Rádio Observador

Escultura

Identificada a única escultura de Leonardo da Vinci que sobreviveu até hoje

2.276

Atribuída durante décadas a Antonio Rossellino, a estátua da Virgem Maria com o menino Jesus a rir será, na verdade, a única escultura feita por Leonardo da Vinci que sobreviveu até aos dias de hoje.

A estátua da Virgem com o menino Jesus a rir foi até hoje atribuída a Antonio Rossellino

Victoria & Albert Museum, London

Sempre se soube que Leonardo da Vinci foi, além de pintor, cientista e inventor, também escultor. Mas a inexistência de esculturas sobreviventes do mestre italiano criou um mito à volta desta arte. Agora, os curadores de uma exposição em Florença, a região onde nasceu o artista, dizem ter descoberto a única peça esculpida por Da Vinci que sobreviveu até aos dias de hoje.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, a “Virgem com a criança a rir” é a única escultura tridimensional de Leonardo da Vinci que ainda existe, e pode ser vista por estes dias na exposição Verrocchio, Master of Leonardo, no Palácio Strozzi, no centro de Florença. A peça faz parte do espólio do Victoria and Albert Museum (V&A), em Londres, desde 1858 e sempre foi atribuída a Antonio Rossellino.

A estátua da Virgem com o menino Jesus a rir será a única escultura de Leonardo da Vinci que sobreviveu até hoje (Fotografia: Victoria & Albert Museum, London)

Agora, a equipa de académicos italianos liderada por Francesco Caglioti que preparou a exposição dedicada a Andrea del Verrocchio, o italiano que foi mestre de Leonardo da Vinci, acreditam que a escultura foi na verdade criada por Da Vinci no ano de 1472, altura em que o artista tinha cerca de 19 ou 20 anos e ainda estudava com Verrocchio.

Segundo Caglioti, professor da Universidade de Nápoles e considerado um dos maiores especialistas na cultura do século XV, é possível identificar na estátua da Virgem com Jesus Cristo a rir alguns traços de Da Vinci, nomeadamente o sorriso enigmático que pode ser encontrado na obra mais emblemática do italiano, a Mona Lisa.

Caglioti explica ainda que o erro na atribuição da autoria da obra vem da perpetuação de uma opinião do historiador da arte britânico John Pope-Hennessy, que no século XX atribuiu a escultura a Rossellino sem provas substanciais, que nunca foi questionada. A revelação de que a escultura é de Da Vinci é apoiada também por Carmen C. Bambach, uma das maiores especialistas na obra do italiano, presente na conferência de imprensa em que a notícia foi revelada.

Dois pormenores levam os cientistas a crer que a obra é de Leonardo da Vinci. Em primeiro lugar, as detalhadas roupas da Virgem Maria, semelhantes às que figuram nos desenhos do italiano datados da mesma altura e expostos juntamente com a escultura. Em segundo lugar, a forma realista como Jesus Cristo é retratado, com a normalidade de uma criança, algo que no século XV seria quase blasfémia.

A escultura tem cerca de 50 centímetros de altura, é feita de argila vermelha, e encontra-se protegida por uma redoma de vidro, podendo ser visitada até 14 de julho deste ano em Florença.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)