Rádio Observador

Joana Vasconcelos

Estreia a solo de Joana Vasconcelos na Alemanha tem “sabor especial”

127

A artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos inaugura este sábado a primeira exposição individual na Alemanha, no museu Marx Ernst, em Brühl, e a mostra tem para si "um sabor especial".

LUIS TEJIDO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos inaugura este sábado à tarde a primeira exposição individual na Alemanha, no museu Marx Ernst, em Brühl, e a mostra tem para si “um sabor especial”.

Intitulada “Maximal”, reúne uma seleção de vinte obras da artista “à volta da obra de Marx Ernst” e com uma “perspetiva sobre o surrealismo”, revela Joana Vasconcelos, em declarações à agência Lusa, acrescentando que a exposição resultou de um trabalho de mais de um ano.

“Há 30 anos fiz um InterRail e o meu objetivo era chegar a Berlim. Parei em Madrid, depois parei em Paris, e lá fui visitar o [Centro Georges] Pompidou onde havia uma grande exposição do Marx Ernst [pintor, escultor, artista gráfico e poeta, nascido na Alemanha]. Tirei uma fotografia com a Capricorn [escultura de 1948], que é talvez a sua peça mais importante. Guardei sempre essa fotografia e, curiosamente, três décadas depois, estou a expor ao seu lado”, indicou Joana Vasconcelos, sublinhando que, por isso, a exposição tem um “sabor especial”.

Na mostra há uma “espécie de troca” em que a artista leva uma das suas obras para o meio da coleção de Marx Ernst, ao lado das suas esculturas, trazendo também uma peça para a sua exposição.

“Expor a primeira vez na Alemanha, sozinha, num museu, e esse museu ser o Marx Ernst, tem um significado particular para mim porque eu, há 30 anos, não sonharia sequer ser possível estar ao lado do Marx Ernst e ser artista plástica. Eu estava a iniciar os meus estudos. Hoje, quando olho para trás, penso que a vida dá mesmo muitas voltas. É incrível a vida ter-me trazido aqui, é fantástico”, destacou.

O trabalho a ser exposto inclui peças que vão desde os emblemáticos “Coração Independente Vermelho” e “Carmen Miranda”, da série “Sapatos”, até outras mais antigas, como “Brise” e “Spin” (ambas de 2001), “Esposas” e “Passerelle” (de 2005), passando por algumas raramente apresentadas ao público, como “Style for Your Hair” (2000), contemporânea de “Mise”, e que evoca, a grande escala, o processo de pintura de madeixas, ou “Matilha” (2005), conjunto de diversos cães de porcelana, cobertos com crochet.

“O coração de Viana [Coração Independente Vermelho] está no centro da exposição, o Cottonopolis, que é uma peça enorme que eu fiz para o museu de Manchester, contracena com a escultura do Moonmad do Marx Ernst. Depois tem uma série de peças, como a Pantelmina, que é uma das primeiras feitas a tricô, tem umas peças ligadas à água e à casa de banho, uma série de peças ligadas aos cabelos… Na verdade, tem vários núcleos de obra que estão conjugados de forma a criar espaços totalmente diferentes”, frisou à Lusa.

Joana Vasconcelos realça que “não foi difícil” escolher as 20 obras, que vão estar expostas até ao dia 04 de agosto, no “Max Ernst Museum Brühl des LVR” e não esconde o desejo de levar o seu trabalho à capital alemã.

“Viajo para onde o meu trabalho me leva, adoraria fazer uma exposição em Berlim. Pode ser que depois desta venha um convite para Berlim”, confessou a artista plástica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)