad Topalov criou em 2000 os Smash!!, uma banda pop que fez muito sucesso entre os jovens russos e que conquistou vários MTV Music Awards. Depois da separação, Sergey Lazarev seguiu uma carreira a solo.

Antes de ter sido o escolhido para representar a Rússia, em 2016, Lazarev tinha já concorrido ao Festival da Canção da Rússia em 2008, onde alcançou o 4º lugar. A música ainda não foi apresentada.

San Marino

Serhat

Para comemorar os dez anos de presenças em festivais da Eurovisão, San Marino convidou o músico Serhat, que participou anteriormente na edição de 2016. Serhat, de 54 anos, nasceu na Turquia mas vai para a segunda participação pelo pequeno estado europeu.

Serhat é um conhecido cantor e apresentador de televisão, tem uma empresa de produção de conteúdos televisivos e evento e promove concursos musicais.

Em 2016, Serhat não foi além de um 12º lugar na meia-final, mas lançou uma versão disco da música “I Didn’t Know” que atingiu o top50 da tabela de dance music dos Estados Unidos da América.

Eslovénia

Zala Kralh & Gasper Santl

Zala Kralj e Gasper Santl são um duo formado em 2018 de música minimal e indie-pop. Zala dá a voz e trata do sampler, enquanto Gasper trata da guitarra e da produção. Os dois vão representar a Eslovénia na Eurovisão.

Gravaram a primeira música original, “Valovi”, em 2017 depois de terem sido apresentados por um amigo em comum. Antes de se juntarem, Zala gravava covers enquanto Gasper já se dedicava à guitarra e à produção musical.

Espanha

Miki

Espanha é um dos países com acesso direto à final, mas os últimos anos não têm sido fáceis (último em 2017 e 23º em 2018). Miki é o responsável por tentar inverter o rumo com a música “La Venda”.

A escolha de Miki decorreu na Gala da Eurovisão da Operação Triunfo que o jovem de 23 anos conquistou. Cantor e compositor oriundo de Barcelona, tocou vários anos numa banda de covers na região da Catalunha.

Adriá Salas, cantor da banda catalã La Pegatina, é o compositor da música com que a Espanha vai participar este ano.

Holanda

Duncan Laurence

Duncan Laurence formou-se recentemente na Rock Academy em Tilburg, na Holanda, com 24 anos. Participou na quinta edição do “The Voice” da Holanda. A Eurovisão vai ser o primeiro grande desafio da carreira, a representar um país que venceu já por quatro vezes, embora não o faça desde 1975.

Reino Unido

Michael Rice

Michael Rice, de 21 anos, venceu o concurso televisivo All Together Now, transmitido pela BBC, em 2018, tendo ainda participado no X Factor, quatro anos antes. Com o prémio que conquistou no concurso da BBC investiu no negócio de crepes e waffles da mãe.

Em janeiro deste ano foi um dos seis artistas que participou no concurso de escolha do representante do Reino Unido para a Eurovisão, que ganhou com a música “Bigger Than Us”.

Michael Rice é ainda um ativista anti-, tendo gravado um single de apoio a este movimento. A par dessa iniciativa, visita regularmente escolas no Reino Unido para falar sobre esta temática.

Azarbeijão

Chingiz

Chingiz nasceu em Moscovo, Rússia, mas mudou-se para Qazax, Azarbeijão, quando era pequeno. O cantor ficou conhecido depois de ganhar o “Ídolos”, tornando-se numa estrela no Azarbeijão. Depois de 2013, começou a representar o país no estrangeiro. Na Eurovisão, vai apresentar o tema “Truth”.

Bielorrússia

Zena

Com apenas 17 anos, Zena é uma das concorrentes mais novas da edição deste ano da Eurovisão. A cantora nasceu a 17 de setembro de 2002, em Minsk, e começou a atuar quando era pequena. Participou duas vezes na edição júnior do concurso europeu de música, ficando em terceiro lugar em 2016. O seu reportório incluiu atualmente mais de 20 canções e dez videoclips.

Irlanda

Sarah McTernan

Sarah McTernan, nascida a 11 de março de 1994, ficou conhecida na Irlanda depois de ter participado na quarta temporada do programa “The Voice of Ireland”, em abril de 2015. Depois de ter representado San Marino no ano passado com a canção “Eye of the Storm”, escrita pelas compositoras suecas Ylva e Linda Perssons, McTernan vai subir ao palco da Eurovisão pelo seu país, a Irlanda. O tema que vai interpretar em Tel Aviv chama-se “22”.

Geórgia

Oto Nemsadze

Oto Nemsadze nasceu 18 de junho de 198, em Gori,cidade localizada na zona ocidental da Geórgia. Ao longo da sua carreira, participou em vários concursos musicais, dentro e fora do seu país. Este ano venceu o “Ídolos” georgiano, tornando-se automaticamente no representante do país na Eurovisão de 2019. Nemsadze está a trabalhar no segundo álbum de originais.

Sérvia

Nevena Božović

Nascida a 15 de junho de 1994, em Kosovska Mitrovica, Nevena Božović mostrou desde cedo interesse pela música. Estudou piano e, aos 16 anos, entrou para a Academia de Música. Continuou os estudos na Faculdade de Música da Universidade de Belgrado, onde se licenciou este ano, com especialização em solfejo. Depois de ter participado no Festival Eurovisão da Canção Júnior em 2007, onde ficou em terceiro lugar, no concurso principal com a banda Moje em 2013, Nevena Božović vai regressar este ano para atuar sozinha no grande palco do evento musical. O tema que vai apresentar chama-se “Kruna”.

Suécia

John Lundvik

John Lundvik já não é novo nestas andanças. O compositor sueco tornou-se conhecido do público quando, em 2018, participou no “Melodifestivalen”, o concurso responsável por apurar o representante da Suécia na Eurovisão. O tema que compôs para o concurso musical, “My Turn”, passou diretamente à final, ficando em terceiro lugar. Este ano, Lundvik voltou a participar e conseguiu ser apurado para a Eurovisão, onde apresentará a canção “Too Late For Love”.

Suíça

Luca Hänni

Aos 24 anos, Luca Hänni é um dos cantores mais populares nos países de língua alemã. A sua carreira musical começou em 2012, quando, aos 17 anos, ganhou o “Deutschland sucht den Superstar”, a versão alemã do “Ídolos”. O seu primeiro single, “Don’t Think about Me”, chegou a número um nos tops da Alemanha, Áustria e Suíça. A este primeiro sucesso seguiram-se concertos esgotados, participações em festivais de música e programas de televisão e inúmeros prémios musicais. O tema que vai apresentar na Eurovisão, “She Got Me”, foi composto por si e por Laurell Barker, Mac Frazer, Jon Hällgren e Lukas Hällgren.