Logo Observador
Escritores

Textos autobiográficos inéditos de Virginia Woolf publicados na Ponto de Fuga

Cinco ensaios autobiográficos inéditos de Virginia Woolf serão publicados na sexta-feira pela Ponto de Fuga, sob o título "Momentos de Vida". Serão divulgadas também várias fotografias da família.

Virginia Woolf foi uma escritora, ensaísta e editora britânica

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Cinco ensaios autobiográficos inéditos de Virginia Woolf, que lançam uma nova luz sobre a visão e o trabalho da autora, serão publicados na sexta-feira pela Ponto de Fuga, sob o título “Momentos de Vida”. A maior parte destes textos, pertencentes aos arquivos que se encontram na British Library e na biblioteca da Universidade de Sussex, não foi escrita com o objetivo de ser publicada.

Contudo, “é inegável o interesse e o valor destas memórias, não só no conjunto da sua obra, como também pelo facto de lançarem luz sobre a visão e a sensibilidade, a vida e a arte de uma das mais importantes autoras do século XX”, diz a tradutora Eugénia Antunes, numa nota introdutória da obra.

O primeiro texto, “Reminiscências”, começou a ser escrito em 1907, quando Virginia Woolf tinha 25 anos, e integra-se num período de aprendizagem da escritora, em que esta se prescrevia vários exercícios de escrita, consciente de que era uma aprendiza do ofício.

Este primeiro texto foi pensado para o sobrinho, Julian Bell, primeiro filho de Vanessa e Clive Bell, e deveria relatar a vida da irmã, mas acabou por se tornar uma evocação da infância e adolescência de ambas.

O segundo texto, “Um Esboço do Passado”, foi escrito já no final da carreira de Virginia Woolf, em 1939, abarcando, no entanto, o mesmo período de vida do texto anterior, mas de um ângulo totalmente diferente.

Os últimos três textos, escritos entre 1920 e 1936, foram lidos por Virginia Woolf ao Clube das Memórias, um grupo de amigos que se reunia ocasionalmente para jantar, conviver e ler textos autobiográficos, nos quais a franqueza devia ser absoluta.

A ordem por que estes textos — “Hyde Park Gate, 22”, “O Velho Grupo de Bloomsbury” e “Sou Snobe?” — são apresentados na obra respeita a ordem cronológica dos eventos neles descritos.

Segundo Eugénia Antunes, como os textos não se destinavam a ser publicados, “não foram devidamente preparados por Virginia, que tinha por hábito escrever algumas versões e depois revê-las e datilografá-las até oito ou nove vezes, e apresentam marcas evidentes de um ‘work in progress'”.

O livro “Momentos de Vida” inclui ainda várias fotografias da família e retratos de Virginia Woolf, bem como cópias de originais escritos à mão e datilografados.

Os textos autobiográficos que compõem esta obra foram encontrados em papéis que ficaram no espólio de Virginia Woolf quando esta morreu e foram divulgados por um sobrinho, contou à Lusa Vladimiro Nunes, da Ponto de Fuga.

A publicação deste livro insere-se num trabalho que a editora está a fazer em torno de “textos com alguma autorreflexão dos autores”, como é o caso de um livro de Gertrude Stein que a Ponto de Fuga também vai publicar, intitulado a “Autobiografia de Alice B. Toklas”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada.